31.1 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, novembro 27, 2020
- Publicidade -

Belo Horizonte: “Bancada progressista pode construir um projeto muito interessante”

- Publicidade -

Heloisa Starling é historiadora, cientista política, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e escritora . Em análise para o Brasil de Fato, ela reflete a respeito de respostas que a eleição municipal de Belo Horizonte pôde traçar sobre o contexto político atual.

Leia mais: O bolsonarismo começa a ser derrotado nas urnas

Um especialista chama a atenção para traço republicano e carisma de Alexandre Kalil, prefeito reeleito pelo PSD, reflete sobre o tamanho do bolsonarismo na capital mineira e afirma que o anti-petismo ainda não saiu de cena. Ela acredita que a união de características do PSOL e PT poderia se tornar uma estratégia vitoriosa para o campo progressista nos próximos anos.

Kalil é uma amostra de gestão pública para o espectro polarizado e ideológico

No último domingo (), foram eleitas para ocupar a Câmara de Vereadores de Belo Horizonte como candidatas Bella Gonçalves (Psol), Duda Salabert (PDT), Iza Lourença (Psol), Macaé Evaristo (PT) e Sônia Lansky (PT). As cinco mulheres formando a bancada de esquerda da Casa a partir de 2021.

O que levou Kalil à vitória no primeiro turno, com 44% dos votos?

Chamar a responsabilidade dos problemas do município para si, personagem comicamente mau-humorado, ações efetivas na pandemia, transparência, correspondência entre discurso e ação.

O elemento imediato e principal certamente é a defesa das pessoas no momento da pandemia. Uma maneira como Kalil se comportou até agora foi incrível, seja no sentido de proteger as pessoas ou proteger uma cidade. O prefeito enfrentou pressão de todos os lados, para não fazer isolamento, para abrir o comércio, teve que carregar na frente da prefeitura. E ele bancou, junto com médicos. A população viu isso.

Atual prefeito é um dos nomes melhores posicionados para a eleição de governador

É a segunda vez que Belo Horizonte tem um prefeito capaz de defender a cidade dessa forma. Uma foi há 95 anos, quando houve uma gripe espanhola. A capital também tinha um prefeito que deve estar orgulhoso do Kalil. O Vaz de Melo, na época, apoia a Diretoria de Higiene, que era a Secretaria de Saúde, e fecha cinemas, bares, rua da Bahia, tudo. Os donos de cinema resolvem abrir na marra, mas a cidade se movimenta e faz um boicote aos cinemas.

E o prefeito tem uma particularidade interessante que eu acho que deve ser considerada. Ele fala as coisas de forma muito transparente. Quando aconteceu o episódio da inundação [em janeiro de 2020], ele foi para a mídia e disse ‘a culpa é minha’. Ele diz ‘isso não está funcionando? A culpa é da prefeitura ‘.

Leia também: Com Câmara de BH 60% conservadora, analista aposta em aliança entre vereadoras

É um traço de transparência e, de fato, ele está prestando contas e assumindo responsabilidade. Isso é uma característica muito republicana. É um gestor preocupado com a administração, com o bem comum. Vai lá e faz, errado ou certo. Não estou entrando no mérito dos acertos ou erros.

Ele tem esse traço de autenticidade, é um cara mau humorado, que em todas as fotos está carrancudo. Existe um personagem aí, digamos assim. Um cara capaz de ótimas tiradas, que diz que ‘quem tem medo de buzina é cachorro distraído, não o prefeito de BH’ [resposta de Kalil sobre os protestos contra o isolamento social em Belo Horizonte e carreatas que foram até a casa dele em abril deste ano]. Não tem como não ter simpatia por um sujeito que diz um negócio desses [risos].

A eleição de BH reduziu o bolsonarismo ao seu tamanho (100 mil votos), mas não é pequeno

Então, numa gradação, ele combina esse traço republicano, que é uma coisa permanente – e aparece com muita força no momento da pandemia -, com defesa a das pessoas, da vida, e faz qualquer negócio para defender, ou seja, mostra que não é só discurso. Esses elementos nos ajudam a pensar uma excepcionalidade do prefeito de Belo Horizonte, e tudo fica muito visível porque em outros lugares não é assim.

O segundo mandato será certeiro para analisar a capacidade de gestão de Kalil?

Essa próxima gestão vai ser um bom momento para avaliar a qualidade da boa gestão da coisa pública do prefeito, ver se ela corresponde ao que esperamos ou não.

Leia mais: Eleição 1970 marca ascensão da diversidade na vida política do país

Provavelmente Kalil vai buscar expandir as características do primeiro mandato. Ele ganhou a confiança da população e sabe disso. Ele pode demonstrar que essa confiança é merecida através de uma boa gestão. Além disso, o Kalil é uma amostra de gestão pública do espectro polarizado e ideológico.

Kalil no Governo de Minas em 1918?

Certamente, ele está cacifado para o governo de Minas. O que temos que pensar é que como Minas são muitas, há todo um rio que corre aí.

Um patamar importante é uma prefeitura de Belo Horizonte, mas isso tem que, de alguma maneira, se refletir e se ampliar para as Minas, para o estado. O Kalil tem que se tornar conhecido e suficientemente bem avaliado.

Mas, do ponto de vista do indicativo, Kalil é um dos nomes melhores posicionados para a eleição de governador, por conta dessa vitória impressionante em Belo Horizonte.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Eleição em BH mostrado espaço ocupado por Zema e Bolsonaro?

Rodrigo Paiva, candidato a Novo apoiado pelo governador Romeu Zema, teve 3, 95% dos votos, 20. 977 eleitores. Bruno Engler, que colou sua figura ao presidente Jair Bolsonaro, ficou com 9, 80%, 123. 123 votos

É uma eleição para prefeito, não é um plebiscito do governo estadual nem do federal, mas indica algumas coisas. Por exemplo, o candidato apoiado pelo governo estadual não teve nenhuma obtenção. O governo estadual foi derrotado, Zema perde.

O anti-petismo continua vivo

No caso do Bolsonaro. A votação do Bruno nos dá a dimensão do bolsonarismo em Belo Horizonte. Nós temos 123 mil bolsonaristas em uma população de 2,5 milhões. É possível perceber o desenho de onde está esse bolsonarismo, por causa das zonas eleitorais, e está principalmente na classe média.

O Bruno foi um candidato muito identificado com o Bolsonaro, ele forçou demais essa vinculação e o presidente aceitou. Então, certamente, quem votou está identificado ideologicamente com o Bolsonaro. A eleição de Belo Horizonte reduziu o bolsonarismo ao seu tamanho. Não é pequeno, 95 mil pessoas não é uma quantidade pequena, mas fica bem menor quando você compara com o Kalil [que teve 63,36%, 784.307 votos].

A composição da Câmara de Vereadores é um recado para o PT?

Representação precisa estar alinhada com a atualidade. É necessário um meio termo entre os objetivos da Psol e a estruturação contínua de políticas públicas realizadas pelo PT

[O cenário da Câmara após eleições] dá um recado claro para o campo das esquerdas, principalmente para o PT. Tivemos uma renovação quase completa. É preciso um tipo de localização que está alinhada a determinadas pautas e as questões da atualidade. O PT tinha dois vereadores, contínuo com dois vereadores, mas o perfil mudou radicalmente.

O Psol aparece com uma força muito interessante. O partido incorpora essa pauta atual e a identificação está sendo muito grande com ele. E essa eleição foi de um protagonismo do Psol muito mais relevante do que o do PT, o que é bastante sintomático.

O anti- petismo continua vivo. E o PT não soube se apresentar nesta eleição de uma forma nova. Não só incorporando essas pautas mais recentes, mas também com propostas relevantes para a cidade.

PT está preso lá atrás, nos anos 977, inclusive nas propostas

Não é só sobre causa identitária. A impressão é que o que o PT autorizar ignorar Belo Horizonte em Belo Horizonte, entende? Não pensar a cidade no presente e não apresentar um projeto de futuro. O partido está preso lá atrás, nos anos 977, inclusive nas propostas. O passado não passado.

Ao inal de olhar para a cidade, o que o Psol está tentando fazer é olhar para essas novas pautas. Mas eu acho que é preciso dar um passo adiante. O que vemos é que ou você ópera na faixa da pauta identitária e ponto de vista que a cidade é plural, perde o projeto da cidade, ou você fica preso ao passado.

Nas mulheres que foram eleitas reconhecemos a pauta identitária, mas, se focamos em uma figura como a Macaé, achamos uma grande discussão sobre a educação.

Acredito que se a bancada progressista se reunir e conseguir conversar, é possível construir um projeto muito interessante, que pode contar com políticas públicas amplas e com o catálogo de direitos, que é onde está a questão do gênero.

É preciso dialogar desarmado. Se isso acontece, é potencialmente um projeto inovador para pensar uma cidade, seja do ponto de vista republicano – com uma boa gestão pública, construção do bem comum -, seja do ponto de vista da democracia com o debate da inclusão e da igualdade ”.

: : Veja também análise de Robson Sávio sobre o resultado eleitoral em BH ::

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Rogério Jordão e Elis Almeida



5531984684731

- Publicidade -

Veja Também

No Rio de Janeiro, Projeto de lei do orçamento recebe quase quatro mil emendas

A receita bruta estimada pelo Executivo é de R$ 84,8 bilhões e a receita líquida, de R$ 66,9 bilhões - com despesa de cerca de R$ 87,2 bilhões (sendo R$ 8,28 bilhões relativos ao RioPrevidência).

Miley Cyrus lança novo álbum, “Plastic Hearts”, e vídeo com Dua Lipa

Miley Cyrus já havia liberado dois singles - "Prisoner", com participação de Dua Lipa, que foi acompanhada por um vídeo de rock descaradamente exagerado, com direção de Alana Oherlihy e Miley; além do hit "Midnight Sky".
- Publicidade -

Últimas Notícias

No Rio de Janeiro, Projeto de lei do orçamento recebe quase quatro mil emendas

A receita bruta estimada pelo Executivo é de R$ 84,8 bilhões e a receita líquida, de R$ 66,9 bilhões - com despesa de cerca de R$ 87,2 bilhões (sendo R$ 8,28 bilhões relativos ao RioPrevidência).

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

No Rio de Janeiro, Projeto de lei do orçamento recebe quase quatro mil emendas

A receita bruta estimada pelo Executivo é de R$ 84,8 bilhões e a receita líquida, de R$ 66,9 bilhões - com despesa de cerca de R$ 87,2 bilhões (sendo R$ 8,28 bilhões relativos ao RioPrevidência).

Rio de Janeiro recebe selo de destino seguro da Organização Mundial do Turismo

Chamado de “Safe Travels”, o selo busca certificar destinos turísticos responsáveis quanto a protocolos de prevenção à Covid-19

Miley Cyrus lança novo álbum, “Plastic Hearts”, e vídeo com Dua Lipa

Miley Cyrus já havia liberado dois singles - "Prisoner", com participação de Dua Lipa, que foi acompanhada por um vídeo de rock descaradamente exagerado, com direção de Alana Oherlihy e Miley; além do hit "Midnight Sky".

STF reconhece a repercussão geral da cobrança do diferencial de alíquota (DIFAL) de ICMS

A situação com a qual nos deparamos hoje é que cada Estado possui uma regra diferente para tratar o mesmo caso concreto

Vasco empata com Defensa Y Justicia fora de casa na Sul-Americana – Veja os Gols

Na primeira partida de futebol em solo argentino após o falecimento da lenda Diego Armando Maradona, homenageado antes da...

Ivete Sangalo lança “Não Pode Parar”, parceria com MC Zaac

Gravado na Praia do Forte, Bahia, o clipe conta com a direção de Bruno Ilogti e vem com muita dança, coreografia e efeitos especiais.

Dois documentários do Curta! estão na mostra competitiva do Festival de Brasília

A 53ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, entre 15 a 20 de dezembro, terá dois documentários...
- Publicidade -