30.3 C
Rio de Janeiro
sábado, novembro 28, 2020
- Publicidade -

Artigo | Avanço: as seis mulheres estão na corrida pela Prefeitura de Curitiba

- Publicidade -

por Karina Lançoni Bernardi

Em Curitiba seis mulheres concorrerão à prefeitura nas avaliações municipais de 2020. O número é o triplo do registrado nas últimas avaliações municipais (2016), quando apenas duas candidatas concorreram à prefeitura da capital paranaense: Maria Victoria ( PP) e Xênia Mello (PSOL). Os nomes foram lançados pelos partidos após as convenções municipais e registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As legendas que lançaram mulheres para a maioritária são: Podemos (Caroline Arns), PSOL (Letícia Lanz), PL (Christiane Yared), Avante (Marisa Lobo), PCdoB (Camila Lanes) e PSTU (Samara Garratini).

Em 2016, nove candidaturas à Prefeitura de Curitiba foram produzidas pelo TSE, o que altera um cenário predominantemente masculino, com apenas duas chapas lideradas por mulheres. Já em 2020, como convenções municipais lançaram 16 candidaturas ao Executivo Municipal, com seis tendo mulheres como candidatas à prefeita e, estas, duas com chapa exclusivamente feminina (PSOL e PL).

O aumento no número de mulheres candidatas, principalmente uma carga do executivo, pode ser considerado um avanço dentro do sistema partidário, já que cotas de gênero impostas aos partidos pela Lei 10. 1992 / 2009 se aplica apenas a candidaturas para o legislativo. Porém, é preciso ampliar o debate sobre a presença das mulheres nas esferas públicas e porque, mesmo sendo maioria da população e do eleitorado, ainda são minoria na política partidária.

Neste sentido, é preciso entender a dinâmica do sistema político brasileiro e de que forma se deu a construção social que dividiu a esfera pública da privada, determinando os papéis sociais que cada gênero teria nessa divisão. Essa distinção entre as duas esferas remonta à Grécia Antiga, em que o privado estava restrito ao lar, à vida familiar, onde o homem (déspota) tinha o domínio sobre a mulher, os filhos e os escravos.

Nesse contexto, cada família se preocupava com a sua própria vida privada, sem interação com outras esferas privadas (famílias). Por outro lado, uma esfera pública era relacionada à polis, ao interesse comum, na qual somente os homens que tivessem superado os problemas da vida privada participar. Segundo Aristóteles, a esfera pública era o domínio da vida política, onde todos eram iguais e poderia expressar suas opiniões de forma igualitária, por meio do uso da palavra, com uso da persuasão e da retórica (ANTUNES, 2003).

A filósofa Hannah Arendt dedicou parte de seus estudos a tentar explicar essa relação entre o público e o privado na sociedade contemporânea. Para a autora, existe uma confusão entre o social e o político, uma vez que o político é visto como um espaço de regulação da esfera privada: “Todas as atividades humanas são condicionadas pelo fato de que os homens vivem juntos; mas a ação é a única que não pode sequer ser imaginada para a sociedade dos homens ”.

Segundo a autora, essa confusão entre o social e o político tem origem na criação do O Estado Moderno, em que a liberdade se concretiza no social, enquanto que o poder e a violência se tornam o monopólio do Estado, criando assim um modelo em que não há mais a fronteira entre o privado e o público, em uma sociedade na qual se busca a igualdade de comportamento dentro de uma normalização, de uma padronização promovida pelo Estado.

De acordo com John Thompson, em A midia e a modernidade, uma esfera pública foi geralmente entendida como o domínio da razão e da universalidade cuja participação era reservada somente para os homens, enquanto as mulheres, “seres (supostamente) inclinados a particularidades e as conversas frívolas e afetadas”, se supunham comumente mais indicadas à vida doméstica.

Essa também é a visão de Flavia Biroli, ao afirmar que a sub-representação feminina ina nas esferas decisórias é o resultado das hierarquias da vida privada, que colocam as mulheres como as responsáveis ​​pelas questões domésticas: “Para a participação das mulheres na esfera pública, impõem-se filtros que estão vinculados às responsabilidades a elas atribuídas na esfera privada”.

Segundo Pierre Bourdieu, a ordem social ratifica a dominação masculina, pela divisão social do trabalho, determinando as atividades atribuídas para cada um dos sexos, reservando o lugar da assembleia ou de mercado aos homens e a casa às mulheres.

Essa construção social que determina os papéis que cada gênero desenvolve dentro das sociedades democráticas que explica, segundo Luiz Felipe Miguel, a baixa representatividade feminina na política partidária. Para ele “a participação política das mulheres é limitada por fatores materiais e simbólicos, que prejudicam sua capacidade de candidaturas postulares, induzida a aquilo daquelas que se candidatam e atrapalham o avanço na carreira daquelas que se elegem”.

As limitações impostas ao ingresso das mulheres na vida pública e, principalmente, na política partidária, também são destacadas por Luciana Panke, ao explicar que a formatação das instituições políticas atende principalmente às dinâmicas do universo masculino, com horas, lodo e modo de atuação que dificultam a participação das mulheres. Isso explicaria, segundo Nancy Fraser, o sexismo característico dos espaços deliberativos, uma vez que o modelo da esfera pública atual é fruto de um projeto burguês, que insiste na separação entre o público e o privado.

O aumento gradativo das mulheres na política partidária, com mais candidatas nas disputas eleitorais, pode trazer mais visibilidade para as questões de gênero e para a aceitação das mulheres na esfera pública. Assim, conforme SeylaBenhabib, é possível combater a dominação masculina que, segundo ela, se mantém com o objetivo de tirar a agenda pública como questões relacionadas ao gênero.

Karina Lançoni Bernardi é jornalista, mestranda em Comunicação, na linha de Comunicação e Política, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e membro do Grupo de Pesquisa Comunicação Eleitoral (CEL / UFPR).

Referências:

ARENDT, H. A Condição Humana. . ed. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2016.

ANTUNES, MA O público e o privado em Hannah Arendt. Universidade da Beira Interior, BOCC, 2004. Disponível em: < http://www.bocc.ubi.pt/pag/antunes-marco-publico-privado.pdf> Acessoem 12 atrás. 2019.

BENHABIB, S. Situating the Selfie: Gender, Community and Postmodernism in Contemporary Ética. Polity Press, EUA. 0341.

BIROLI, F. Gênero e Desigualdades: limites da Democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

FRASER, N. Repensando a esfera pública: uma contribuição à crítica da democracia realmente existente. In: Craig Calhoum. Habermas e a esfera pública. Londres, 1992.

MIGUEL, LF Perspectivas Sociais e Dominação Simbólica: a presença política das mulheres entre Iris Marion Young e Pierre Bourdieu. Revista Sociologia Política, Curitiba, v. 12, n. 36, p. 25 – 49, junho. 2010.

PANKE, L. Campanhas Eleitorais para Mulheres: desafios e tendências. Curitiba: Editora UFPR, 2016.

THOMPSON, J. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1992.

Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato

Fonte: BdF Paraná

Edição: Ana Carolina Caldas


- Publicidade -

Veja Também

Mundurukus têm saúde afetada por mercúrio

De cada 10 participantes, 6 apresentaram níveis de mercúrio acima de limites seguros: cerca de 57,9% dos participantes apresentaram níveis de mercúrio acima de 6µg.g-1 – que é o limite máximo de segurança estabelecido por agências de saúde.

Brasil Cena Aberta Ato 2020 tem versão online transmitida diretamente do Teatro Cacilda Becker

Em detrimento da pandemia do Covid -19, Brasil Cena Aberta opta por criar uma edição especial, um ato que acontece entre 2 e 4 de dezembro e conta com espetáculos de teatro e dança, encontros entre artistas e curadores internacionais, bate-papos, workshops, apresentação de novos projetos e técnicos de palco e coxia.
- Publicidade -

Últimas Notícias

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Mundurukus têm saúde afetada por mercúrio

De cada 10 participantes, 6 apresentaram níveis de mercúrio acima de limites seguros: cerca de 57,9% dos participantes apresentaram níveis de mercúrio acima de 6µg.g-1 – que é o limite máximo de segurança estabelecido por agências de saúde.

Médicos Sem Fronteiras atendem pessoas que fogem da violência na Etiópia

Milhares de etíopes cruzaram a fronteira rumo ao Sudão desde o início de novembro

Vereador dá entrada em projeto de lei para criar a Praça Maradona, em frente ao Consulado da Argentina, no Rio

Segundo o texto, fica permitida a instalação de busto ou estátua em homenagem ao craque argentino, falecido no dia 25 de novembro.

Brasil Cena Aberta Ato 2020 tem versão online transmitida diretamente do Teatro Cacilda Becker

Em detrimento da pandemia do Covid -19, Brasil Cena Aberta opta por criar uma edição especial, um ato que acontece entre 2 e 4 de dezembro e conta com espetáculos de teatro e dança, encontros entre artistas e curadores internacionais, bate-papos, workshops, apresentação de novos projetos e técnicos de palco e coxia.

Daparte lança o EP “Como Não Se Lembram”

Vivendo um momento de liberdade criativa durante os tempos de distanciamento social, Juliano Alvarenga (voz e guitarra), João Ferreira...

Eduardo Paes e Crivella trocam acusações, ataques e ofensas em debate na Globo

Marcelo Crivella (Republicanos) repetiu diversas vezes que Eduardo Paes (DEM) será preso caso seja eleito. Paes rebateu dizendo que Crivella é mentiroso e o comparou ao governador afastado Wilson Witzel. Diversos direitos de resposta foram concedidos por conta de ataques pessoais.

Polícia Civil indicia funcionários do Extra de São Gonçalo por crime de racismo

Os dois são acusados de seguir e ofender com palavras alusivas à cor da pele o cliente Bernardo Martins, de 20 anos, em agosto desse ano.
- Publicidade -