Por meio de publicação em sua conta oficial no Twitter, a Secretaria de Saúde de São Paulo chamou a invasão de um hospital público realizada pelos parlamentares Kim Kataguiri (DEM-SP) Arthur Do Val (Patriota-SP), Ricardo Mellão (Novo) e Lucas Sanches (PP-SP), de “episódio triste e lamentável”.

A invasão ocorreu ontem (16), no Hospital Geral de Guarulhos, onde 60 pacientes estão internados com quadros graves de covid-19. Segundo a Secretaria Municipal, a conduta “destoa do que é esperado de autoridades públicas, que deveriam ser exemplo e zelar pela segurança da população, principalmente em tempos de crise sanitária global.”

Em vídeos que registram a ação dos parlamentares dentro do hospital pode-se ver a presença de outras três pessoas que carregam câmeras e estão registrando a invasão. A postagem da Secretaria de Saúde também traz a informação de que o grupo causou aglomeração e colocou em risco equipe e pacientes do equipamento, ao tentar acessar “à força” a área restrita para atendimento a casos graves de covid-19, onde é permitida apenas a circulação de profissionais de saúde.

O Hospital Geral de Guarulhos foi palco de um episódio triste e lamentável nesta sexta-feira (16). (+) pic.twitter.com/HEk1Qq64RI

— Secretaria da Saúde SP (@spsaude_) April 16, 2021

Em resposta, um dos protagonistas da ação, o deputado estadual Arthur do Val (Patriotas, afirmou, por meio de vídeo em suas redes sociais, que a invasão foi uma ação de “fiscalização surpresa”, já que emendas foram destinadas ao hospital por meio de seu trabalho na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Porém, o deputado não explicou quais foram os critérios técnicos de sua fiscalização.

Repercussão

A ação dos membros do MBL teve intensa repercussão negativa nas redes sociais. Usuários consideraram a atitude “bolsonarista” e contraditória, já que os deputados se posicionam contra o negacionismo promovido pelo governo Bolsonaro. Muitos também não aceitaram a justificativa de Arthur do Val. “Deputado, para se fiscalizar hospital ou dinheiro público, se faz auditoria, não vídeo pro YouTube”, diz uma das postagens, escrita pelo usuário Renan Rodrigues.

O deputado federal (PT-SP) Alencar Braga também esteve entre os políticos que criticaram a ação dos parlamentares paulistas.

Já atacaram exposição de arte, ajudaram a eleger o miliciano Bolsonaro e agora invadem hospitais com cinegrafistas para fazer propaganda, cometendo crime contra a saúde pública ao colocar vidas em risco.

O MBL é uma milícia fascista que não pode ter espaço na democracia! pic.twitter.com/R0G2edITMN

— Deputado Alencar (@AlencarBraga13) April 17, 2021

Edição: Mauro Ramos

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião