Diário Carioca Google News

a-violencia-vicaria-nao-faz-distincao-entre-os-generos,-embora-a-grande-maioria-de-suas-vitimas-sejam,-de-fato,-mulheres

Dentre todas as formas pelas quais os humanos são capazes de infligir violência, como física, econômica, racial, sexual, etc … a violência psicológica é talvez a forma de violência mais enraizada em nossa sociedade. Sua manifestação é sutil e invisível e por isso é difícil reconhecê-la, identificá-la e comprová-la, embora a quantidade de pessoas que a sofrem e a causam esteja aumentando a cada dia. A violência e o abuso psicológico estão presentes no trabalho, nas empresas, nas escolas, nas relações e também nos agregados familiares.

No último 21 de Março, nova série documental chamado “Rocio, contar la verdad para seguir viva” (Rocio, dizer a verdade para estar vivo) foi lançado na televisão espanhola e está realmente impactando a sociedade. Trata-se do testemunho de Rocío Carrasco, uma mulher muito popular que é filha de Rocío Jurado, um notável cantor espanhol também muito conhecido na América Latina e que morreu neste dia há exatamente quinze anos.

Ao longo dos doze episódios em que se compõe a série documental, semana a semana Rocío Carrasco narra em detalhes toda a violência psicológica que sofreu nos últimos vinte e cinco anos, não só de sua parte ex-parceira, mas também em relação aos comentários nocivos e falsos publicados sobre ela no jornalismo de celebridades. Ao longo de seu depoimento ela detalha que passou por um inferno, uma atmosfera de pânico extremo e como ele conseguiu tirar seus filhos dela, convencendo-os a serem totalmente contra sua mãe. A autenticidade e brutalidade de sua história viraram a cabeça das pessoas.

O número de reclamações de violência de gênero recebidas aumentou em mais de 40% desde o início da série para ser transmitido na televisão. Muitas mulheres divorciadas se viram refletidas no documentário e se deram conta de que o que estava acontecendo com elas não eram apenas incidentes isolados.

Embora o depoimento seja uma denúncia clara do social e institucional masculino chauvinismo, a realidade é que a violência psicológica e parental também é sofrida por alguns homens nas mãos de suas ex-companheiras. E, acima de tudo, as crianças são as principais vítimas. Além disso, a violência é galopante e não distingue idade, sexo, classe social ou raça, dificultando assim todo o progresso humano. É hora de transformar o ódio, de parar de buscar vingança. É hora de sentir nojo e aversão a cada gesto violento encontrado dentro e fora de nós mesmos. É o momento de parar de calar qualquer forma de maus tratos, de deixar de procurar culpados e de dizer: Basta!

A seguinte carta foi publicada em estilo epistolar em maio passado dirigido a Rocío Carrasco no qual vários grupos de pais afetados por circunstâncias semelhantes se repetem e dão apoio e testemunho à verdade contada no documentário.

Antonia Utrera

Caro Rocío Carrasco,

Somos vários grupos de pais de diferentes partes da Espanha que trocam experiências há anos com o intuito de nos apoiarmos e nos ajudarmos a superar as situações de maus-tratos e maus-tratos psicológicos que estamos sofrendo, tanto nossos filhos quanto nós, nas mãos de nossos ex-companheiros.

Em alguns casos os laços com nossos filhos foram rompidos anos atrás, ou estão no meio de uma crise e estão rompendo agora. Alguns de nós conseguiram resgatar nossos filhos e estão tentando reconstruir os laços de afeto que foram muito danificados.

Seguimos seu testemunho com muito interesse e gostaria de expressar nossa profunda gratidão a você por lançar luz sobre tantas trevas.

A situação psicológica e física o abuso que você descreve, mascarado pela falta de conhecimento por parte da sociedade e das instituições, é um espelho claro da dor e da tristeza que sofremos diariamente no relacionamento com nossos filhos. Você ficaria tão surpreso quanto nós com as semelhanças e coincidências entre suas histórias e as nossas.

A psicopatologia das pessoas que alienaram nossa as crianças virando-se contra nós obedecem a um padrão de comportamento que parece ser do manual do DSM 5, eles se encaixam perfeitamente. Por isso, todos nós, sem exceção, nos vimos refletidos em sua história e ficamos comovidos com ela. Alguns de nós finalmente recuperaram nossos filhos, mas mesmo assim, temos que dizer que feridas profundas realmente deixam rastros. Alguns de nossos filhos estão em tratamento psicológico, pois leva tempo para superar um trauma dessa magnitude. Outras pessoas superaram completamente, transformando sua experiência em um propósito vital de ajudar os outros.

Como você, tratamos de menores e o defensor do povo, que também respondeu com “diga ao tribunal”.

Assim como você, fomos abusados ​​por nosso ex- parceiros (homens e mulheres).

Assim como você, suportamos ataques, mentiras, palavras prejudiciais e o distanciamento de nossos filhos de nós por anos sem saber que esse comportamento era o resultado de suas mentes distorcidas infundidas pela desordem do outro progenitor que as usava como armas e escudos em seu próprio benefício.

Assim como você, temos sustentado a prática pouco profissional de psicólogos judiciais com diagnóstico avaliado em visitas rápidas de não mais de meia hora, nas quais os juízes confiam inteiramente na hora de proferir uma sentença.

Assim como você, nos sentimos impotentes quando se tratava de proteger nosso crianças e desprotegidas por psicólogos clínicos que não se atrevem a diagnosticar com firmeza e clareza.

Como você, suportamos injustiças e a incompetência da Justiça .

Assim como você, nos encontramos indefesos em ambientes familiares e de amigos próximos e, em muitos casos, até mesmo acusados ​​por eles.

Assim como você, vivemos e muitos de nós ainda vivemos como se fôssemos almas atormentadas em tratamento psicológico. Estamos lutando contra Golias, totalmente desamparados, desesperados, superados por uma Justiça e uma Sociedade corrompida e incapaz de entender o que está acontecendo. Além disso, estão cientes de que não somos apenas casos excepcionais, mas muitas pessoas que estão passando pela mesma situação.

Assim como você, estamos em processo de recuperação e capacitação.

Felizmente, existem alguns profissionais que se especializaram de fato em Abusos psicológicos infantis por alienação parental como o advogado Cesar Martín, o psicólogo Julio Bronchal Cambra, a Fundação Filia com suas novas promoções para coordenadores parentais e também psicólogos clínicos internacionais como o Dr. Craig Childress ou o psiquiatra argentino Hugo Marietan.

Precisamos, tanto da sociedade psicológica quanto judicial e das instituições, revisar os conceitos e procedimentos que são aplicados em relação aos divórcios altamente conflitivos desde então Há patógenos de paternidade por trás deles, independentemente do sexo. É essencial manter as crianças longe de pressões judiciais, guerras psicológicas, pais abusivos e desordenados e protegê-las sem prejudicar os laços familiares. É importante que os vínculos paternos e materno-infantis sejam bons e fortes para que as novas gerações possam crescer com saúde. Nunca há ajuda suficiente.

GRUPO RECUPERANDO CORAZONES (Grupo de recuperação de corações)

ASSOCIAÇÃO ARESAP

Abuso psicológico infantil

e-mail: recuperandocorazones@gmail.com

Leituras recomendadas:

Abus de Faiblesse et autres Manipulations – Marie -France Hirigoyen.

Le Harcèlement Moral dans la Vie Professionnelle- Marie-France Hirigoyen.

SAP. Síndrome de alienación parental: Hijos manipulados por un cónyuge para odiar al otro – José Manuel Aguilar Cuenca.

Sobre a autora: Antonia Utrera vive e trabalha em Barcelona, ​​Espanha. Escritor, editor e jornalista. Ela tem uma longa e valiosa carreira profissional em imprensa e comunicação. É diretora da Revista Acelobert Barcelona. É membro do Centro de Estudos Humanistas Noesis.

Traduzido por Claudia Bordalo

Newsletter