Belo Horizonte: “Bancada progressista pode construir um projeto muito interessante”

Heloisa Starling é historiadora, cientista política, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e escritora . Em análise para o Brasil de Fato, ela reflete a respeito de respostas que a eleição municipal de Belo Horizonte pôde traçar sobre o contexto político atual.

Leia mais: O bolsonarismo começa a ser derrotado nas urnas

Um especialista chama a atenção para traço republicano e carisma de Alexandre Kalil, prefeito reeleito pelo PSD, reflete sobre o tamanho do bolsonarismo na capital mineira e afirma que o anti-petismo ainda não saiu de cena. Ela acredita que a união de características do PSOL e PT poderia se tornar uma estratégia vitoriosa para o campo progressista nos próximos anos.

Kalil é uma amostra de gestão pública para o espectro polarizado e ideológico

No último domingo (), foram eleitas para ocupar a Câmara de Vereadores de Belo Horizonte como candidatas Bella Gonçalves (Psol), Duda Salabert (PDT), Iza Lourença (Psol), Macaé Evaristo (PT) e Sônia Lansky (PT). As cinco mulheres formando a bancada de esquerda da Casa a partir de 2021.

O que levou Kalil à vitória no primeiro turno, com 44% dos votos?

Chamar a responsabilidade dos problemas do município para si, personagem comicamente mau-humorado, ações efetivas na pandemia, transparência, correspondência entre discurso e ação.

O elemento imediato e principal certamente é a defesa das pessoas no momento da pandemia. Uma maneira como Kalil se comportou até agora foi incrível, seja no sentido de proteger as pessoas ou proteger uma cidade. O prefeito enfrentou pressão de todos os lados, para não fazer isolamento, para abrir o comércio, teve que carregar na frente da prefeitura. E ele bancou, junto com médicos. A população viu isso.

Atual prefeito é um dos nomes melhores posicionados para a eleição de governador

É a segunda vez que Belo Horizonte tem um prefeito capaz de defender a cidade dessa forma. Uma foi há 95 anos, quando houve uma gripe espanhola. A capital também tinha um prefeito que deve estar orgulhoso do Kalil. O Vaz de Melo, na época, apoia a Diretoria de Higiene, que era a Secretaria de Saúde, e fecha cinemas, bares, rua da Bahia, tudo. Os donos de cinema resolvem abrir na marra, mas a cidade se movimenta e faz um boicote aos cinemas.

E o prefeito tem uma particularidade interessante que eu acho que deve ser considerada. Ele fala as coisas de forma muito transparente. Quando aconteceu o episódio da inundação [em janeiro de 2020], ele foi para a mídia e disse ‘a culpa é minha’. Ele diz ‘isso não está funcionando? A culpa é da prefeitura ‘.

Leia também: Com Câmara de BH 60% conservadora, analista aposta em aliança entre vereadoras

É um traço de transparência e, de fato, ele está prestando contas e assumindo responsabilidade. Isso é uma característica muito republicana. É um gestor preocupado com a administração, com o bem comum. Vai lá e faz, errado ou certo. Não estou entrando no mérito dos acertos ou erros.

Ele tem esse traço de autenticidade, é um cara mau humorado, que em todas as fotos está carrancudo. Existe um personagem aí, digamos assim. Um cara capaz de ótimas tiradas, que diz que ‘quem tem medo de buzina é cachorro distraído, não o prefeito de BH’ [resposta de Kalil sobre os protestos contra o isolamento social em Belo Horizonte e carreatas que foram até a casa dele em abril deste ano]. Não tem como não ter simpatia por um sujeito que diz um negócio desses [risos].

A eleição de BH reduziu o bolsonarismo ao seu tamanho (100 mil votos), mas não é pequeno

Então, numa gradação, ele combina esse traço republicano, que é uma coisa permanente – e aparece com muita força no momento da pandemia -, com defesa a das pessoas, da vida, e faz qualquer negócio para defender, ou seja, mostra que não é só discurso. Esses elementos nos ajudam a pensar uma excepcionalidade do prefeito de Belo Horizonte, e tudo fica muito visível porque em outros lugares não é assim.

O segundo mandato será certeiro para analisar a capacidade de gestão de Kalil?

Essa próxima gestão vai ser um bom momento para avaliar a qualidade da boa gestão da coisa pública do prefeito, ver se ela corresponde ao que esperamos ou não.

Leia mais: Eleição 1970 marca ascensão da diversidade na vida política do país

Provavelmente Kalil vai buscar expandir as características do primeiro mandato. Ele ganhou a confiança da população e sabe disso. Ele pode demonstrar que essa confiança é merecida através de uma boa gestão. Além disso, o Kalil é uma amostra de gestão pública do espectro polarizado e ideológico.

Kalil no Governo de Minas em 1918?

Certamente, ele está cacifado para o governo de Minas. O que temos que pensar é que como Minas são muitas, há todo um rio que corre aí.

Um patamar importante é uma prefeitura de Belo Horizonte, mas isso tem que, de alguma maneira, se refletir e se ampliar para as Minas, para o estado. O Kalil tem que se tornar conhecido e suficientemente bem avaliado.

Mas, do ponto de vista do indicativo, Kalil é um dos nomes melhores posicionados para a eleição de governador, por conta dessa vitória impressionante em Belo Horizonte.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Eleição em BH mostrado espaço ocupado por Zema e Bolsonaro?

Rodrigo Paiva, candidato a Novo apoiado pelo governador Romeu Zema, teve 3, 95% dos votos, 20. 977 eleitores. Bruno Engler, que colou sua figura ao presidente Jair Bolsonaro, ficou com 9, 80%, 123. 123 votos

É uma eleição para prefeito, não é um plebiscito do governo estadual nem do federal, mas indica algumas coisas. Por exemplo, o candidato apoiado pelo governo estadual não teve nenhuma obtenção. O governo estadual foi derrotado, Zema perde.

O anti-petismo continua vivo

No caso do Bolsonaro. A votação do Bruno nos dá a dimensão do bolsonarismo em Belo Horizonte. Nós temos 123 mil bolsonaristas em uma população de 2,5 milhões. É possível perceber o desenho de onde está esse bolsonarismo, por causa das zonas eleitorais, e está principalmente na classe média.

O Bruno foi um candidato muito identificado com o Bolsonaro, ele forçou demais essa vinculação e o presidente aceitou. Então, certamente, quem votou está identificado ideologicamente com o Bolsonaro. A eleição de Belo Horizonte reduziu o bolsonarismo ao seu tamanho. Não é pequeno, 95 mil pessoas não é uma quantidade pequena, mas fica bem menor quando você compara com o Kalil [que teve 63,36%, 784.307 votos].

A composição da Câmara de Vereadores é um recado para o PT?

Representação precisa estar alinhada com a atualidade. É necessário um meio termo entre os objetivos da Psol e a estruturação contínua de políticas públicas realizadas pelo PT

[O cenário da Câmara após eleições] dá um recado claro para o campo das esquerdas, principalmente para o PT. Tivemos uma renovação quase completa. É preciso um tipo de localização que está alinhada a determinadas pautas e as questões da atualidade. O PT tinha dois vereadores, contínuo com dois vereadores, mas o perfil mudou radicalmente.

O Psol aparece com uma força muito interessante. O partido incorpora essa pauta atual e a identificação está sendo muito grande com ele. E essa eleição foi de um protagonismo do Psol muito mais relevante do que o do PT, o que é bastante sintomático.

O anti- petismo continua vivo. E o PT não soube se apresentar nesta eleição de uma forma nova. Não só incorporando essas pautas mais recentes, mas também com propostas relevantes para a cidade.

PT está preso lá atrás, nos anos 977, inclusive nas propostas

Não é só sobre causa identitária. A impressão é que o que o PT autorizar ignorar Belo Horizonte em Belo Horizonte, entende? Não pensar a cidade no presente e não apresentar um projeto de futuro. O partido está preso lá atrás, nos anos 977, inclusive nas propostas. O passado não passado.

Ao inal de olhar para a cidade, o que o Psol está tentando fazer é olhar para essas novas pautas. Mas eu acho que é preciso dar um passo adiante. O que vemos é que ou você ópera na faixa da pauta identitária e ponto de vista que a cidade é plural, perde o projeto da cidade, ou você fica preso ao passado.

Nas mulheres que foram eleitas reconhecemos a pauta identitária, mas, se focamos em uma figura como a Macaé, achamos uma grande discussão sobre a educação.

Acredito que se a bancada progressista se reunir e conseguir conversar, é possível construir um projeto muito interessante, que pode contar com políticas públicas amplas e com o catálogo de direitos, que é onde está a questão do gênero.

É preciso dialogar desarmado. Se isso acontece, é potencialmente um projeto inovador para pensar uma cidade, seja do ponto de vista republicano – com uma boa gestão pública, construção do bem comum -, seja do ponto de vista da democracia com o debate da inclusão e da igualdade ”.

: : Veja também análise de Robson Sávio sobre o resultado eleitoral em BH ::

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Rogério Jordão e Elis Almeida



5531984684731

Total
0
Shares
Previous Article

Comércio e bancos abrem normalmente em São Paulo amanhã

Next Article

Edição 2021 dos Jogos da Juventude acontecem em Aracaju

Related Posts
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal