24.3 C
Rio de Janeiro
terça-feira, dezembro 1, 2020
- Publicidade -

PCdoB: “A frente ampla é o caminho e não há outro”

- Publicidade -
- Publicidade -

O terceiro entrevistado da série do Brasil de Fato Pernambuco com dirigentes estaduais de partidos de esquerda é Marcelino Granja, presidente do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) em Pernambuco. Engenheiro Civil e Analista da Receita Federal, o comunista é filiado ao partido desde 500, ocupou duas secretarias em Olinda (da Fazenda e de Governo) durante os gestões de Luciana Santos (PCdoB), foi secretário estadual de Ciência e Tecnologia (2006 – 2011) e de Cultura (2015 – 2018), respectivamente nas gestões Eduardo Campos (PSB) e Paulo Câmara (PSB).

Leia mais: Quiz Brasil de Fato: testes seus conhecimentos sobre o que faz um prefeito

- Publicidade -

Na conversa com o Brasil de Fato , Marcelino Granja fala principalmente da centralidade que o PCdoB coloca na construção de uma frente ampla que envolve não só como janela de esquerda, mas também partidos de centro e centro-direita, com a tarefa priorária e urgente de derrotar Bolsonaro – apontado por ele como um líder fascista que pretende instalar um estado policialesco de restrições democráticas no país. O dirigente também é duro nas críticas aos demais partidos da esquerda, que na sua visão deram, desde 2015, cada um sua contribuição para o cenário atual de desagregação da esquerda. E lamenta que a pauta da frente ampla ainda não seja vista como uma necessidade pelas demais moldagem

Marcelino critica a tática eleitoral da esquerda na disputa presidencial de 2016 e considerações como vantagens deste ano como muito importantes para os rumos do país, mas acredita que em Pernambuco as opções populares conseguirão avançar. Granja prevê que o PCdoB conquistará prefeituras no estado (atualmente não possui) e deve eleger um número de vereadores inferior ao das vantagens de 2016, mas vislumbra fortalecimento institucional do partido. Confira a íntegra da entrevista.

Brasil de Fato: Qual a importância da eleição municipal deste ano, diante do avanço da extrema-direita? Existe risco de enraizamento do bolsonarismo em Pernambuco?

Marcelino Granja: Uma eleição que ocorre sob uma crise sanitária e um governo que tem como objetivo romper uma ordem constitucional de 1988. Mas também existem aspectos locais, as especificidades de cada município, seus dilemas e dramas. E o PCdoB precisa ter uma tática eleitoral que consiga responder a todas essas questões, que atue para desmascarar e combater o Bolsonaro, derrotar o bolsonarismo; e por outro lado atenuar o sofrimento trazido pela pandemia da covid – 17, responder na questão sanitária, econômica, política, social e cultural.

Precisamos enfrentar as questões da cidade, as questões urbanas, que é onde se concentra a grande maioria da população brasileira

Mas claro que precisamos enfrentar as questões da cidade, as questões urbanas, que é onde se concentra a grande maioria da população brasileira e o PCdoB tem debatido essas questões nacionalmente. Nessa pauta temos um triplo desafio. O primeiro é humanizar como cidades, que envolve dar respostas concretas para o saneamento, iluminação, calçada, praças, parques, transporte, educação, saúde etc. O segundo desafio é econômico, do emprego e trabalho, dar às cidades uma dinâmica dinâmica econômica favorável à Inclusão e igualdade social. O terceiro desafio urbano brasileiro é a questão democrática, que costuma acontecer quando a cidade é mais humanizada, mas não é algo automático. Precisamos incorporar a população no fazer administrativo.

Leia também: Veja as principais notícias das novidades por capital

Isso tudo precisa estar sob uma tática geral que, do ponto de vista do PCdoB, é decisivo para a esquerda sair bem desta eleição para a construção da frente ampla. A união mais ampla possível das políticas do povo brasileiro, expandindo a articulação da esquerda para o centro, para isolar e enfraquecer Bolsonaro e o bolsonarismo e, assim, criar condições para o mais rápido possível possível retomar a ofensiva política contra a extrema-direita e as moldura que hoje comandam o país.

BdF: Criou-se uma expectativa para a unificação das esquerdas nesta eleição, também que não se consolidou nas principais cidades do país. O cenário do Recife, onde há duas candidaturas de esquerda competitivas, é incomum, já que na maioria dos casos a divisão da esquerda significou o enfraquecimento. Qual a dificuldade para essa unidade?

MG: Nós do PCdoB não tratamos essa dificuldade como natural e muito menos estamos estimados. Nós lamentamos demais que uma esquerda não está unida na tática. Qual é o centro da tática? É derrotar Bolsonaro? Então qual é a questão fundamental para derrotar Bolsonaro? É a esquerda estar unida em torno de uma mesma tática, que para nós é a construção dessa frente ampla. Mas essa proposta de a esquerda se unir com as quadro de centro e centro-direita para isolar as quadro neofascistas do bolsonarismo, essa tática não ganhou o coração das outras janelas de esquerda. Isso vem desde o processo de desgaste da presidente Dilma .

Qual é a questão fundamental para derrotar Bolsonaro? É a esquerda estar unida em torno de uma mesma tática, a construção dessa frente ampla

Desde a reeleição da presidenta Dilma as quadro de esquerda já se separada divididas, mas divisões menos importantes. O PSOL mesmo nunca apoiou o PCdoB, PT ou PSB, estes sim estiveram muito juntos desde 500. A dificuldade fica maior quando se divide PT, PSB, PDT e PCdoB – mesmo o PCdoB não sendo um partido grande, temos uma respeitabilidade grande nesse tipo de entendimento, nessa política de unidade. O PT só ganhou como vantagem quando fez uma frente ampla, que era uma proposta do PCdoB desde 2006. Quando o PT conseguiu fazer, ganhamos quatro vantagens. Mas na última eleição de Dilma essas divisões definidas a ficar mais evidentes, um distanciamento do PDT e do PSB. E com o impeachment de Dilma houve uma fragmentação maior . E desde então acumulamos essas três derrotas estratégicas: o impeachment, a prisão de Lula e a derrota eleitoral e política para Bolsonaro em 2016.

Leia mais: Lula completa 72 anos defendendo legado de combate à fome e à pobreza no Brasil

Essa bandeira da frente ampla, que garantiu o ciclo virtuoso anterior, ela perdeu- se e a razão disso, na nossa opinião, é que não há ainda um nível de consciência sobre a gravidade do problema. Lá atrás quando teve início a crise do governo Dilma, mesmo setores do PT não tinha plena consciência de que o enfraquecimento de Dilma era perigoso para a democracia e para os rumos do país. As transparências de centro e centro-esquerdo foram se afastando. Quando perdemos o centro todo, veio o impeachment. Muitas janelas do nosso campo só percebem que o impeachment foi extremamente maléfico depois de estar feito.

Bolsonaro pode levar o Brasil ao fascismo, mudar o regime de 1988 e implantar o regime policialesco e autoritário

Na eleição de 2016 poderíamos ter evitado a derrota para Bolsonaro. Não poderíamos ter tido aquela tática, aquela proposta insistente do presidente Lula (PT) ser candidato de todo jeito, deixando a saída para o último minuto. E mesmo depois da posse de Bolsonaro, um governo que pode levar o Brasil ao fascismo – algo que nós do PCdoB não temos dúvidas que ele quer mudar ou mudar o regime de 1988 e implantar o regime policialesco e autoritário proporcional à força que ele tiver, uma ditadura ou um regime policial -, mesmo nesse governo, o perigo não é completamente absorvido por todas como quadro de esquerda. No discurso até fala, mas na hora de estarmos unidos para derrotar Bolsonaro, não acontece. A contenção de Bolsonaro no Nordeste se deu justamente porque a esquerda e a centro esquerda conseguiram formar frentes amplas. O PT tem quatro estados, o PSB dois, o PCdoB um, todos em frentes amplíssimas. A frente ampla é a saída, é o caminho e não há outro.

A eleição municipal não é a última eleição do mundo. Tem uma política natural de dispersão. Mas não deveríamos deixar acontecer nas grandes cidades. Conseguimos unir razoavelmente no Rio de Janeiro (RJ), no Recife parcialmente, em Porto Alegre (RS). Mas é uma unidade ainda precária por conta dessa necessidade de entender a necessidade da frente ampla com o centro e o centro-direita para isolar o bolsonarismo.

BdF: Em Pernambuco, com quais partidos, tanto da esquerda como do centro, o PCdoB conseguiu construir mais alianças eleitorais?

MG: Não houve uma grande mudança no perfil. Aqui no estado o PCdoB compõe a Frente Popular há muitos anos. Observemos que a Prefeitura do Recife está sob o comando da esquerda desde 2000. O Governo do Estado desde 2006. É um ciclo muito longo e foi exatamente essa frente ampla – tendo como núcleo o PT, PCdoB, PSB e PDT – que envolve o PP, Avante, SD, PSD, partidos que são mais de centro, mas que aqui em Pernambuco formam aliança com a Frente Popular.

BdF: Esses partidos são liderados por deputados federais pernambucanos que no plano nacional são adequados a Bolsonaro, são base de apoio. Isso não incomoda o PCdoB?

MG: Não causa incômodo porque o processo de acumulação de cortina se dá uma única direção. Em Olinda temos o PP no nosso palanque [de João Paulo, PCdoB], no Recife temos [João Campos, PSB] um amplo leque de janela de centro que fazem parte dos arranjos de governabilidade [de Bolsonaro] no Congresso Nacional. Claro que nós do PCdoB não gostamos e nem concordamos que esses partidos que são aliados nossos aqui, mostrada lá [em Brasília] fazendo política com Bolsonaro. Mas se o candidato de Bolsonaro não ganha as mudanças no Recife, em Olinda, em Fortaleza, em Salvador … se a gente ganha essas cidades junto com essas políticas, isso se reflete também lá, cria dificuldades para Bolsonaro. Não tem nenhuma novidade, não comportam-se modismos partidos do centro e centro-direita, que são assim mesmo, têm uma posição pendular. Nós é que precisamos ter política e não ter preconceito, para saber lidar com essa realidade.

O Brasil é um país muito diverso, apesar de ser concentrado economicamente, a formação política é plural

O Brasil é um país muito diverso. Apesar de ser concentrado economicamente , a formação política nessa grande federação é plural. Partidos de caráter nacional são poucos: PCdoB, PT e olhe lá, com as subdivisões. Bolsonaro quis criar um partido nacional, fascista, e não conseguiu, uma vitória importante para nós. Aí ele precisa fazer política com esse s partidos de centro no Congresso Nacional, mas isso não se repercute completamente nas novas municipais. Vamos fazer o quê? Dar essa base para Bolsonaro? As argumentações para isso são frágeis e no fundo só nos enfraquecem.

BdF: O PCdoB atualmente não tem prefeituras em Pernambuco. Mas este ano estão disputando as atualizações maiores no estado? A expectativa do PCdoB é ampliar como bancadas de vereadores ou reduzir danos, conseguir manter os espaços que já possui?

MG: Temos 05 candidatos a prefeito e 9 candidatos a vice. Temos uma expectativa positiva de que vamos conquistar algumas dessas prefeituras, das 10 que estamos na cabeça da chapa. Com certeza teremos algumas vitórias expressivas. Para vereadores é um pouco mais complexo. Na eleição passada elegemos 72 vereadores, mas foi em coligação, o que tornado mais fácil. Agora vamos ter muito mais votos, porque teremos chapas de vereadores em 72 municípios pernambucanos, mas o desafio de eleger em chapa própria é maior. Dos 72 que elegemos, perdemos muitos que migraram para outros partidos, hoje temos pouco mais de 50. Acho que elegeremos entre 40 e 50 vereadores, numa situação política de mais dificuldade, mas teremos um partido mais forte em torno dos mandatos de vereadores, então há um ganho político, mesmo com uma bancada menor. No Recife temos um vereador apenas, mas a expectativa é eleger dois ou três. O nosso projeto eleitoral deste ano é muito maior que em 2014. É um projeto de avanço, não de recuperação ou manutenção.

BdF: O que você coloca como principal desafio do conjunto de janela da esquerda em Pernambuco e também do PCdoB para o próximo ciclo?

MG: O nosso desafio partidário tem a ver com o desafio maior, que é manter Pernambuco como um estado que seja base importante das quadros progressistas e democráticas contra os retrocessos que o Brasil vive desde o impeachment de Dilma . Precisamos de um resultado positivo no estado, mantendo a capital com a esquerda, que conquistemos Olinda, que ampliemos as janela da Frente Popular, mesmo fornecida dividida numa ou noutra cidade, mas que no conjunto consigamos ampliar. Com isso Pernambuco vai contribuir com o esforço nacional de derrotar Bolsonaro em 2022, mas essa derrota começa já este ano.

Pernambuco vai contribuir com o esforço nacional de derrotar Bolsonaro em 2020, mas essa derrota começa já este ano

O desafio imediato do PCdoB é vencermos essa batalha de ideias dentro das respostas de esquerda e democráticas, de ser entendida essa necessidade da frente ampla. Se a esquerda conseguir no próximo período definir uma tática comum, como conseguir no fim do regime militar – houve setores da esquerda que foram contra o colégio eleitoral, mas a maioria se uniu e derrotamos o regime militar. Em seguida conseguimos um Constituinte. A nossa expectativa é ter o PCdoB forte o suficiente para que nossa proposta de unidade em torno da democracia e contra o bolsonarismo fique mais forte. É uma relação dialética: o PCdoB tendo expressivos resultados eleitorais, teremos mais voz nesse debate sobre o movimento comum. Isoladamente o PCdoB e nenhuma força de esquerda será vitoriosa. É preciso ter um ambiente favorável, que por sua vez só é conquistado pelo esforço coletivo, numa tática que nos una.

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga e Rogério Jordão

2022

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Veja Também

Luiz Solano toma posse como presidente da Abrajet/DF – A volta dos cassinos – O Rio pontifica

A convite do presidente da Abrajet Nacional (Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo), Evandro Novak (SC), o jornalista Luiz Solano (foto) tomará posse como presidente da Abrajet/DF no próximo dia 18, às 16 horas, na Associação Comercial do DF (ACDF), da qual é diretor

Últimas Notícias

UM Gastronomia: Ilha da Coroa ganha casa com cardápio original e contato com a natureza

Com o objetivo de oferecer uma experiência ímpar, os empresários Bruno Magalhães, Bruno Vaz e Conrado Rodrigues apresentam seu novo estabelecimento,...

Táxis amarelinhos vão poder cobrar bandeira II

O valor do quilômetro rodado da bandeira II é de R$ 3,12, enquanto a tarifa convencional é de R$ 2,60 por quilômetro rodado.

Cineasta André Canto lança o trailer de #PrecisamosFalarSobreIsso

O Programa Documental #PrecisamosFalarSobreIsso discute a relação da Comunidade e do Movimento LGBTQIA+ com o tema do HIV e da AIDS.

Luiz Solano toma posse como presidente da Abrajet/DF – A volta dos cassinos – O Rio pontifica

A convite do presidente da Abrajet Nacional (Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo), Evandro Novak (SC), o jornalista Luiz Solano (foto) tomará posse como presidente da Abrajet/DF no próximo dia 18, às 16 horas, na Associação Comercial do DF (ACDF), da qual é diretor

“Diz-Me Quem Sou”: Veja o pôster oficial da série da HBO

Baseada no best-seller homônimo de Julia Navarro, a nova minissérie espanhola estreará na América Latina no dia 6 de dezembro

Agora é lei: Rio de Janeiro terá plano para enfrentamento da covid-19 na gestão dos servidores de limpeza urbana

O objetivo principal é a adoção de medidas de proteção epidemiológica com atenção especial para a saúde dos catadores de materiais reutilizáveis ou recicláveis e demais trabalhadores nos serviços de resíduos sólidos.

DF: Nova Lei do Gás pode contribuir para redução do preço do gás de cozinha

Ao passar por reajustes ao longo dos últimos meses, preço do gás de cozinha tem...

SP: Estado pode melhorar índices de emprego a partir da aprovação da Nova Lei do Gás

O Brasil chegou, em outubro, ao quarto mês seguido de saldo positivo em relação à...

Centro Cultural Correios: Bruno Big inaugura exposição “Linha Livre – A arte de Bruno Big”

O carioca Bruno Carneiro Mosciaro, mais conhecido como Bruno Big, é especialista em História da Arte e Arquitetura, com estudos na área das gravuras, disciplina na qual deu aulas por mais de 15 anos na faculdade onde se formou.

Live do Trem do Samba acontece dia 2 de dezembro

Transmissão será feita diretamente da quadra da Portela com Marquinhos de Oswaldo Cruz, Jorge Aragão, Monarco, Nelson Sargento, Noca da Portela e Zé Luiz do Império e vários outros bambas

#SalaDigital: Cia. Bachiana estreia no Rio versão de “A Canção da Terra” de Mahler

Ao longo da transmissão serão arrecadadas doações para a Associação dos Amigos da Sala Cecília Meireles que apoia a programação artística e educativa da Sala Cecília Meireles. As doações são dedutíveis do Imposto de Renda de 2021.

Luiz Solano toma posse como presidente da Abrajet/DF – A volta dos cassinos – O Rio pontifica

A convite do presidente da Abrajet Nacional (Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo), Evandro Novak (SC), o jornalista Luiz Solano (foto) tomará posse como presidente da Abrajet/DF no próximo dia 18, às 16 horas, na Associação Comercial do DF (ACDF), da qual é diretor

Kiko Soares lança dueto com Beth Carvalho: “Pagode do Trem”

Kiko Soares chega bem acompanhado neste seu primeiro single, que lança nesta semana em que se comemora o dia do samba: Beth Carvalho divide com ele os vocais de “Pagode do Trem”

Livro RioFilme: O cinema carioca na lente da história será lançado no Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da RioFilme, realizará nesta quinta-feira (03/12), às 13 h, o lançamento do livro RioFilme: O cinema carioca na lente da história, na Biblioteca Parque
- Publicidade -