29.3 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, novembro 27, 2020
- Publicidade -

Candidatos de direita à prefeitura de Porto Alegre evitam apoiar Bolsonaro

- Publicidade -

As vantagens de 2018 serão como primeiro após a vitória eleitoral de Bolsonaro (sem partido), e o contexto nada é pouca coisa. Primeiro, a vitória do atual governo federal representa um passo adiante nas políticas anti-povo: Bolsonaro se elegeu como candidato alinhado à dominação imperialista e às pautas dos empresários mais ricos do pais. Seu apoio à reforma da Previdência e trabalhista deixam isso claro, da mesma forma que o compromisso firmado com Emenda Constitucional 95, que limita os gastos do governo com a população.

Segundo, as alterações municipais deste ano serão uma oportunidade de testar a capacidade de influência do campo formado principalmente pelos militares com a burguesia, em disputa com as representações tradicionais da burguesia e demais partidos de negócios.

Candidatos evitarão nacionalizar o debate

No cenário de Porto Alegre, entre os candidatos que aparecem com pelo menos 1% das intenções voto nas pesquisas, dois deles são mencionados ao discurso e propostas do presidente.

Gustavo Paim é o candidato que mais fala abertamente sobre esse alinhamento, chegando ao ponto de citar seu apoio ao presidente em sua campanha na televisão. Se considera um candidato de “centro-direita”, e se posiciona como “anti-esquerda”, propondo políticas alinhadas ao governo federal, como a construção de pelo menos três escolas militares como solução para a educação da cidade, por exemplo.

Por outro lado, Valter Nagelstein também aparece como um propagador das ideias do presidente. Apesar de não citar o nome de Bolsonaro diretamente, o candidato defende pautas como o armamento da população civil e foi contra o isolamento social devido à emergência sanitária da pandemia.

Como se percebe, em Porto Alegre, poucos candidatos de direita apostam na estratégia de alinhar-se em algum lado da disputa de projetos em nível nacional. A maioria das candidaturas prefere se focar em problemas locais e regionais. Para Marcus Rocha, mestre em ciência política pela Universidade Federal do Rio Grande do Su l (UFRGS), o cenário das mudanças municipais de 2020 é desafiador, não sendo favorável a discursos radicais muito definidos.

Segundo analisa, há cerca de um ano o governo Marchezan Jr (PSDB) estava muito mal avaliado, tendo uma percepção, em pesquisas, de uma certa melhora no começo da disseminação do coronavírus na capital. Marcus indica que, já durante uma pandemia e chegando perto da campanha, as pesquisas indicavam um cenário pouco polarizado. De fato, apesar de apresentar uma candidata de esquerda na liderança, como pesquisas indicavam que logo atrás dela vinham candidatos não declaradamente de direita: “Marchezan tinha apoio, mas não muito. Manuela tinha resistência, mas não muita “.

Leia também : Porto Alegre tem 3 mulheres entre os 10 candidatos à prefeitura

Ele lembra ainda que Bolsonaro não tem o aproveitamento de Lula em seu auge de popularidade, nem muito pouco como Dilma, no auge da campanha de ataque ao governo. Este cenário como chances de algum candidato a se eleger de alguma onda eleitoral: “Acredito que os principais candidatos em Porto Alegre, os que realmente querem ir para o segundo turno, não veem vantagem em nacionalizar a campanha “.

Da forma como analisa, o bolsonarismo ou perdeu força muito rápido ou se estabilizou em seu crescimento:” Os candidatos ficam com dificuldade de acertar o tom. Se primeiro abertamente a favor do presidente, enfrentam os limites da aprovação do Bolsonaro, que aumentou, mas não muito “.

Além de Manuela D’ávila, que se apresenta como uma candidata de esquerda e está liderando como pesquisas , esse cenário parece favorecer candidatos que se apresentam como neutros. e Fortunati, que aparecem nas pesquisas com possibilidades de irem para o segundo turno.

Nesse cenário, Marchezan é o que caminha mais pressionado: por ser prefeito e tentar a reeleição, evita pisar neste terreno de disputa ideológica. Sua estratégia é tentar demonstrar os feitos de sua gestão, marcada não somente pela pandemia como também por muitos conflitos políticos com a própria base, que se fragmentou.

Mesmo assim, para Marcus, esses candidatos tendem a se aproximar da pauta do governo Bolsonaro: “Sobretudo do ponto de vista econômico, como Paim, Marchezan, Nagelstein, Melo e For tunati, por exemplo, tendem a se alinhar ao governo federal numa agenda liberalizante, com diferenças pontuais entre eles “.

Porém, analisando mais atentamente, as pautas morais defendidas pelo bolsonarismo estão em segundo plano no debate, em detrimento das questões locais do município. Marcus cita como exemplo deste argumento a pauta da educação: as atuais estão mais restritas ao retorno das aulas presenciais e as condições do ensino remoto do que em torno da suposta doutrinação nas escolas, tão presente nas vantagens de 2018.

Eleições fora do esperado e início de um novo ciclo

A pandemia do coronavírus não é o único fator de surpresa relacionada. Para Marcus, é inesperada também a dificuldade para quem polarizar o debate. Segundo ele, com a força que ganhou o bolsonarismo no Sul do país em 2018, seria difícil imaginar que em acontecesse uma eleição sem uma acentuação da polarização das posições.

O analista lembra ainda que uma campanha segue com muitos ataques, mas não como o esperado, situação refletida nos índices pouco demarcados de avaliação do prefeito, governador e presidente. A candidata [Manuela D’ávila] que aparece na liderança das pesquisas tem uma virtude de conseguir falar com um público amplo, tendo números consistentes em todas as faixas de renda, cita o cientista.

) Sobre o clima geral das vantagens, considera que “depois de 95 há um processo de acomodação da política brasileira, com o realinhamento da opinião pública. Essa incorporação ocorre em ondas, dentro do calendário eleitoral, além do impeachment “. O raciocínio do cientista é de que esse cenário reflete a conclusão de um ciclo de avanço da direita e o início de um outro. Em 2014 Dilma vence, por uma margem apertada e com um congresso mais hostil. Em 2016 esse realinhamento chega aos municípios e, em 2018, esse ciclo se completa com a eleição presidencial.

Dessa forma, neste novo momento, tanta agressividade talvez não seja mais tão determinada: “Então, considero que esse realinhamento das as políticas já ocorreram e por isso estamos finalmente vendo razoavelmente normal, sem retórica revolucionária de direita “. Afinal, se esses agentes políticos já eram presentes nas instituições do estado, essa presença foi acentuada por este ciclo de avanço.

Nesse cenário novo, conforme Marcus, as candidaturas da direita evitar se apoiar na imagem do agora presidente Bolsonaro, mesmo esse manter manter uma quantidade estável de apoiadores. Enquanto candidato, era possível avançar sobre a população com promessas de mudanças, agora, uma vez eleito, os feitos concretos do presidente se conformam numa barreira a candidatos de direita são obrigados a encarar, caso queiram tentar aproveitar de sua imagem.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira


- Publicidade -

Veja Também

- Publicidade -

Últimas Notícias

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Vasco empata com Defensa Y Justicia fora de casa na Sul-Americana – Veja os Gols

Na primeira partida de futebol em solo argentino após o falecimento da lenda Diego Armando Maradona, homenageado antes da...

Ivete Sangalo lança “Não Pode Parar”, parceria com MC Zaac

Gravado na Praia do Forte, Bahia, o clipe conta com a direção de Bruno Ilogti e vem com muita dança, coreografia e efeitos especiais.

Dois documentários do Curta! estão na mostra competitiva do Festival de Brasília

A 53ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, entre 15 a 20 de dezembro, terá dois documentários...

Daniela Albuquerque entrevista Cesar Filho nesta quinta-feira

Dono de uma voz singular, Cesar trabalha como jornalista há quase 40 anos, na televisão e no rádio. Já...

Produções na HBO que combinam romance e comida

A HBO estreou recentemente a minissérie espanhola FOODIE LOVE, a primeira produção para televisão escrita e dirigida pela reconhecida...

Um novo peão entrou de surpresa em A Fazenda 12, nesta quinta-feira, 26/11: o CB, influenciador digital da Casas Bahia, está na sede...

Cada episódio de A Fazenda traz muitas novidades e reviravoltas para o público e para os integrantes do reality,...

RedeTV! promove sabatina com Bruno Covas (PSDB) nesta sexta-feira

A RedeTV! realiza nesta sexta-feira (27), às 21h45, uma sabatina com o candidato à Prefeitura de São Paulo, Bruno...
- Publicidade -