- Publicidade -

Alerj debate projeto que pode induzir desenvolvimento econômico e social da Baixada através do gás natural

- Publicidade -

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) debateu, nesta sexta-feira (06/08), a criação de um hub (ou eixo) de desenvolvimento por meio do gás natural, na Baixada Fluminense. O projeto foi apresentado pelo diretor-geral da Alerj e ex-secretário estadual de Energia, Indústria Naval e Petróleo, o engenheiro Wagner Victer, e teve muito boa receptividade pelos participantes. A ideia é que o gasoduto marítimo Rota 4b, oriundo do Campo de Bacalhau, na Bacia de Santos, divisa entre os estados do Rio e São Paulo, siga por Itaguaí, na Baixada, podendo incrementar a oferta de gás em pelo menos 20 milhões de metros cúbicos diários.

Victer destacou a urgência e a importância da tomada de ações práticas para viabilizar o projeto. “Não há projeto mais importante para o Rio de Janeiro nesta década. Se aguardarmos sentados, o estado de São Paulo irá tomar a nossa frente. Nós somos imbatíveis com um projeto como esse. Desenvolvê-lo no Rio de Janeiro é melhor para o Brasil, e por isso desejo que este projeto seja uma bandeira de todos”, comentou.

- Advertisement -

As razões que fazem o Rio de Janeiro e a Baixada serem o lugar ideal para o escoamento da produção de gás do Campo de Bacalhau foram apresentadas durante a reunião. Wagner Victer enumerou na sua exposição 15 pontos positivos da Baixada Fluminense, como a localização frontal às reservas do pré-sal na Bacia de Santos; o sistema de recursos hídricos da região; a mão de obra abundante do local; os diversos centros de qualificação próximos, como a Universidade Rural do Estado (UFRRJ), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e as escolas técnicas Faetec, Cefet e IFRJ, e a ampla oferta de terrenos planos a baixo custo.

Uma vez estruturado o hub, diversas oportunidades econômicas podem surgir. O ex-secretário estadual de Energia citou a construção de uma unidade de processamento de gás natural, de duas usinas termelétricas e o desenvolvimento de condomínios industriais, potencializados pelo gás barato, por exemplo. Além disso, muitos seriam os ganhos socioambientais, como a ampliação da oferta de gás natural veicular (GNV): redução do preço de combustíveis; geração de empregos e absorção da mão de obra regional; substituição do carvão pelo gás no processo produtivo, reduzindo a emissão de carbono; e o fortalecimento da cadeia de serviços da Baixada.

Presidente da Comissão de Tributação, Controle da Arrecadação Estadual e de Fiscalização dos Tributos Estaduais da Alerj e um dos mediadores do debate, o deputado Luiz Paulo (Cidadania) enfatizou o trabalho de recuperação econômica e social do estado, desenvolvido no parlamento. “A Alerj vem cada vez mais se qualificando tecnicamente e introduzindo diversas questões no debate. O Wagner Victer está propondo uma nova discussão de política de desenvolvimento econômico e social do Rio de Janeiro, tendo o poder público como o grande indutor”, disse o parlamentar.

O diretor-presidente da Assessoria Fiscal da Alerj, o economista Mauro Osorio, ressaltou a importância de projetos indutores liderados pelo poder público: “Precisamos mesmo pensar o Rio de Janeiro de forma sistêmica, e ter projetos regionais e nacionais liderados pelo poder público. Temos que estruturar nosso estado. Este projeto é indutor de desenvolvimento, cria empregos e gera renda nova”.

Também integrante da Assessoria Fiscal da Alerj, a ex-diretora da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, elogiou o projeto e destacou a necessidade de envolvimento da Petrobras. É fundamental que a Petrobras se junte ao esforço realizado pela Alerj para trazer a Rota 4 para o Rio de Janeiro. O Parlamento fluminense e seu diretor-geral estão de parabéns. É um projeto muito bem apresentado”, avalizou

- Publicidade -
- Publicidade -

Falando Nisso...

Firjan: PIB fluminense cresce 1,7% no segundo trimestre do ano

Resultado confirma dinamismo da economia no estado frente a economia nacional. Com avanço na vacinação, federação projeta o Produto Interno Bruto do Rio de Janeiro em 4,2% em 2021

Empresas no RJ apostam na divulgação com vídeos online em busca de maior alcance

O mercado no Rio de Janeiro está ficando cada vez mais digital, e alguns números recentes divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal