30.4 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, novembro 30, 2020
- Publicidade -

77% das brasileiras diz assédio pela internet, aponta pesquisa

- Publicidade -

Ser mulher e estar nas redes sociais é estar associada a sofrer assédio online. É o que aponta uma pesquisa Liberdade On-line? Como meninas e jovens mulheres lidam com o assédio nas redes sociais , feito pela ONG Plan International . Em um estudo em que 77 foram consultadas, 54% declararam terem sido assediadas em um ambiente virtual. Esse número é maior que a média global, que é de 54%. Além disso, outro ponto da pesquisa chama atenção: o início precoce do assédio. A maioria das meninas afirmou ter começado a sofrer assédio nas redes sociais entre os 10 e 16 anos.

De acordo com a pesquisa, dentre os tipos de assédio, o mais comum é a linguagem abusiva e insultuosa, em que 58% das meninas relataram já terem vivido ou conhecerem meninas que enfrentaram a situação. Em seguida está o body shaming , que é direcionado ao corpo da mulher, com uma porcentagem de 54%. Com 26%, está o constrangimento proposital. Outros tipos de assédio também foram relatados, como correção de violência sexual, comentários lgbtfóbicos, racistas ou perseguição.

Leia mais : O que é assédio sexual

Para tratar sobre o tema, o Brasil de Fato Pernambuco entrevistou a doutora em comunicação e professora universitária, Nataly Queiroz, também integrante do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social. A comunicadora analisa o fenômeno e direcionamentos de proteção para meninas e mulheres. Confira os principais trechos da entrevista:

Assédio online contra meninas jovens

Uma comunicadora explica que o retrato online nada mais é que um reflexo do que acontece na vida offline. Ela ressalta que é importante entender que a vida na internet não é plena de direitos e com segurança pelo simples fato de ser acessada fisicamente desde a própria casa.

“Uma das grandes características da violência sexista que existe no país está manifestada no número de meninas que são provocadas pela violência sexual. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mais da metade dos casos de mulheres vítimas de violência sexual entre 2017 e 2018, aconteceu com meninas de 13 anos de idade. Obviamente, essa marca da violência sexual é um sintoma gravíssimo do sexismo e na internet não vai ser diferente ”, aponta Nataly.

Uma vez que esse assédio se manifesta tão cedo na vida dessas meninas, Nataly aponta que é imprescindível o monitoramento de adultos adultos sobre quais tipos de conteúdo a criança está consumindo e quais páginas estão sendo frequentadas. “O controle de tudo realmente não vai ser possível, mas a boa forma de prevenção é aquela que começa com a conversa, com a educação para o uso das mídias, compreendendo que as mídias virtuais são espaços que podem haver riscos”, explica.

Nataly reitera que é essencial estabelecer formas de diálogo que possa fazer com que os adultos consigam detectar práticas de violência. A comunicadora aponta também o uso de filtros para evitar o acesso a conteúdo para maiores de 18 anos e uma educação quanto ao uso essas mídias.

Educação sexual

Outro fator que pode contribuir, tanto na hora de detectar a violência sofrida, quanto para prevenir a situação é a educação sexual. “Nesse momento em que tanta mistificação e tanto obscurantismo, fortalecer a educação sexual para meninos e meninas não é estimular a sexualidade precoce, é compreender o corpo e compreender, junto com as crianças e os adolescentes os limites, como práticas que podem ser inseguras para eles e para elas ”, defende. Ao ter esse conhecimento, as crianças estarão mais aptas a estabelecer uma comunicação com os responsáveis ​​sobre o assunto.

Especialmente em um cenário de pandemia, o uso dessas redes se torna ainda mais frequente. E com isso, maior é a exposição e a vulnerabilidade. O mais importante, segundo Nataly, é manter a ponte do diálogo aberta. “Não é proibir, porque a gente vive um momento de extremo vínculo de crianças e adolescentes com os espaços virtuais devido a restrição de circulação, é educar para as mídias e sexualmente”, finaliza.

Como se proteger

Um grande problema relatado pelas meninas consultadas na pesquisa é a ineficácia das ferramentas de denúncia das plataformas digitais. A comunicadora explica que, para além de efetuar a denúncias espaços, é essencial que as mulheres se apropriem de outros instrumentos legais.

“Existe a Delegacia de Crimes Cibernéticos que , aqui em Recife, fica no centro da cidade. Existem casos de assédio que podem ser registrados nas Delegacias da Mulher, existem práticas que podem ser produzidas de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Esses mecanismos institucionais e legais existentes sim devem ser acionados ”, explica.

