Diário Carioca Google News

Terceiro espetáculo do Coletivo Paralelas, “A Protagonista” surge como uma expansão das pesquisas desenvolvidas em “Piranha não dá no mar”, um espetáculo-jogo desenvolvido com orientação artística de Miwa Yanagizawa. Nele uma nova dramaturgia se criava a cada apresentação, convidando o público à reflexão: É possível ser uma mulher livre?, e o termo “Piranha” atuava como disparador dessa discussão.

Foto: Franco Albuquerque

Em “A Protagonista”, a parceria com Miwa Yanagizawa se manteve, e o grupo decide aprofundar a investigação do jogo como instrumento cênico e a reflexão sobre os agentes que limitam a livre atuação da mulher na sociedade, tomada por vigilância e opressão. A estreia será dia 19 de setembro, às 20h, transmitido pela plataforma Zoom.

No espetáculo, há 4 atrizes fixas no elenco, e em cada apresentação, uma atriz convidada diferente que não sabe nada sobre a peça e recebe a indicação de que a plateia não pode perceber que ela não compõe o elenco fixo. Ela entra na sala do Zoom uns minutos depois do início do espetáculo.

O enredo se constrói em torno da convidada, a qual, sem o saber, torna-se a protagonista da cena, identificando-se como mais uma mulher sendo vigiada. Portanto, o público se torna o vigia dessas atrizes, disparando a discussão sobre protagonismo feminino, vigilância e controle sobre a mulher, agora no meio virtual.

O projeto escolheu, como atrizes convidadas, mulheres não brancas e de regiões periféricas do Rio de Janeiro, como forma de valorizar essas vozes e fortalecer os seus protagonismos.

O enredo mostra 4 funcionárias de uma empresa atuando de forma remota, ressaltando, em seus diálogos, questões sobre o universo feminino e as novas demandas surgidas nesse momento extraordinário, em que o controle e a vigilância sobre a mulher se mostraram ainda mais presentes. A quinta atriz (convidada) entra em cena para uma entrevista de emprego e será contratada para trabalhar, também remotamente, nessa empresa, gerando nas demais atrizes a expectativa do que pode acontecer.

No primeiro momento, as atrizes dividem memórias e vivências, apontando as diferenças e semelhanças entre um ambiente de trabalho presencial e outro virtual. Em um segundo, revelam-se imagens e filmagens feitas durante e anteriormente à peça, expondo as atrizes e levando a julgamento suas realidades cotidianas exibidas em uma plataforma virtual. Assim, a vida se torna espetáculo e elas se dão conta de que suas representações se perdem no que são, no que desejam ser e no que os vigias as transformam.

A peça, que tinha estreia prevista para 20 de março de 2020 no SESC Tijuca, foi adaptada e atualizada pelo grupo para ser realizado na plataforma virtual ainda em parceria com o SESC Rio.

Newsletter

Mais Noticias

caixa-paga-hoje-3a-parcela-do-auxilio-para-nascidos-em-marco

Caixa paga hoje 3ª parcela do auxílio para nascidos em março

A Caixa paga neste domingo (20) a terceira parcela do auxílio emergencial 2021 para beneficiários nascidos em março. Os recursos serão depositados nas contas digitais dos beneficiários. Os valores podem ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem para pagamento de boletos, compras na internet e pelas maquininhas de estabelecimentos comerciais. Os beneficiários também conseguem movimentar os […]

Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo