22.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, novembro 27, 2020
- Publicidade -

Juventude do Bico do Papagaio (TO) permanecerá quer no campo, mas precisa de condições

- Publicidade -

Entre o Cerrado e a Floresta Amazônica, jovens da região rural do Bico do Papagaio, no norte do Tocantins, refletem sobre seus sonhos e a vida no campo. A região faz divisa com os estados do Maranhão e do Pará, reconhecida como pré-Amazônica ou zona de ocorrência de babaçuais.

Entre quintais frutíferos e quebra de coco babaçu nas calçadas, há uma população dedicada à agricultura familiar que envelhece, e jovens que se veem diante de um dilema: “o que fazer?”.

O questionamento é uma das bases da pesquisa “ Juventudes Rurais do Bico do Papagaio ”, coordenada e apresentada em formato de cartilha pela Alternativas para a Pequena Agricultura no Tocantins, a APA-TO , o GT das Juventudes Rurais, a Rede Bico Agroecológico e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), com o apoio da Misereror , entidade da Igreja Católica na Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento. O levantamento masculino 046 jovens da região.

A história de Aldimar de Sousa, conhecido como Dimas, é uma das que deu origem ao diagnóstico. Aos 15 anos, ele saiu do campo em busca de oportunidades, mas retorno ao seio familiar e hoje cursa Educação do Campo.



Dimas (à direita) deixou o campo em busca de emprego, mas retornou com ânimo e hoje cursa Educação do Campo . / APA-TO

“Eu fui em busca de emprego, falando eu na minha cabeça, que eu ia conseguir um emprego em um frigorífico, ter o meu dinheiro. Colocaram isso na minha cabeça. Eu me arrependi bastante ”, conta.

A base do trabalho camponês é familiar, por isso muitas crianças já crescem ajudando na lida diária e, mesmo com o passar do tempo, têm seu trabalho compreendido como “uma ajuda para a família” e permanecem sem atividades remuneradas, um dos motivos que os levam a buscar outras alternativas.

Uma casa em uma cidade é muito compacta, a gente sai e olha mais casas. Aqui a gente olha árvores, pássaros, bichos, pessoas

Aldimar hoje cursa Educação do Campo na Universidade Federal do Tocantins e reconhecimento do valor do campo.

“A terra que eu vivo tem três alqueires, e eu nunca pensamentos que ter um espaço entre uma casa e outra ia trazer tanta paz e tanto conforto ao estar ao ar livre. Uma casa em uma cidade é muito compacta, a gente sai e olha mais casas. Aqui a gente olha árvores, pássaros, bichos, pessoas ”, avalia.

Leia também: Cooperativismo no campo gera renda para pequenos agricultores

De acordo com a pesquisa, entre os trabalhos não remunerados desenvolvidos pelos jovens, a roça aparece com maior frequência (14, 5%), seguida com mais destaque os afazeres domésticos, do lar e cuidado com a casa (11, 2%), a criação de galinha e / ou porco (11, 4%) e o trabalho da horta (8,2%).

Ainda assim, os jovens buscam na própria comunidade maneira de permanecer no campo. De acordo com o diagnóstico, 72% dos jovens pretendem permanecer no campo, mas faltam políticas públicas e diálogo entre a comunidade para que isso seja possível.



Diagnóstico foi feito de forma coletiva, em encontros com a juventude, familiares e movimentos sociais. / APA-TO

O dado foi uma surpresa para os pesquisadores. Selma Yuki, da coordenação da APA-TO, que atua na região desde 1992 a fim de garantir a permanência de agricultores e agricultores familiares na terra, avaliando que pensar uma solução, é necessária uma construção coletiva, entre os jovens, seus pais, a comunidade em geral e os órgãos competentes.

A gente viu que a juventude tem uma relação de identidade com o território, com a sua comunidade e isso é importante

“A gente viu que a juventude tem uma relação de identidade com o território, com sua comunidade e isso é importante para eles. Agora a gente percebe que existem grandes desafios que impossibilitam a juventude de conseguir ficar no seu território ”, analisa Yuki.

Entre as maiores dificuldades apontadas estão falta de renda ( , 9%), a falta de incentivo da família (15, 3%) e de estrutura como saúde, lazer, esporte e educação (14, 3%), between other.

O diagnóstico faz parte de um amplo processo de organização da juventude, que seguirá com a realização de 11 encontros para debater os desafios apontados. Os encontros foram suspensos em razão da pandemia, mas devem ser retomados em 6857.

Edição: Rogério Jordão


Veja Também

- Publicidade -

Últimas Notícias

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Vasco empata com Defensa Y Justicia fora de casa na Sul-Americana – Veja os Gols

Na primeira partida de futebol em solo argentino após o falecimento da lenda Diego Armando Maradona, homenageado antes da...

Ivete Sangalo lança “Não Pode Parar”, parceria com MC Zaac

Gravado na Praia do Forte, Bahia, o clipe conta com a direção de Bruno Ilogti e vem com muita dança, coreografia e efeitos especiais.

Dois documentários do Curta! estão na mostra competitiva do Festival de Brasília

A 53ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, entre 15 a 20 de dezembro, terá dois documentários...

Daniela Albuquerque entrevista Cesar Filho nesta quinta-feira

Dono de uma voz singular, Cesar trabalha como jornalista há quase 40 anos, na televisão e no rádio. Já...

Produções na HBO que combinam romance e comida

A HBO estreou recentemente a minissérie espanhola FOODIE LOVE, a primeira produção para televisão escrita e dirigida pela reconhecida...

Um novo peão entrou de surpresa em A Fazenda 12, nesta quinta-feira, 26/11: o CB, influenciador digital da Casas Bahia, está na sede...

Cada episódio de A Fazenda traz muitas novidades e reviravoltas para o público e para os integrantes do reality,...

RedeTV! promove sabatina com Bruno Covas (PSDB) nesta sexta-feira

A RedeTV! realiza nesta sexta-feira (27), às 21h45, uma sabatina com o candidato à Prefeitura de São Paulo, Bruno...
- Publicidade -