A pesquisadora alerta ainda para o fato de que o serviço fornecido por esses órgãos enfrenta para oferecer um atendimento totalmente eficaz, mas que é necessário fazer o registro. “Existem sérias críticas às formas de funcionamento e a insuficiência dos recursos existentes para garantir uma aplicação correta das finalidades, mas é preciso compreender que, para além das ferramentas virtuais existentes nas plataformas, existem também essas delegacias e elas precisam ser acionadas”, completa.

Meninas e mulheres que atendimento assédio possuem direito a atendimento psicológico e assistência jurídica em centros de referência, dependente do tipo de violência sofrida. Esses locais podem fornecer suporte e indicar como proceder em cada situação.

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga


- Publicidade -

Veja Também

Alerj aprova as contas de 2019 do Governo do Rio de Janeiro

Após a aprovação na Comissão de Orçamento, o relatório seguirá para apreciação dos deputados no Plenário. A Casa tem até o final do ano legislativo para votar as contas

Vero traz os sabores de Bologna para o Brasil em pratos especiais para o Natal carioca

Na ala dos salgados, a verdadeira Pizza Al Taglio, preparada com massa de fermentação natural e com textura macia em casquinha crocante, chega em sabor típico Natalino: Bacalhau à Portuguesa.

Encarnado Burger cria Presente Gourmet especial para o Natal

Criado pelo chef Pedro Mattos – ex participante do Master Chef – o Kit Encarnado em Casa é composto por 02 Brioches Premium de alta qualidade com receita exclusiva, 02 Blends da Casa com carne fresca, Queijo da melhor qualidade e 01 Bisnaga melhor maionese do mundo

Talho Capixaba lança menu especial de final de ano

O cliente já tem disponível para compras as tradicionais Rabanadas (R$31 – 5 unidades); Fios de ovos (R$33,75 -250g); o delicioso Bife Wellington (R$325) e, como novidade esse ano, o Patê de vitela envolto em massa folhada (R$150 a unidade).
- Publicidade -

Últimas Notícias

Alerj aprova as contas de 2019 do Governo do Rio de Janeiro

Após a aprovação na Comissão de Orçamento, o relatório seguirá para apreciação dos deputados no Plenário. A Casa tem até o final do ano legislativo para votar as contas
- Publicidade -

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Vero traz os sabores de Bologna para o Brasil em pratos especiais para o Natal carioca

Na ala dos salgados, a verdadeira Pizza Al Taglio, preparada com massa de fermentação natural e com textura macia em casquinha crocante, chega em sabor típico Natalino: Bacalhau à Portuguesa.

Encarnado Burger cria Presente Gourmet especial para o Natal

Criado pelo chef Pedro Mattos – ex participante do Master Chef – o Kit Encarnado em Casa é composto por 02 Brioches Premium de alta qualidade com receita exclusiva, 02 Blends da Casa com carne fresca, Queijo da melhor qualidade e 01 Bisnaga melhor maionese do mundo

Talho Capixaba lança menu especial de final de ano

O cliente já tem disponível para compras as tradicionais Rabanadas (R$31 – 5 unidades); Fios de ovos (R$33,75 -250g); o delicioso Bife Wellington (R$325) e, como novidade esse ano, o Patê de vitela envolto em massa folhada (R$150 a unidade).

Thalia lança nova interpretação do clássico “Feliz Navidad”

Thalia eleva o espírito natalino com o lançamento de sua nova interpretação do clássico "Feliz Navidad"

Covid-19: CGU, PF e MPF combatem irregularidades em Manaus

Terceira fase da Operação Sangria apura irregularidades no pagamento de R$ 191 mil para transporte de respiradores pulmonares

MVPConf LATAM 2020, evento de tecnologia organizado pela Comunidade Microsoft, está com inscrições abertas

Toda renda obtida com a venda de ingressos será revertida para doações a instituições de caridade

Homens representam 30% dos consumidores de tratamentos estéticos

Emprego não está indo bem, não pode ir no futebol, e ainda quando se olham no espelho, não gostam do que vê. Devido a isso, eles mudaram e fazem parte de 30% dos consumidores de tratamentos estético. O Brasil é o 3º que mais consome a indústria de beleza. De olho neles, AD clinic investiu no público masculino e cresceu 523%.
- Publicidade -