Diário Carioca Google News

A Frente Parlamentar Mista do Rio de Janeiro em Defesa do Serviço Público, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, realizou nesta terça-feira (20/07) um debate virtual sobre a Proposta de Emenda à Constituição 32/2020 . A PEC, de autoria do Poder Executivo, altera dispositivos sobre servidores e empregados públicos e modifica a organização da administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. O evento, em parceria com o Fórum dos Servidores Públicos do Rio de Janeiro (Fosperj), teve a mediação do deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), presidente da Frente Parlamentar, e da professora Renata Gama, integrante do Fosperj, e contou com a presença dos deputados federais Alessandro Molon (PSB-RJ), Felício Laterça (PSL-RJ) e Paulo Ramos (PDT-RJ). Foi unânime, entre os debatedores, a posição contrária à aprovação da PEC.

A “PEC da Nova Administração Pública”, como é conhecida a proposta, altera 27 trechos da Constituição e introduz 87 novos tópicos, sendo quatro artigos inteiros. As principais medidas tratam da contratação, da remuneração e do desligamento de pessoal, válidas somente para quem ingressar no setor público após a aprovação das mudanças. “A PEC desestrutura o serviço público do Brasil e deixa sem perspectivas os atuais servidores públicos e os que ainda ingressarão. Não é possível garantir políticas públicas e assegurar os direitos sem servidores públicos profissionalizados, valorizados e significados”, comentou Waldeck Carneiro.

O deputado Felício Laterça ressaltou sua posição contrária à PEC, mesmo integrando a base governista: “Essa PEC vem em um péssimo momento, já que vivemos uma pandemia. Ela sucateia o serviço público. O Brasil não tem maturidade política, não tem políticas independentes, ou seja, não temos capacidade de deixar os serviços públicos na mão dos políticos”.

Reforçando o posicionamento dos demais parlamentares, o deputado Alessandro Molon afirmou que a PEC não pode passar. “Nós defendemos a reforma do estado porque reconhecemos que o serviço público presta importantes serviços ao país, com o SUS. Nós reconhecemos também que pode e deve melhorar. Agora se a eficiência é o nosso principal objetivo, precisamos rejeitar essa reforma. É uma proposta que favorece o aparelhamento do estado e ao desmonte dos serviços públicos e desorganiza e fragiliza o estado brasileiro”, pontuou.

Com o objetivo de aprofundar esse debate sobre a PEC 32, o deputado Paulo Ramos disse que está previsto um seminário na Alerj, no dia 16 de agosto, a respeito do tema. “Além do seminário, proponho que também seja realizado um ato público para que nós possamos explicar à população do Rio de Janeiro a nossa posição contrária a essa PEC Em plena pandemia, ela pretende acabar com o serviço público, com a estabilidade do servidor e transfere as responsabilidades públicas para a iniciativa privada. É o desmonte completo do serviço público. Ela tem que ser rejeitada”, enfatizou o parlamentar

Newsletter

Mais Noticias

Lo que no dicen de Cuba

No empezó con Biden, hay que decir. Desde el 2017 vienen martillando la falacia de un estallido social en Cuba con su solución mágica, la “intervención humanitaria”

Redação do Diário Carioca

Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *