22 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, novembro 25, 2020
- Publicidade -

“O que vai salvar a América Latina depois da pandemia é a democracia”, diz Lula

- Publicidade -

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira (26) que só há um caminho a seguir depois que pandemia do novo coronavírus for controlada na América Latina: a democracia.

Ele participou de um debate online organizado pela Universidade de Buenos Aires (UBA), ao lado do presidente da Argentina, Alberto Fernández, e de outras lideranças sul-americanas.

“O que vai salvar a América Latina depois da pandemia é uma palavra chamada democracia. Nós precisamos recuperar a democracia na América Latina. A pandemia está mostrando que o mercado não resolve nada, o mercado cuida do seu umbigo. Quem cuida do povo é o Estado”, disse Lula.

O ex-presidente brasileiro lamentou as mortes de vítimas da covid-19 e elogiou o tratamento dado à doença pelo governo de Fernández.

“Eu não sei como será o mundo depois dessa pandemia. Tenho apenas uma certeza: países em que o governo pensou primeiramente na população, como é o caso da Argentina, sairão dessa crise em situação melhor do que os que não pensaram”, declarou.

O líder do Brasil disse sentir dor ao ver ministros e o presidente despreparados. “Quando eu vejo quantas vidas foram salvas na Argentina, me dói muito ver meu próprio país desgovernado, com ministros incapazes de agir para proteger nosso povo e um presidente da República que chega a fazer piada com a tragédia”.

Lula criticou a sanha do governo brasileiro de pensar antes em recuperar a economia em troca de salvar vidas. Ele afirmou que, apesar do momento crítico, está otimista por mudanças.

“A democracia vai permitir que a gente eleja pessoas comprometidas com o povo outra vez, vai permitir que gente discuta modelo de desenvolvimento, vai permitir que a gente faça o pressuposto do país pensando no povo pobre e não no sistema financeiro”.

O ex-presidente declarou que está nas mãos do povo a decisão sobre o que os países serão após a pandemia. “O que vai ser a Argentina, o Brasil, os Estados Unidos e o Paraguai ou a Bolívia depois da pandemia nós é que temos que decidir. Eu sonho com um novo mundo. Eu sonho mais humanismo. Eu não quero algoritmo. Eu quero ser um ser humano. Eu não quero ser um número. É esse mundo que a gente vai poder criar depois da pandemia”.

Edição: Rodrigo Durão Coelho

- Publicidade -

Veja Também

Deli 43 reabre no Leblon após 6 meses fechada

No cardápio, destaque para os croquetes, sanduíches de linguiça ou salsicha, embutidos e doces. Entre os croquetes, opções como carne, bacalhau e a versão vegetariana de cogumelos (R$8,90 cada).
- Publicidade -

Últimas Notícias

Deli 43 reabre no Leblon após 6 meses fechada

No cardápio, destaque para os croquetes, sanduíches de linguiça ou salsicha, embutidos e doces. Entre os croquetes, opções como carne, bacalhau e a versão vegetariana de cogumelos (R$8,90 cada).

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

- Publicidade -