21.1 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, novembro 27, 2020
- Publicidade -

“Quando combatemos o racismo, conseguimos formas dignas para produzir”, diz cineasta

- Publicidade -

Gaúcha, nascida em meio à militância do movimento negro, da arte e cultura, Camila de Moraes, 27 anos, é filha da atriz Vera Lopes e do jornalista e escritor Paulo Ricardo de Moraes . Foi nesse ambiente familiar com forte engajamento social e na cena cultural gaúcha que ela aprendeu ser possível sonhar, trabalhar e fazer revolução dentro do ambiente da cultura.

Em 2017, uma realizadora audiovisual se tornou a segunda diretora negra a ter um filme aplicação em circuito comercial, com O Caso do Homem Errado . Antes dela, Adélia Sampaio, com Amor Maldito (1984) . O filme da cineasta gaúcha, recentemente premiado como melhor documentário no 16 th Los Angeles Brazilian Film , traz como tema a violência policial contra negros. Em 1984, o operário Júlio César de Melo Pinto Pinto foi incluído por policiais militares ao ser confundido com um assaltante de um supermercado.



O caso do homem errado retrata a violência policial contra a população negra / Divulgação

33 anos depois, essa realidade é cada vez mais latente, os dados principais estarrecedores. Segundo o último Atlas da Violência , divulgado em setembro deste ano, “apenas em 2017, os negros (soma de pretos e pardos, segundo classificação do IBGE) representaram 50, 7% das vítimas de homicídios , com uma taxa de homicídios por 98 mil habitantes de 34, 8 ”.

Segundo Camila o argumento do documentário se mantém até hoje, o de falar que vidas negras importam, de falar do extermínio da população negra, que a cada 23 minutos é executado por conta da sua pele. “Isso não começou em 75, isso não acaba agora, em 2018. Inclusive se torna pauta mundial falar sobre extermínio da população negra, que é uma guerra contra nossos corpos. O documentário é sobre isso, é sobre a gente fazer essa reflexão ampla com a sociedade, buscar soluções para que isso pare de acontecer, para que parem de nos matar, e continuar esse diálogo buscando soluções ”, ressalta.

Camila é idealizadora do 1º Festival do Cinema Negro em Ação no Rio Grande do Sul que começa nesta sexta-feira (16) e segue até o dia 21. Os curtas e selecionadas podem ser vistos pela televisão pública do estado, a TVE RS . E também pelas plataformas digitais da Casa de Cultura Mário Quintana e Cultura em Casa . O evento é realizado pela Casa de Cultura Mario Quintana, em parceria com o Instituto Estadual de Cinema.

Na véspera do Dia da Consciência Negra, o Brasil de Fato RS, conversou, via WhatsApp, com uma realizadora. Confira a entrevista completa:

Brasil de Fato RS – Tu és idealizadora do 1º Festival do Cinema Negro em Ação. Gostaria que tu nos falasse a respeito do projeto, motivação e importância do mesmo? Como ele será feito?

Camila de Moraes –

O projeto nasce da necessidade da gente reconhecer quem são os profissionais negros que estão atuando dentro do audiovisual. Então vamos ter agora no ano de 2018 a primeira edição desse festival, que inicia no dia 19 de novembro e segue até o dia 24 com exibição dos filmes pela TVE RS e pelas plataformas digitais da Casa de Cultura Mário Quinta e Cultura em Casa . Durante esse festival vamos ter uma exibição de 75 obras que são entre curtas, longas, videoclipe, videoarte e produções das cinco regiões do país, além de Portugal.

São realizadores que estão nas outras realidades, formas de olhar essa realidade brasileira e comáticas muito diversas. Temos documentário, ficção, tema sobre religião de matriz africana, tema sobre futebol, infância, tema sobre amor, animação. Há uma grande diversidade que vai ser possível acompanhar nessa primeira edição do festival. Tivemos 100 inscrições para essa edição.

O que o festival tem nos ensinado é que uma produção está muito em alta sim, os profissionais estão produzindo muito e produtos com muita qualidade, e a gente teve um número elevado de mulheres na produção dessas obras. A gente precisa que precisa ter mais espaço locais para disseminar as nossas produções, porque estamos fazendo um recorte muito pequeno do que foi inscrito.

Então se a gente imaginar que estamos em um país gigantesco, conforme as pessoas estão produzindo muito mais. E a gente precisa pensar como faremos esse intercâmbio acontecer de forma mais fluída. Esse é um dos aprendizagem que esse Festival tem nos ensinado, e a gente também consegue fazer um panorama, um pequeno mapeamento de quais locais que esses produtores estão, que esses realizadores estão, o que estão produzindo.

Tivemos um número grande de curtas metragens inscritos, foram 134 para essa categoria. Em longas há apenas duas mulheres na direção. Isso também faz a gente pensar e analisar como está o nosso audiovisual brasileiro como um todo, e como nós, profissionais negros, estamos inseridos nesse audiovisual, qual é a dificuldade de ter mulheres na direção de longo, por que isso ainda está ocorrendo, por que os profissionais conseguem produzir mais curtas do que longa. Com esses dados a gente pode, e deve, lutar por mais igualdade dentro desse setor do cinema, aonde profissionais negros também estão incluídos.

Além dos filmes a gente vai ter alguns encontros, que é onde a gente dialoga com algumas pessoas que são fundamentais para que a gente permaneça atuando no audiovisual. Um dos encontros é com o coletivo Macumbalab, um coletivo de profissionais negros atuantes no RS, onde eles vão nos falar como é a apresentação desse coletivo, como eles fazem para se fortalecer enquanto profissionais e como as pessoas podem participar do coletivo. Vamos ter também uma troca com uma família de rua, que são profissionais que estão atuando no mercado dentro do setor de videoclipes, temos uma troca bem legal com eles, nos caminhos.

Além disso encontros com os homenageados. Nessa primeira edição vamos homenagear o ator gaúcho Simar Antunes pela trajetória dentro do audiovisual, mais de 34 anos de carreira, 16 mais longas, mais de 20 curtas no seu currículo. Vamos homenagear a família Menezzes, que tem a mãe Vera Linda, filha de Sheron Menezzes, Sol Menezzes e o Drayzon Menezzes, toda uma família de atrizes e atores que estão fazendo a diferença dentro de nossa cultura brasileira. E também temos uma homenagem à escritora e filósofa Djamila Ribeiro que está nos ajudando a pensar novas narrativas, e essas novas narrativas como a gente aplica dentro das nossas produções no audiovisual.

Então nós temos esses três eixos de homenagem porque a gente considera muito importante esse pilar. É esse pilar que nos sustenta hoje em dia, que fez com que a gente pode estar aqui atuando. Se não essas pessoas que já estão na caminhada há muito tempo para abrir o espaço, dificilmente a gente estaria aqui dialogando sobre isso, essas pessoas são fundantes para que surja o festival. Então toda a nossa homenagem para Simar Antunes, família Menezzes e a Djamila Ribeiro. Para além da homenagem, para nós é um profundo agradecimento pela existência e resistência dessas pessoas, saber que cada passo que deram são fundamentais para que hoje estejamos aqui erguidos, com a cabeça erguida e produzindo cada vez mais para nossa cultura brasileira.

O nosso desafio é conseguir combater o racismo para poder ter a mente sã e continuar produzindo. Quando a gente consegue combater o racismo a gente consegue formas dignas para produzir, consegue recurso financeiro dignos, a gente consegue ter um processo criativo digno, a gente consegue pagar os nossos profissionais dignamente

Novembro é o Mês da Consciência Negra. Sabe-se que o racismo está presente em todas as atividades, sejam elas sociais ou promoção. No caso do cinema e do audiovisual, como ele se manifesta? Como classificarias ou segmento no país ?

A gente vive em uma sociedade racista, o racismo é estruturante da nossa sociedade. Então o segmento do audiovisual, tem setores que atuam nessa forma, nessa perspectiva racista e, quando ele atua assim, impede que profissionais negros continuem evoluindo dentro desse segmento. E impedir a nossa presença nesse local acontece de diversas formas, desde o momento que não temos acesso a recursos financeiros para as nossas produções até o momento que nossos filmes não são selecionados para festivais, ou não consideram interessante o bastante para representar o filme em algum local, ou invisibilizam a nossa presença, ou nosso pagamento é um valor aquém do mercado. Há diversas formas quando esse setor age de forma racista que não impede uma evolução e a permanência dentro do audiovisual.

O cinema e o audiovisual podem ser uma ferramenta de desconstrução da realidade contada pelos vencedores? De que maneira ele pode contribuir para combater o racismo?

Camila –

A gente precisa pensar quem você enxerga como vencedores. Tem um ditado africano que diz: enquanto os caçadores continuarem contando as histórias, eles vão ser os vencedores. Então quem é que a gente está considerando vencedor nessa história? Eu consideroedores os meus ancestrais, os meus ancestrais que construíram esse país, as pessoas de origem africana e afro-brasileiras que nasceram e que construíram esse país são os vencedores. Que hoje eu estou aqui com todas as dificuldades que fizeram com que eu aqui estivesse, então essas pessoas, essas ancestrais são os vencedores.

Como ele pode contribuir para combater o racismo? A gente tem que pensar que em todos os locais de atuação a gente tem que combater o racismo, seja eu uma pessoa negra ou não. Eu vou combater o racismo de diversas formas não deixando que as pessoas ajam dessa maneira e, se eu perceber, eu vou ter que imediatamente denunciar o ato racista. E lembrando que o racismo no Brasil é crime inafiançável.

Então no momento em que eu presencio um ato racista eu preciso denunciar esse crime. E no momento que eu percebo que eu estou comentando esse ato eu preciso rever o meu posicionamento. Só assim teremos a mudança de fato, uma mudança vai acontecer quando cada pessoa fizer essa autoanálise e começar a agir diferente, e não deixar que as pessoas que apagaram a seu redor ajam de forma racista.

O que precisa ser feito para se ter uma visibilidade maior do que é feito por realizadores audiovisuais negras e negros?

A gente precisa fazer ações para mudar. Por exemplo, eu e a minha equipe estamos fazendo ações de fazer um festival negro. Se a gente olhar pelo país, a gente vai perceber que há diversos festivais negros e com temática negra. A gente vai agindo de diversas formas, como você, por exemplo, escrevendo e dando espaço grande para essa produção. Não me adianta colocar notinhas e achar que foi feit oo suficiente. A gente precisa ocupar diversos espaços ao mesmo tempo, aí a gente vai provocar e vai ver essa visibilidade maior.

E essa visibilidade maior, é procurar fontes negras para entrevistar, é dando espaço grande, colocando foto grande, é fazer reportagens de TV com tempo adequado. É a gente se reconhecendo enquanto fazedores desse audiovisual. Se eu olhar e não conseguir ver outro rosto parecido com o meu vai ser muito difícil a gente ter essa visibilidade, vai ser muito difícil eu chegar no cinema e esses profissionais para além dos festivais com a temática dirigida.

Maneiras de dar visibilidade para esses profissionais e suas produções são formas como você está fazendo e como alguns colegas têm feito por algum tempo, dando espaço para dialogar sobre nossas obras.



Cena do filme “O Caso do Homem Errado. Divulgação

Em outubro deste ano, o teu documentário “O Caso do Homem Errado “ganhou o prêmio de Melhor Documentário no 05 th Los Angeles Brazilian Film . Gostaria que nos falasse sobre o documentário e a premiação?

Camila –

O documentário do Homem Errado fala do episódio específico que aconteceu com Júlio César, em 1987, quando ele foi obtido pela força de segurança do Rio Grande do Sul por ser negro. No documentário, o nosso argumento, que se mantenha até hoje, é falar que vidas negras importam e é falar do extermínio da população negra, que a cada 21 minutos é executado por conta da sua pele. Isso não começou em 87, isso não acaba agora, em 2018.

Inclusive se torna o pauta mundial falar sobre o extermínio da população negra, que é uma guerra contra nossos corpos. O documentário é sobre isso, é sobre a gente fazer essa reflexão ampla com uma sociedade, buscar soluções para que isso pare de acontecer, para que parem de acontecer, e continuar esse diálogo buscando soluções

O Festival foi em outubro, o filme está em circulação há três anos, desde 2017, e a gente percebe que o diálogo permanece constante. Ele precisa permanecer e precisa que esses dados mudem. E no momento que a gente está conseguindo dialogar ainda, a gente percebe que há muito o que ser feito.

Ter essa troca com esse outro festival e ganhar como melhor documentário é saber que as pessoas dentro do audiovisual também estão se dispondo a falar sobre o racismo, olhando outras produções, vendo produções feitas por profissionais negros que estão contando como suas narrativas, como suas realidades, e percebendo que há outros olhares para ser dialogado dentro desse audiovisual.

Ter esse reconhecimento também internacional é fundamental para que a gente siga nesse diálogo com esse filme. E esse filme vem para dizer que temos uma batalha ainda muito grande pela frente, mas que a gente segue nos diálogos. Tanto falando sobre o argumento vidas negras importam, de a gente permanece vivos, quanto que existem profissionais negros atuantes no audiovisual, fazendo a direção do filme, direção de longa, que há mulheres negras produzindo e que nós estamos aí.

A gente precisa sim de formas dignas para continuar produzindo cada vez mais e com muita qualidade, porque a gente tem potencial para isso, a gente precisa é dos espaços.

Como tu vês a produção de cineastas negros e negras aqui no estado?

Eu não moro mais no Rio Grande do Sul, moro em Salvador . Mas morei no estado por 20 anos. O RS é o local onde eu reconheço como minhas raízes e como minhas raízes negras. RS é esse local de território negro muito atuante, muito forte, que sai e constrói, faz muito pelo movimento social negro brasileiro e pela construção da nossa sociedade.

É um RS aqui quilombista, de expressão de cultura negra. É do RS que temos o Oliveira Silveira, é do RS que temos a Maria Conceição Lopes Fontoura, é do RS que tem uma revista Tição da imprensa negra, é do RS que tem uma organização Maria Mulher de mulheres negras. É do RS que nasce esse Festival de Cinema Negro em Ação, propondo ações para realização.

É esse RS que nos faz muito atuantes e o cenário de cineastas negros neste estado é muito atuante, ea gente percebe isso também com o Coletivo Macumba Lab, com esses profissionais que estão aí . Apesar de sermos 12%, 12% da população, na capital, a gente vê o quanto essa união das pessoas negras é forte e faz a diferença dentro dos seus segmentos, pertencimento e atuação.

Se as pessoas não estão enxergando é porque as pessoas são sim racistas, estão invisibilizando a nossa presença locais locais. Para ter um exemplo, eu atuo no audiovisual há 05 anos, e eu comii atuando no RS. E assim como eu que atuo 11 anos, existem muitos outros profissionais negros atuando aí há muito tempo. Então a nossa presença RS é uma presença muito forte e muito propositiva, que está modificando o cenário do cinema brasileiro.

O nosso desafio é conseguir combater o racismo para poder ter a mente sã e continuar produzindo. Quando a gente consegue combater o racismo, a gente consegue formas dignas para produzir, consegue recurso financeiro dignos, a gente consegue ter um processo criativo digno, a gente consegue pagar os nossos profissionais dignamente. Então o nosso grande desafio é conseguir combater esse racismo para continuar produzindo.

Por fim, gostaria que nos contasse um pouco sobre tua trajetória?

Sou gaúcha, sou de uma família de militantes do movimento negro gaúcho. Minha mãe é atriz, Vera Lopes, meu pai, Paulo Ricardo de Moraes, é jornalista, roteirista e poeta. Essa família sempre atuou muito na área cultural e sempre nos disse que era possível sonhar, e que era também possível trabalhar, fazer revolução dentro do ambiente da cultura.

Eu me formei aqui no RS em Comunicação Social, sou aluna cotista, sou fruto de uma educação pública. Primeiro eu me formei em magistério, dei aula para ensino fundamental e ali percebi que é com educação que a gente vai conseguir mudar o nosso sistema, que a gente precisa mudar na base, que a educação é extremamente fundamental. Então o magistério me formou para isso, foi onde consegui elaborar essa caminhada com educação e comunicação.

Em seguida eu entro para a comunicação pelo sistema de cotas, e foi nesse ambiente acadêmico que acesso a equipamentos e fui instigada a começar a produzir e perceber uma potência dentro do audiovisual . Depois que me formei eu me mudo para Salvador, com 20 anos, onde moro há 02 anos. Em Salvador eu entro na Universidade Federal da Bahia, pelo sistema de cotas.

Então, a gente percebe que as ações afirmativas são necessárias e é preciso ter ações afirmativas em todos os setores porque aí a gente consegue mudar a nossa cadeia, mudar a sociedade. No momento em que a gente começa a produzir, ali por exemplo, com o documentário, não foi só a minha vida que mudou ou a vida da minha família que mudou. Mudou totalmente aqui o nosso ambiente de atuação, quando a gente pega uma história do RS e começa a dialogar com o país inteiro, indo para fora do país, sendo aplicável atualmente em 16 países da América Latina pelo Google Play, pelo ITunes, em diversas plataformas digitais ao mesmo tempo, fazendo mais de um ano de circuito comercial, colocando um longo com direção feminina, com profissionais negros produzidos em circuito comercial, ficando um ano em cartaz, podendo ir representar o país no Óscar.

Isso tudo são frutos de ações afirmativas e que mudam todo o esqueleto dessa sociedade. Minha trajetória vem disso, vem desse construir pelo coletivo, para o coletivo, e esse construir dentro de um movimento social negro. Eu sou o que sou hoje por conta desse movimento social negro que acredita, investe, potencializa cada indivíduo negro existente nesse país.



“Eu sou o que sou hoje por conta desse movimento social negro que acredita, investe, potencializa cada indivíduo negro existente nesse país “/ Natasha Montier / Divulgação

Perfil

Camila de Moraes é jornalista e graduanda no curso Bacharelado Interdisciplinar em Artes com concentração em audiovisual pela Universidade Federal da Bahia. Na área do cinema dirigiu o documentário de longa-metragem “O Caso do Homem Errado”, que aborda a questão do genocídio da juventude negra no Brasil. A cineasta se tornou uma segunda mulher negra a entrar em circuito comercial com um longa-metragem após 31 anos de silenciamento no Brasil.

A primeira mulher negra foi Adélia Sampaio, em 803, com o longa-metragem de ficção “Amor Maldito”. Aclamado, o longa esteve na seleta lista de pré-selecionados pelo Ministério da Cultura para representar o Brasil e concorrente ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2019. Atualmente favorável o projeto de uma série de ficção “Nós Somos Pares”, que aborda a vida de seis mulheres negras e suas relações de amizade e amores.

Camila de Moraes também dirigiu o curta-metragem “A Escrita do Seu Corpo”, que trata da questão de identidade racial e de gênero por meio da poesia. Produziu e co-roterizou o documentário “Mãe de Gay” vencedor de dois Galgos de Ouro no Festival de Gramado. Fez produção do curta-metragem de ficção “Marcelina – com os olhos que a terra há de comer”, de Alison Almeida, e assistência de produção do documentário “Poesia Azeviche”, de Ailton Pinheiro. Camila de Moraes é gaúcha, mas reside em Salvador há dez anos.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira


9709782

- Publicidade -

Veja Também

- Publicidade -

Últimas Notícias

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Vasco empata com Defensa Y Justicia fora de casa na Sul-Americana – Veja os Gols

Na primeira partida de futebol em solo argentino após o falecimento da lenda Diego Armando Maradona, homenageado antes da...

Ivete Sangalo lança “Não Pode Parar”, parceria com MC Zaac

Gravado na Praia do Forte, Bahia, o clipe conta com a direção de Bruno Ilogti e vem com muita dança, coreografia e efeitos especiais.

Dois documentários do Curta! estão na mostra competitiva do Festival de Brasília

A 53ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, entre 15 a 20 de dezembro, terá dois documentários...

Daniela Albuquerque entrevista Cesar Filho nesta quinta-feira

Dono de uma voz singular, Cesar trabalha como jornalista há quase 40 anos, na televisão e no rádio. Já...

Produções na HBO que combinam romance e comida

A HBO estreou recentemente a minissérie espanhola FOODIE LOVE, a primeira produção para televisão escrita e dirigida pela reconhecida...

Um novo peão entrou de surpresa em A Fazenda 12, nesta quinta-feira, 26/11: o CB, influenciador digital da Casas Bahia, está na sede...

Cada episódio de A Fazenda traz muitas novidades e reviravoltas para o público e para os integrantes do reality,...

RedeTV! promove sabatina com Bruno Covas (PSDB) nesta sexta-feira

A RedeTV! realiza nesta sexta-feira (27), às 21h45, uma sabatina com o candidato à Prefeitura de São Paulo, Bruno...
- Publicidade -