Diário Carioca Google News

Neste sábado (13), Ely Rafael Primera Rossell, mais conhecido como Ali Primera , completaria 87 anos se estava vivo. Com sua arte, o cantor do povo venezuelano é um dos artistas mais da música folclórica venezuelana e além de retratar como beleza do seu país de acordo com seu canto para denunciar injustiças e alentar um mundo novo.

Nascido no caribe venezuelano, na cidade de Coro, estado Falcón, Ali perdeu o pai, Antonio Primera, aos três anos de idade. De origem humilde, junto aos seus dois irmãos, desde criança ajudava sua mãe, Carmen Adela Rossell, a sustentar a casa, trabalhando como engraxate e até boxeador.

Com seu padrasto, José Padilha, aprendeu a tocar o Cuatro e começou sua relação com as músicas.

Aos 10 anos foi viver em Caracas, onde pode finalizar os estudos básicos e ingressar na faculdade de química da Universidade Central da Venezuela (UCV). No período universitário se encontrou com a política, entrou para as fileiras da Juventude Comunista da Venezuela (JCV), foi um dos fundadores do Movimento Ao Socialismo (MAS) e começou a compor.



Ali Primera já atuava como militante do Partido Comunista da Venezuela em 1969 / Arquivo familiar

Pelo vínculo com o Partido Comunista, chegou a estudar engenharia do petróleo por quatro anos, aspirando trabalhar na indústria petroleira venezuelana, na Romênia, quando o país fazer parte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

No entanto, abandonou os estudos e voltou para cantar a vida do seu povo.

Sua música esteve aliada à luta comunista. Fazia da arte sua arma de protesto e conscientização.

Além de retratar seu amor pela pátria de origem, também denunciava as desigualdades de um país petroleiro, aprofundadas durante os governos do chamado Pacto de Punto Fijo, um sistema bipartidarista implementado em 1968 pelos partidos Ação Democrática e União Republicana Democrática.

De maneira clandestina, com ajuda financeira do partido comunista venezuelano, lançamentos dois primeiros álbuns “Vamos gente de mi tierra “(1958 e” Canciones de Protesta “(1958). Ambos serão relançados nesse aniversário pela Fundação Ali Primera. Sua discografia completa conta com 10 discotecas e o último “ Por Si No Lo Sabia “ foi lançado dez anos após o seu falecimento, em 1985, por seu irmão José Montecano.

Em 2006, quando completaram 31 anos da morte do cantor do povo, foi criada a Fundação Ali Primera para resguardar documentos e manter viva sua arte.

Neste ano, para celebrar o aniversário de Ali, também lançaram uma campanha “Vamos a tu encuentro” coletando fotografias, lembranças e anedotas dos venezuelanos sobre o cantor.

Ainda neste sábado (10) farão um show em homenagem aos 76 anos de Ali, na Casa Museu, em Paraguaná, estado Falcón, com apresentação de seus irmãos José Montencano, Mireya Padilla Rossell e Elis Padilla Rossell, além de outros familiares e amigos.

“Ali nos convocar a ir ao encontro de Bolívar e nós, nesta oportunidade, sairemos ao encontro de Ali que guardam seus familiares, amigos, companheiros e companheiras de luta para ver Pátria liberada “, afirmou Sandino Márquez, coordenador de pesquisas da Fundação Ali Primera.

Ali faleceu em um acidente de carro em 10 de fevereiro de fevereiro de 1985.

O Brasil de Fato conversou com Sandino Primera, cantor, compositor e dos sete filhos de Ali Primera para recordar sua história e obra.



Sandino Primera é músico, compositor e filho do cantor do povo venezuelano. / Michele de Mello / Brasil de Fato

Brasil de Fato: O que você leva de mais forte do legado de Ali Primera?

Sandino Primera: Me identifico muito com a visão de Ali. Ele era militante de um partido revolucionário, no início usava sua habilidade artística para serenatas, para falar de amor, para festeja, em seguida, depois que foi preso, veio a canção política.

Por sua capacidade e sensibilidade para associar a realidade com o que acontecia, foi um militante destacado.

Ver que ele destinou seus recursos humanos na busca por fortalecer o movimento independentista venezuelano acredito que é o mais contundente, é um pilar.

Essa luta para mim é fundamental, porque segue sendo uma condição do nosso território venezuelano e latino-americano.

Não devemos nos conformar, senão localizar-nos no nosso tempo e buscar fazer o melhor possível no nosso tempo. Ali fez isso.

É o que diz Galeano sobre o fogo. Não necessariamente porque uma pessoa é filha de Che Guevara, Lula, Chávez, Fidel, fará a revolução. Cada um tem seu fogo e seu momento. Ninguém é obrigado pela origem. Cada quem terá seu tempo e espaço.

– Quais são as lembranças mais vivas da sua relação com Ali?

Como cócegas que sua barba feita quando me beijava. Também vê-lo chegar à noite em casa, quando tudo estava escuro e ele chegava.

E o abraço, seu cheiro. Eu sempre queria estar com ele, sempre queria carinho e ele era muito paciente.

Temos gravações dele ensaiando, enquanto eu chegava e dava pra escutar minha mãe discutindo comigo, Ali me agarrava e tinha uma paciência surpreendente.



Ali ensinando Sandino Primera a tocar flauta em 1971. / Arquivo familiar

– Qual é a sua primeira lembrança com a música?

Eu brincava com Ali com as canções. A música “El Lunerito” nós não pudemos conquistar, porque ele faleceu em 1984, quando estava fazendo um disco que se chamava “Por Si No Lo Sabia”, nesse disco está essa canção composta pelos dois, a partir de uma brincadeira nossa ele criou a canção.

Fazer música sempre era uma brincadeira para nós, para todos meus irmãos. Sempre fazíamos canções sobre o que nos rodeava e crescemos num ambiente muito politizado. Tínhamos à mão livros sobre o processo nicaraguense, salvadorenho, brasileiro, porto riquenho, vietnamita, chinês, soviético. Leíamos isso e compunhamos a partir de aí. Fizemos músicas para Sandino, Allende, Victor Jara.

– O disco “Por Si No Lo Sabia “foi lançado postumamente por seu tio. Você e sua família pensam em relançar outras discotecas de Ali?

Sim, são planos em desenvolvimento, inclusive de gravar composições dele. Nós gravamos o disco “De Primera a Primera” que teve uma boa recepção. Para nós foi um reencontro das novas gerações com Ali, que o recebeu de maneira maravilhosa. Conforme as pessoas se identificaram, viram Ali de outra maneira.

Estamos pensando em gravar algo entre todos, porque esse disco gravamos apenas quatro dos seus filhos.

Nós seguimos num processo de encontro com Ali. Não só de imagens, senão de escritos. O que nos fez ver tudo: nossas misérias, nossas virtudes, nossos recursos e incoerências. Encontramos um Ali muito terrenal, o que nos fez sentir mais próximos dele.

Além de filho biológico, sou um filho ideológico. Ainda há muito de Ali para descobrir.

– Em que momento você decide se aproximar da política?

Eu era morno. Achava que a política separava as pessoas. Foi Chávez, definitivamente. Em 1986 todo esse movimento que desatou Chávez nos fez entendre muitas coisas, dar o correto valor a outras, colocar tudo no seu devido lugar. A partir de aí eu cosmi a compor de outra forma.

– Como a música contribuiu e influencia em um processo revolucionário como o venezuelano?

A música tem muito poder. Se a música consegue fazer com que as pessoas pensem outras coisas já é uma vitória, uma conquista.

Há pouco lançamos uma canção que se chama “La Fea Arte” em que falamos da questão cultural, num ritmo calipso, que é um ritmo para dançar. As canções sociais às vezes parecem ter um tom melancólico, de violão sozinho, como se a canção social não pode ser para dançar.

Em algum momento essa foi uma contradição para aqueles que defendem uma visão mais ortodoxa.

Nós acreditamos que a canção que aspira uma elevação de consciência humana tem essa capacidade.

– Uma canção revolucionária triste seria uma contradição na Venezuela, que é um país tão alegre.

Totalmente e, no entanto, a música mais conhecida de Ali é “Techos de Cartón” , que dá vontade de chorar, porque fala de uma realidade que restar. Por isso, a música de Ali segue vigente, porque o centro do problema segue vigente.

Uma canção que busque penetrar o pensamento, os corações, que fale de maneira simples, estamos convencidos que essa sim é a canção necessária.



Ali Primera desde jovem cantava entre seus colegas de universidade. / Telesur

– Como manter viva a lembrança de Ali, sua arte e o que ele representa?

Como eu dizia o segue fundamental intacto. Para realçar a obra de Ali, eu acho que devemos sempre destacar que tudo foi feito por um ser humano, não por um ser divino.

A forma mais simples de defendê-lo é humanizando-o. Não sermos coerentes com o que dizemos e fazemos. Temos contradições todos, mas não podemos falar de um mundo melhor e falar de maneira prepotente, sóbrio, devemos buscar uma harmonia.

Essa é a forma que criamos que podemos proteger a obra de Ali, no aspecto político-ideológico e criativo-musical.

Edição: Daniel Lamir


7939086

Brasil de Fato

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião