Moeda única ou unidade de conta no Mercosul? É preciso esclarecer…

2 mins de letura
brasil-e-argentina-querem-moeda-comum-para-comercio-exterior,-sem-abrir-mao-do-real-e-do-peso

Nos últimos dias, as discussões em torno da criação de uma “moeda” para os países do Mercosul foram caracterizadas por inúmeras críticas e dúvidas, que sinalizam potenciais problemas de comunicação e possíveis incertezas sobre as economias, em especial sobre a economia brasileira.

Uma “moeda única” tem como característica a substituição das moedas nacionais dos países por uma moeda comum e o melhor exemplo de moeda única é o Euro, que substituiu o Marco alemão, o Franco francês e as moedas de todos os países da Europa que aderiram ao Euro.

Uma “unidade de conta” é um mecanismo que permite a realização de transações entre pessoas (ou países neste caso) em que as moedas são convertidas para a realização da troca, mas cada país continua com sua própria moeda. Tem-se o caso da “moeda veículo” ou uma “moeda virtual”, que não substitui a moeda de cada um dos países. Após o acordo de Bretton Woods estabelecido após o fim da II Guerra Mundial, o dólar se transformou na moeda veículo, ou seja, as transações internacionais se baseavam na conversão das várias moedas para o dólar americano.

Há ainda, uma outra possibilidade, que é a troca direta de Reais por Pesos argentinos em transações internacionais de bens (operações de importação e exportação do Brasil para a Argentina e vice-versa). Esse sistema foi formalizado por Brasil e Argentina em 2008 e elimina a necessidade de conversão para dólares nas transações internacionais. É o chamado Sistema de Pagamento em Moeda Local (SML), que atualmente funciona para outros países também, como Uruguai e Paraguai.

Ao que tudo indica, a Argentina, com uma economia bastante debilitada e com uma moeda que já enfrentou perda de confiança pelos próprios Argentinos, acredita que resolverá seus problemas econômicos com uma fórmula mágica: uma moeda única. Entretanto, inúmeros estudos e pesquisas mostram a inviabilidade de uma moeda única no Mercosul no curto e médio prazos diante de inúmeras assimetrias entre seus membros, entre uma série de outros fatores. Além disso, a moeda única não resolveria os problemas estruturais econômicos da Argentina.
 

Já o Brasil, com uma economia relativamente mais estável que a Argentina do ponto vista macroeconômico, deseja a criação de uma unidade de conta ou a moeda veículo com o objetivo de ampliar o comércio com os países do Mercosul e com a América do Sul. O Brasil não quer, e com razão, substituir o Peso e o Real por uma nova moeda comum. Ao menos, é o que vem sendo dito pela equipe econômica, mesmo que de forma não muito clara, após as críticas em relação a uma possível moeda única.
 

Há necessidade, entretanto, de esclarecimentos sobre várias questões: dado que o SML já existe, qual a necessidade de se criar uma moeda? Seria melhor ampliar e popularizar o SML, que dispensa o uso do dólar nas transações entre os países. Não ficou claro, também, de que forma a proposta, tanto de uma moeda única, quanto de uma unidade de conta, resolveria as dificuldades de importação da Argentina. Tais dificuldades decorrem de desequilíbrios econômicos internos e não podem ser resolvidas por acordos dessa natureza. Enquanto isso, a falta de clareza das equipes econômicas sobre o que se espera, efetivamente, amplia as incertezas que afetam expectativas futuras sobre ambas as economias

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

Mais Notícias

Ativar Notificações OK Agora não
Which Notifications would you like to receive?