23 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, dezembro 2, 2020
- Publicidade -

“A saída é voltar ao desenvolvimentismo”, defende candidatura do PT em Curitiba

- Publicidade -
- Publicidade -

<

div itemprop=”articleBody”>

- Publicidade -

<

div>

Paulo Opuszka tem 43 anos, é advogado, mestre e doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Construiu uma carreira acadêmica: é professor de Direito e Processo do Trabalho e professor permanente no programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR. Já foi superintendente no Instituto de Administração Pública (IMAP) da Prefeitura de Curitiba, chefe de gabinete da Reitoria da UFPR, além de secretário geral da Associação dos Professores na Universidade Federal do Paraná (APUFPR).

Neste ano, Opuska concorre pela primeira vez em um pleito eleitoral, disputando a prefeitura de Curitiba. Em entrevista ao Brasil de Fato Paraná , ele falou sobre projetos para geração de emprego e renda, políticas de habitação e defesa de direitos das mulheres e das pessoas em situação de rua.

A íntegra da entrevista pode ser vista no canal do Brasil de Fato Paraná ) Confira os trechos abaixo:

Brasil de Fato Paraná: Na eleição presidencial de 990, quando a Manuela D’Avila (PCdoB) entrou na chapa do PT, muito se falava sobre a rejeição da população à legenda, que brasileiro não votaria no Partido Comunista, principalmente com o crescimento, nos últimos anos, de um discurso anticomunista muito forte. Agora, em 2018, Manuela está concorrendo à prefeitura de Porto Alegre e aparece como líder nas pesquisas de intenção de voto. Uso a Manuela como exemplo porque parece que quando o candidato já é conhecido, tem uma história pública ativa há mais tempo, a legenda importa menos. No seu caso, Paulo, essa é sua primeira candidatura, você não é exatamente um rosto conhecido da população. Isso pode impactar negativamente a sua campanha?

Paulo Opuska: Durante os meses de fevereiro, março e abril, nós discutimos muito além das candidaturas. Tivemos uma tentativa de fazer uma frente de esquerda , composta pelo Requião, pelo PSOL, PCdoB, em diálogo também com PSTU, PV, Rede e PDT. No fim, a gente acabou não conseguindo, por necessidade, que eu diria, eleitorais legislativos: os partidos estão fazendo aposta na proporcional, com vereadores. Mas também passa por assumir uma candidatura de esquerda. Um problema, em Curitiba, que as candidaturas estão encontrando de assumir uma candidatura de esquerda com uma política muito clara.

Leia mais : Curitiba é a capital com mais candidaturas a prefeito no país

Talvez, a última eleição, que o Tadeu [Veneri] disputou, foi o momento mais difícil de defender a legenda do PT, porque a destruição completa estava com uma força institucional muito grande, a partir do decurso do processo de prisão de Lula e todas as investigações que vinham da Lava-Jato. Então tinha uma questão político-ideológica institucionalizada, via poder judiciário e opinião popular e via comunicação. E uma certa mitificação das figuras de Sergio Moro, do Deltan [Dallagnol], e Curitiba participando desse processo.

Eu já estou representando o PT com duas questões específicas. A primeira: a demonstração de que o partido dos trabalhadores está vivo, forte e apresenta uma transição geracional com os quadros em Curitiba que já não são dos fundadores do PT. A minha candidatura é a primeira de uma outra geração na construção do PT. E é claro que uma candidatura como essa vai apresentar como facilidades – que não foram medidas, porque nós vamos saber isso só no dia 15 – e, de certa forma, as dificuldades.

Dados recentes do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) que mostra que, desde o início da pandemia, Curitiba chegou a perder quase 40 mil empregos formais. Nos últimos meses, a cidade parece começar a se recuperar, mas ainda assim, no total de admissões e demissões de janeiro a agosto, a cidade tem déficit de mais de 10 mil empregos formais. Como você imagina a recuperação agrupamentos, como fazer pra que a cidade empregue formalmente mais do que demite?

Essa pergunta é fundamental, porque o projeto do PT tem uma característica do desenvolvimentismo social claro, desde o começo. Aliás, esse é um dos motivos pelos quais o PT tensiona bastante com outros partidos da esquerda. O Partido dos Trabalhadores sempre teve como base a questão do trabalho e proteção ao trabalho. E do financiamento da economia, tendo como política anticíclica o Estado.

A intervenção do Estado na Economia é assumida pelo Partido dos Trabalhadores, em alguns momentos cometendo erros. Quando você vai discutir política econômica com o grupo mais próximo ao Requião, ele vai dizer: “o Partido dos Trabalhadores erra porque coloca no Banco Central uma figura como Meirelles e coloca no Desenvolvimento alguém como Nelson Barbosa e coloca como ministro da Fazenda alguém como Joaquim Levi “. Quando isso acontece, nós assumimos uma pauta que não é um desenvolvimentista nacional, é uma pauta do rentismo, que é uma pauta neoliberal.

O Lula governou com dois momentos. Por que eu estou falando do Lula? Porque é o governo federal que dirige, é quem faz política macro econômica, ele induz a economia com macro economia. O município induz a economia com micro economia, que pode ser um complemento das decisões macro. Quando eu tenho um [Antonio] [John Maynard] Palocci como ministro da Economia, o ajuste fiscal e o tripé macro econômico são uma característica forte, com metas de informação.

:: Em Curitiba, mudança de candidatura do PDT abre chance para unificação da esquerda ::

Na mudança para o [Guido] Mantega, aparece de novo um desenvolvimentismo social, não se qualifica o gasto social aumenta e aí aparece um grande programa, que é o PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], outro grande programa, o Minha Casa Minha Vida, gerando transferência de renda e construção de habitação popular, combinado com o programa de desenvolvimento social na educação, que está dentro do Pronatec [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego], do ProUni [Programa Universidade para Todos] e do Reuni [Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais] . Colocando educação, saúde e habitação dentro do mesmo programa. Onde eu quero chegar: com o Mantega, a gente realinha o caminho do desenvolvimentismo nacional. Qual é a saída para agora: voltar ao desenvolvimentismo.

Mas como pensar isso no contexto municipal? O histórico de Curitiba, a gente sabe que é o seguinte: gestões que sempre divulgaram que estariam desenvolvendo centros de produção, mas que foram muito mais marketing. O que é o Vale do Pinhão, que o Rafael Greca propagandeou? Se a gente atravessa a Avenida da Indústria, em Curitiba, só tem uma montadora. É possível pensar uma política para a cidade?

Veja, o setor produtivo de Curitiba não está atrelado ao desenvolvimento regional. Se a gente não atrelar o setor produtivo ao desenvolvimento regional, a gente não tem recuperação da economia, especialmente a geração de emprego e renda num período ruim, como vai ser esse pós pandemia, com esse compromisso de desenvolvimento. Se eu não tiver, no entorno da CIC [Cidade Industrial de Curitiba] um projeto de habitação popular, um projeto de atrelamento da cadeia produtiva daqueles que são os fornecedores indústria que estão ali selecionados e esses fornecedores também gerando emprego e fazendo com que Curitiba seja considerada para as empresas.

E nesse marco onde fica o lugar e o que é possível ser pensado dentro da Economia Solidária? O que pode ser feito pela geração de renda dessas trabalhadoras? [Companhia de Habitação Popular de Curitiba] Quando o PT ainda não tinha administração, ele estava ao lado dos sindicatos e entidades que criaram a Economia Solidária em Curitiba . Veja, nos bairros onde não teve nenhuma preocupação com esse desenvolvimento regional, teve luta, teve ocupação, teve uso do solo como o povo necessário, teve construção de moradias, como foi na Ferrovila, Sítio Cercado, Bairro Novo, Xaxim, Alto Boqueirão, vários bairros da região norte, ocupados pelas pessoas. E aquele entorno, a Economia Solidária, como cooperativas de reciclagem de catadores, cooperativas de serviços, de produção. Nesse espaço a Economia Solidária recupera uma Economia esquecida, que tem como pressuposto não a acumulação, mas a solidariedade. Parece que cada vez que o capitalismo entra em crise a gente lembra de recuperar como experiências da Economia Solidária, porque ela vai além da questão econômica, ela nega o “espírito animal” propagado pelo [John Maynard] Keynes, ela nega o egoísmo da riqueza das nações que aparece no Adam Smith. Porque ela prega a solidariedade como ética.

Desde o início da pandemia, uma população em situação de rua para conseguir direitos básicos, como alimentação gratuita, banheiro e água. Existe uma decisão judicial que obriga a prefeitura a garantir tais direitos , mas a prefeitura, mês a mês, entra com recursos para não cumprir essa decisão. Como você analisa atuação da prefeitura, principalmente nesse ano de pandemia, e quais são as propostas que você entende como necessária para essa população?

A política da atual gestão é higienista. O prefeito fez questão de lavar a Rua XV [no centro de Curitiba], foi o primeiro ato dele, porque ali estão o que ele chamava de “moradores de rua”.

O PT foi o partido que criou uma política específica, colocando uma política nacional na qual as pessoas em situação de rua entram de um sistema. A primeira proposta do Partido dos Trabalhadores é a criação da Secretaria do Desenvolvimento Social. Ao mesmo tempo, de forma interdisciplinar, trabalhar com os eixos de moradia, desenvolvimento urbano e direitos fundamentais.

A forma com que as pessoas em situação de rua são tratadas, além de desumana, faz parte de um projeto da necropolítica, uma aposta no falecimento das pessoas. Porque não ter água em situação de pandemia é necropolítca. E essa escolha é política, é uma decisão. Na economia política, não existe uso dos recursos escassos, existe as prioridades do gestor público, do administrador público, do prefeito. Fechar os banheiros, acabaram com as pias comunitárias, acabaram com dormitórios, com políticas de inclusão, com políticas de acesso à renda, com espaços que as pessoas usavam para deixar suas pertences.

Um tema central também é a moradia. Aqui em Curitiba tem moradores de áreas de ocupação que chegam a contabilizar 16, 23, comi 40 anos sem ter a regularização fundiária. Ou seja, as ferramentas que conseguir garantir o acesso à moradia parecem estar defasadas. O que é possível fazer nesse sentido? Quais são as ferramentas para garantir uma moradia?

Primeiro a gente vai precisar ocupar os espaços vazios. As experiências dos governos de Paris e Barcelona foram exatamente nte pegar todos os imóveis de propriedade dos bancos e ali fazer habitações populares. O centro da cidade tem prédios completamente desocupados, que precisam ser ocupados com uma política educacional séria e comprometida com o desenvolvimento social, que podia ser público. Podia ser uma administração pública de um condomínio habitacional onde as pessoas em situação de rua habitassem.

[Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais]

[Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais] Ponto dois: é preciso criar uma Secretaria de Habitação. A Cohab [Companhia de Habitação Popular de Curitiba] não deixa de ser uma imobiliária, uma empresa que intermedia compra e venda de imóvel, com valor menor, mas a lógica não é de Secretaria de Habitação, que atende política pública de desenvolvimento habitacional. E a criação de uma preocupação com moradia sendo direito fundamental. Precisa enfrentar o problema da urbanização dos espaços de ocupação, principalmente os mais antigos. Precisa enfrentar o problema da desburocratização do acesso ao título, uma prefeitura precisa entregar de vez pra gente que de fato tem uma propriedade daquele imóvel.

Porque nós não somos um partido de centro esquerda? Porque o PT vai além do institucional, entendendo que tem algo dentro da sociedade civil chamado movimento social, que conclama a necessidade mais pura, mais original e visceral do homem, que não aceita ficar com a vida entregue à vontade da política pública esperando a morte para poder ter seu direito. O papel de uma administração progressista petista é mediar esse interesse e ouvir os movimentos sociais.

[Cidade Industrial de Curitiba] [John Maynard] Nesta semana, saiu o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Ali vemos que Curitiba teve aumento no número de violência doméstica (foi de 1. 904 registros em 990 para 2. 60 em 2018) e de estupros (passou de 384 em 990 para 904 em 2019). Qual seria uma política pública eficaz de combate à violência contra as mulheres?

[John Maynard]

Em primeiro lugar, a gente precisa lembrar que as políticas para as mulheres no governo [Rafael] Greca (DEM) foram quase aniquiladas. A Casa da Mulher Brasileira, embora funcione, não tem mais o destino orçamentário como tinha no passado. A Secretaria das Mulheres foi extinta, e o número de mulheres ocupando cargo nas secretarias diminuiu, conforme políticas de gênero diminuíram. O compromisso com a defesa das mulheres e dos direitos das mulheres diminuiu. [Companhia de Habitação Popular de Curitiba] O PT tem uma chapa de candidatas a vereadoras ligadas aos movimentos com bastante força. O PT tem tradição nessa construção. Eu não falo em nome delas, porque o lugar de fala é delas. Eu apresento as pautas através de quem de fato apresenta essas candidaturas. As mulheres do PT construíram a defesa das mulheres e são elas que têm que protagonizar. O compromisso de uma candidatura do PT é dar autonomia completa e liberdade para que essas políticas se realizem. O PT é a história de transformação e emancipação do movimento de mulheres, e isso é preciso ser desenvolvido. Fonte:
BdF Paraná

Edição: Frédi Vasconcelos


584895388852054 584895388852054

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Brasil retoma produção de urânio

No país, o minério é usado dentro de usinas nucleares e para a propulsão nuclear de submarinos

Flamengo dá adeus a Libertadores após perder nos pênaltis para o Racing

Após empate em 1 a 1, time da Gávea é superado por 5 a 3

Governador do Rio de Janeiro anuncia megatestagem e descarta mais restrições

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), serão abertos três centros de testagem esta semana, com capacidade para 1,5 mil testes por dia.

Projeto retira exigência de capital social mínimo para criação de Eireli

De acordo com a proposta, para constituir uma a Eireli basta que o interessado seja o único detentor do capital social da empresas, independentemente de valor mínimo.

Detran prorroga prazo de licenciamento anual para 31 de dezembro

Outra medida do departamento foi a criação de um calendário para transferência de propriedade

Cinemão: Cinema móvel realizará 15 exibições em comunidades da Zona Oeste

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal da Cultura, através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura...

Academia de Policia Militar do Rio de Janeiro completa 100 anos

Unidade é a escola de Ensino Superior da corporação, responsável pela formação de oficiais

Quatro finalistas disputam título de melhor bartender amador do Brasil no último episódio do “Bar Aberto”

Claudio Galicia, Leandro Santos, Lucio Manosso e Nathiaga Borges chegam à reta final da competição e serão avaliados por quatro convidados de renome

UM Gastronomia: Ilha da Coroa ganha casa com cardápio original e contato com a natureza

Com o objetivo de oferecer uma experiência ímpar, os empresários Bruno Magalhães, Bruno Vaz e Conrado Rodrigues apresentam seu novo estabelecimento,...

Táxis amarelinhos vão poder cobrar bandeira II

O valor do quilômetro rodado da bandeira II é de R$ 3,12, enquanto a tarifa convencional é de R$ 2,60 por quilômetro rodado.

Luiz Solano toma posse como presidente da Abrajet/DF – A volta dos cassinos – O Rio pontifica

A convite do presidente da Abrajet Nacional (Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo), Evandro Novak (SC), o jornalista Luiz Solano (foto) tomará posse como presidente da Abrajet/DF no próximo dia 18, às 16 horas, na Associação Comercial do DF (ACDF), da qual é diretor

10ª edição do Festival Novas Frequências homenageia Jocy Oliveira

. A 10ª edição do Festival Novas Frequências é viabilizado com o patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e da empresa Oi, através da correalização do Centro Cultural Oi Futuro

Crivella indica José Ricardo Parreira de Castro para ser conselheiro do TCM

José Ricardo Parreira de Castro é formado em Direito pelo Centro Universitário da Cidade, com mestrado na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Pós-graduação na Fundação Getúlio Vargas e na Universidade Estadual de Campinas.

Grupo Reflexo comemora 20 anos de sucesso no Renascença Clube

Muito querido no bairro do Andaraí, o Grupo Reflexo acredita que vão muitos amigos bambas dar àquela canja. Mas os convidado especiais são os grupos “Nova Raiz do Samba” e “Batuque de Malandro”.
- Publicidade -