Diário Carioca Google News

Entidades de saúde lançaram hoje (26) a campanha Novos produtos, Velhos Problemas para marcar o dia 31 de maio, data em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu como Dia Mundial Sem Tabaco. A campanha não só reforça a necessidade de parar de fumar o tradicional cigarro, como alerta sobre os dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs), categoria que engloba os cigarros eletrônicos, de tabaco aquecido, vaporizadores e outros.

Segundo o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Eduardo Fernandes, é importante lembrar que as evidências até o momento indicam que o tabagismo oferece maior risco de agravamento para os pacientes da covid-19. “Isso certamente influencia as taxas de mortalidade por covid-19, portanto é um bom motivo para alertar as pessoas a pararem de fumar. Aproveite a pandemia para parar de fumar, porque muitos estão inclusive fumando mais neste período”. 

Fernandes ressalta que o tabagismo é uma doença crônica com repercussões sobre a saúde de modo geral e responsável por um alto índice de mortes. “Acredito até que seja subquantificado [o número de mortes], porque muitas doenças que têm outras causas de mortalidade, têm como um dos componentes etiopatogênicos o tabagismo. Estima-se que 8 milhões de pessoas morram no mundo por ano em função direta do fumo, incluindo os fumantes passivos, aqueles que compartilham o mesmo ambiente dos que fumam”, disse o presidente da AMB, César Eduardo Fernandes.

Para o vice-presidente da comissão de combate ao tabagismo da AMB, Ricardo Meirelles, é preciso que os médicos ajudem seus pacientes a pararem de fumar, fazendo com que todos se disponham a isso. “Sabemos da dificuldade que as pessoas têm em parar de fumar, porque é uma dependência química, causada pela nicotina que é uma droga pesada. Pelo menos 90% dos fumantes são dependentes da nicotina, por fatores emocionais e comportamentais”, afirmou.

De acordo com Meirelles, além de aumentar em duas a três vezes o risco de desenvolver uma forma mais grave da covid-19 devido à diminuição das defesas e aumento da inflamação pulmonar, maior risco de trombose e redução da oxigenação dos tecidos, os tabagistas podem desenvolver outras 55 doenças relacionadas ao fumo. “Falamos de uma grande pandemia que é o Sars-Cov-2, mas não podemos esquecer do 1,3 milhão de fumantes no mundo. Não existe nenhum órgão que não seja afetado diretamente pelas sete mil substâncias presentes no cigarro”, ressaltou.

A campanha é feita em parceria entre a AMB, a ACT Promoção da Saúde, a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, a Sociedade Brasileira de Pediatria, a Sociedade Brasileira de Pediatria e a Fundação do Câncer.

Ouça na Radioagência Nacional:

Dispositivos eletrônicos para fumar

O presidente da Fundação do Câncer, Luiz Maltoni, citou ainda o fato de que no Brasil são 160 mil mortes por ano decorrentes do cigarro e que parte das complicações já pode ser atribuída ao uso dos chamados DEFs (dispositivos eletrônicos para fumar).  “O tema da campanha chama a atenção para novos produtos, velhos problemas porque ao longo dos anos estão mais do que comprovados cientificamente os malefícios do cigarro e a indústria do tabaco tem tentado colocar no mercado brasileiro os cigarros eletrônicos, ainda proibidos no país”. 

Maltoni destacou que o apelo da indústria do tabaco é muito grande para os jovens para captar dependentes o mais cedo. Por isso o tabagismo é considerado também uma doença pediátrica devido à média de idade de início do uso do cigarro:15 anos. 

“A indústria foca nisso e desenvolve esses cigarros eletrônicos com cara de pen drive, caneta etc exatamente como uma falsa proposta de que seria menos tóxico e poderia ser utilizado pela pessoa que quisesse parar de fumar. Sabemos que esses dispositivos tem concentração de nicotina maior do que o próprio cigarro convencional e produzem uma infinidade de substâncias tóxicas. São travestidos de sabores e aromas exatamente para atrair os jovens”, explicou.

De acordo com ele, já há pesquisas e trabalhos publicados que mostram que depois de 54 semanas de utilização de cigarro eletrônico houve desenvolvimento de câncer em 23% dos animais de laboratório e de uma porcentagem também alta de hiperplasia da bexiga, que é uma predisposição a tumor nesse órgão, também relacionado ao uso da nicotina. “Não são dispositivos inócuos, trazem dependência importantíssima, porque em segundos a nicotina chega ao sistema nervoso central”. 

Maltoni destacou que, apesar da dificuldade para parar de fumar e dos altos índices de reincidência, é preciso insistir e buscar o apoio da família e amigos. “Compartilhe com sua família e amigos esse desejo. Existe uma possibilidade de tratamento do próprio Sistema Único de Saúde (SUS) para quem quer parar. Em qualquer lugar do país é possível se informar pelo Disque Saúde 136 sobre as unidades de saúde que podem ofertar os métodos de ajuda”, ressaltou.

Mais Noticias

Descubra como Como escolher um bom casino online português

A escolha de casinos Portugal online pode ser um processo simples e rápido se for feito de forma correta, o grande problema é que a maioria dos jogadores de casino online não estão atentos a características muito importantes que um casino online deve ter para que seja considerado seguro, confiável e vantajoso para o jogador

Agência Brasil é uma agência pública de notícias da EBC. Informações sobre política, economia, educação, direitos humanos e outros assuntos.