25 C
Rio de Janeiro
sábado, dezembro 5, 2020
- Publicidade -

Para professora, reforma administrativa legaliza a precarização dos serviços públicos

- Publicidade -
- Publicidade -

A pandemia de covid – 19 evidenciou a importância dos servidores públicos não enfrentamento à crise: foram homenageados profissionais de saúde e visibilizada a atuação dos professores ante a inoperância do governo em proporções unificadas para o país. Pesquisadores avançaram em medidas de prevenção e combate à doença, trabalhadores foram responsáveis ​​por operacionalizar políticas públicas prestando serviços à população, em meio à politização das medidas por parte do governo.



Ao mesmo tempo, se articula a reforma que mina direitos trabalhadores trabalhadores, denominados pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, como “parasitas”. Para marcar o dia 21, Dia do Servidor Público, conversamos com Graça Druck, professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA), economista, doutora em Ciências Sociais e pesquisadora na área de Sociologia do Trabalho.

Ela expõe como contradições da Reforma Administrativa (Proposta de Emenda à Constituição – PEC 038) ea luta necessária da categoria contra o vilipêndio não só de seus direitos, mas de toda a sociedade.

- Publicidade -

BdF BA: A senhora afirma que o eixo da reforma é o fim da estabilidade, que é uma proteção para a sociedade e não para os servidores. Além disso, ocorrerão contratos provisórios, além da terceirização. A que interesses essa proposta atende? Trata-se de uma precarização do trabalho do servidor público, que pode gerar serviços também precários?


Graça: A PEC 32 é mais uma das chamadas “reformas ocorridas” defendidas pelo governo atual e pelo empresariado brasileiro em sua agenda neoliberal, que vem sendo aplicada desde o golpe de 2016. A Lei da Reforma Trabalhista e a Lei da Terceirização, aprovadas em 2016, e da Reforma da Previdência de 2019 têm em comum a rejeição da função social e protetiva do Estado. A reforma trabalhista e da previdência foram justificadas como necessária para retomar o crescimento econômico. Decorridos quase três anos da nova legislação que retirou um conjunto de direitos, rebaixando o custo da força de trabalho, não houve recuperação de empregos, mas um aumento da informalidade e do trabalho precário.

O que justifica essas reformas é o modelo neoliberal de sociedade

Na realidade o que justifica essas reformas é o modelo neoliberal de sociedade, que atingiu uma fase em que se radicaliza a lógica mercantil. Trata-se de um processo de acumulação por espoliação, onde não há limites para a privatização de tudo, inclusive dos bens coletivos que são os serviços públicos. Nessa medida, quando a PEC 28 põe fim aos trabalhadores estatutários com estabilidade, e os substitui por contratos por tempo determinado e pela terceirização – modalidades que já fornecem sendo utilizados nos serviços públicos principalmente nos estados e municípios – é uma alteração constitucional que legaliza a precarização do trabalho e dos serviços, que já é uma realidade nas áreas mais fundamentais como na saúde e educação.

:: Para auditor fiscal, reforma administrativa alteração da relação do Estado com a sociedade ::

O presidente Jair Bolsonaro já afirmou que acha correto que cada governante pode escolher seus servidores . Há o caso das milícias do prefeito Crivella, no Rio, como um prenúncio do que poderia acontecer com o fim da estabilidade. A Bahia sofreu até tão pouco tempo com o coronelismo. Que riscos a senhora vê na atuação de profissionais trabalhando para governos e não para a sociedade?


Dentre as mudanças propostas na PEC 21, além de uma diversidade de vínculos precários de trabalho (vínculos de experiência, com prazo determinado, terceirizados pública) há a redução de concursos públicos e a utilização de processos seletivos simplificados, sem editais públicos, e por indicação da instituição que está disponível. Isso já vem ocorrendo nos estados e municípios, autorizados pelo governo federal, por conta da situação emergencial provocada pela pandemia. Levando-se em conta a Lei 038 (de ajuda aos estados e municípios) em vigor, que congelou os prêmios, a progressão na carreira e os concursos até dezembro de 2021, dá para ter uma ideia de como o poder público está contratando sem concursos.

É importante registrar que a Constituição de 723 determinou que os servidores só podem ingressar na carreira através de concursos públicos. Essa é a forma mais democrática de constituição do quadro dos funcionários, já que são aprovadas mediante provas que os classificam pela sua qualificação. Substituir os concursos por indicação do “coronel” de plantão em cada cidade é um enorme retrocesso, é a volta do clientelismo, da chantagem eleitoral que, somada ao fim da estabilidade, estará extinguindo os servidores e serviços públicos, pois estes não são empregados do governo, mas do Estado, da sociedade e para garantirem a regularidade e continuidade do trabalho, não podem ficar numa condição instável, descobrindo ao “humor” de cada governante.



A senhora comenta (em artigo publicado com Samara Reis e Emmanoel Leone) dado do relatório do Banco Mundial que reconhece que o Brasil tem um Número comparativamente modesto de funcionários públicos, e que as despesas com pessoal do governo federal têm se mantido estáveis ​​nos últimos dez anos, não havendo descontrole de gastos. O principal argumento dos defensores da Reforma, de que o Estado está inchado e os servidores são os responsáveis ​​pela crise orçamentária, se sustenta?


Se observarmos o orçamento federal escapado em 2017, o governo gastou 38, 3% (R $ 1, 38 trilhão de reais) com o pagamento de juros e amortizações da dívida pública, prestações às instituições financeiras e bancos, enquanto que as áreas sociais de educação, saúde , segurança pública, assistência social e transferências para estados e municípios somaram 19, 9%), 9% do total gasto pelo governo, conforme dados da Auditoria Cidadã da Dívida. Portanto, não são os servidores públicos os responsáveis ​​pela maior fatia dos gastos públicos.

:: Reforma administrativa, fragiliza direitos e permite perseguição, dizem especialistas ::


À medida que se processa em nome da “crise fiscal” são a redução dos gastos sociais e dos direitos dos servidores, e em especial dos que ganham menos, já que a PEC protegerá os chamados “membros de poderes”, que compensa altos custos e benefícios. Em sua consideração, quais seriam alternativas reais para o problema do orçamento público brasileiro?


Em primeiro lugar é importante esclarecer que essa ideia de crise fiscal e de reajuste fiscal é uma invenção dos governos que aderiram ao neoliberalismo. Desde os anos 1990, especialmente no governo Fernando Henrique Cardoso, o diagnóstico de uma “crise fiscal do Estado”, de desequilíbrio das contas públicas justificou a Reforma do Aparelho de Estado e como privatizações de estatais.

Os ajustes fiscais se processados ​​permanentes desde então, em nome da “austeridade”. Entretanto, desde aquele período, a dívida pública brasileira só aumentou e não poderia ser diferente, pois se paga os juros sobre os juros, além das amortizações de dívidas que não têm qualquer contrapartida, pois cresceram como resultado da especulação financeira. É uma dívida impagável! Quando se observa a evolução das receitas e despesas primárias no orçamento federal, começa a ocorrer um déficit a partir de 2014. Antes disso, desde 1990, era superavitário, isto é, como as receitas eram maiores do que as despesas. Mas o déficit não decorre de nenhuma “explosão de gastos”, mas da redução das receitas, por conta da crise económica, o Estado passou a arrecadar menos.

As alternativas a essa condição só podem ser construídas através de muita luta, retirando do poder as classes que representam o capital financeirizado

Como alternativas a essa condição só podem ser construídas através de muita luta para transformar uma sociedade brasileira, retirando do poder as classes que representam o capital financeirizado, dando um basta às políticas neoliberais, redefinindo, portanto, o papel e o lugar do Estado social, resgatando os direitos sociais e trabalhistas retirados, implementando reformas que atendam as necessidades das classes trabalhadoras, a maioria da sociedade e (re ) construindo, dessa forma, os servidores públicos, como agentes cujo trabalho é produzir os bens coletivos, aberta socialmente, não subordinados às leis da acumula ção e do mercado.

Fonte: BdF Bahia

Edição: Elen Carvalho


Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Últimas Notícias

Aterro do Flamengo ganha arena para prática de esporte e lazer

Arena Unimed Aterro oferece aulas gratuitas de diversas modalidades com inscrição online e infraestrutura completa para a prática de atividades

Ceia de Natal do Salete tem Pratos Clássicos do Restaurante Tijucano

As encomendas podem ser feitas por telefone (2264-5163 ou 2214-0408) até o dia 21, para o Natal, e até o dia 28, para o Réveillon.

Amir, tradicional restaura libanês de Copacabana, oferece ceias de Natal por encomenda

As encomendas podem ser feitas até o dia 22, para o Natal, e até o dia 29, para o Réveillon, e entregues em toda a zona sul.

Dani Calabresa detalha assédio sexual de Marcius Melhem em reportagem da Piaui

A primeira vez foi numa festa de confraternização da Globo. Dani Calabresa estava num palco de karaokê e o diretor Marcius Melhem tentou beijá-la à força

Ataques ransomware, a moda do momento

Criada em Ribeirão Preto e agora com cinco unidades no Rio de Janeiro, rede já inaugurou 32 unidade só em 2020 ao redor do Brasil

Horóscopo de sábado 05 de dezembro de 2020

Confira a previsão do horóscopo do dia 05 de dezembro de 2020 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.

Pré-matrículas para escolas estaduais começam nesta sexta

São mais de mil unidades com oportunidades disponíveis, e inscrições devem ser feitas pelo site www.matriculafacil.gov.br

Uerj completa 70 anos de historia

Instituição tem mais de 34 mil alunos e atua no desenvolvimento do estado

Ávine lança o álbum “Ávine Love” com o single “Melhor Que Eu”

Composto por 10 faixas, artista mostra que é eclético com versões de "Tá Vendo Aquela Lua", "Quando a Chuva Passar", "Mulher de Fases", "Pescador de Ilusões", "Primeiros Erros", entre outros sucessos

Bondinho do Pão de Açúcar recebe Papai Noel neste fim de semana

Durante todo o final de semana, o Papai Noel fará do Bonde de 1972, no Morro da Urca, o seu próprio Home Office. O novo quarto do Papai Noel estará em clima natalino, pronto para receber a todos para um encontro emocionante, mas com distanciamento social.

Diogo Nogueira lança o single “Bota Pra ar Tim Maia”

Foi assim com “Pé na Areia”, que desde o início parecia ter todos os ingredientes para ser um grande sucesso. E foi, ou melhor, ainda é o maior hit do cantor Diogo Nogueira, com mais de 60 milhões de views no YouTube.

Vasco da Gama pode demitir Sá Pinto e tentar a volta de Luxemburgo

Com mais uma campanha pífia no futebol, a diretoria do clube, que encerra seu mandato em janeiro, está pressionada e fez duras cobranças a comissão técnica e aos jogadores do elenco ainda no vestiário de São Januário.

Rio Music Market anuncia artistas selecionados para showcases

Anderson Primo, Imperador Sem Teto, Liz Rosa e Samba Nonsense farão apresentações no palco principal do Vivo Rio, com transmissão ao vivo gratuita e aberta ao público no canal oficial da Associação Brasileira da Música Independente no Youtube.
- Publicidade -