Diário Carioca Google News

“pele-sempre-foi-vitima-de-racismo”,-diz-jornalista-paulo-cesar-vasconcellos

“Eu acho que o Brasil tem pouca representatividade negra no congresso. Por felicidade, por respeito ou por tudo o que eu fiz, eu sou um dos negros que têm um cargo alto no governo. Eu acho que eu sou um grande exemplo. Acho que o negro tem que se unir e tem que votar em negro para termos mais representatividade no governo”. 

A fala do parágrafo acima saiu da boca de Pelé, então ministro do Esporte, em entrevista ao apresentador Jô Soares. A entrevista, em 1995, contradiz um dos muitos lugares-comuns sobre o ex-jogador: de que ele evita se posicionar politicamente.

O jornalista esportivo Paulo Cesar Vasconcellos, comentarista dos canais SporTV, é enfático ao afirmar que “Pelé sempre foi vítima de racismo”.

“Eu sou um negro, um homem negro, que cresceu tendo Pelé como ídolo. Acho que ele teve um papel, se não foi do ponto de vista discursivo, se não foi do ponto de vista oral, foi do ponto de vista corporal extremamente afirmativo para pretos e pretas”, disse ele em entrevista ao Brasil de Fato.

Vasconcellos citou outro momento em que o ídolo deixou clara sua postura democrática. Em 1984, ele vestiu camisa da Seleção Brasileira com mensagem de apoio ao movimento “Diretas Já”. A imagem estampou a capa da revista Placar, maior publicação esportiva do país na época.


Pelé veste camisa em defesa do movimento “Diretas Já” em foto que estampou a capa da revista Placar em 1984 / Reprodução

Para o jornalista, a foto icônica, tirada pelo fotógrafo Ronaldo Kotscho, é bem menos lembrada do que deveria. Nas últimas semanas, com o ídolo internado para o tratamento de câncer em São Paulo, o clique passou a ser bastante compartilhado nas redes sociais.

Vasconcellos afirma que o craque brasileiro foi cobrado para que tivesse, por exemplo, postura semelhante à do boxeador estadounidense Muhammad Ali, que foi contemporâneo do Pelé e se tornou protagonista da luta antirracista nos Estados Unidos a partir da década de 1960. Ele morreu em 2016.

“O preconceito nos Estados Unidos sempre foi algo muito debatido e muito explícito, e o Brasil sempre foi muito cínico. Então são formações distintas, não cabe comparação entre um e outro”, pondera.

Outro especialista no tema, o diretor executivo do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, Marcelo Carvalho, afirma que Pelé é muito mais criticado que pessoas brancas. Ele cita como exemplo a postura pouco combativa do jogador perante à ditadura militar que governou o país entre 1964 e 1985.

“Parece que a gente sempre olha para uma figura negra e acha que ela tem que ser completa, né? Não basta ter seus talentos na sua área específica. Também precisa ter um posicionamento político, uma índole correta, não pode errar. É muito pesado esse fardo que a gente coloca nas costas das pessoas negras”, destaca.

A filha

Um episódio que marcou a vida do ex-jogador, já depois de aposentado, foi a relação com a filha Sandra Regina, que precisou enfrentar uma batalha judicial no início dos anos 1990 para ter o reconhecimento da paternidade. O caso ainda é muito lembrado por críticos de Pelé. Para Carvalho, a questão racial tem um importante componente nessas críticas.

“Eu não vou ‘passar pano’ para a questão da filha dele, mas a gente vai diminuir o tamanho que o Pelé foi por conta disso? Será que isso é o ponto que não deixa Pelé ser um homem 100% venerado? É algo muito mais racial que de fato o problema que ele teve com a filha”, diz. Sandra morreu em 2006, vítima de câncer.  

“O Pelé sempre foi vítima de racismo, e tudo o que o Pelé fazia e dizia, por ser ele um homem negro, sempre foi levado num outro sentido, de desqualificação do que ele estava dizendo”, complementa Paulo Cesar Vasconcellos.

O jornalista cita, por exemplo, o famoso discurso do jogador instantes após marcar seu gol de número 1.000, em 1969: “Pelo amor de Deus, o povo brasileiro não pode esquecer das crianças, as crianças necessitadas, as casas de caridade. Vamos pensar nisso”, afirmou a jornalistas que invadiram o campo.

“Pois bem, aquela afirmação à época só foi ironizada, só foi depreciada. O que nós temos no Brasil de hoje? Os netos daquelas crianças que estavam no sinal, nas ruas, pedindo dinheiro, estão agora pedindo dinheiro. Se tivesse sido pensado e elaborado de outra forma, será que não poderia ter contribuído? Sempre que o Pelé abriu a boca houve uma questão de desqualificar o que ele dizia”, afirma.

Mesmo com todo o sucesso dentro de campo – fez mais de 1.200 gols na carreira, conquistou três Copas do Mundo e dezenas de títulos com o Santos – Pelé demorou a conquistar aceitação, segundo o jornalista.

“Para muitas pessoas, dentro do modelo do racismo brasileiro, o Pelé deixou de ser um homem negro para ser ‘O Pelé’. Ele não era um homem negro, ele era ‘O Pelé’. E com isso ele foi sendo aceito por que não havia como não aceitá-lo”, avalia Vasconcellos.

Marcelo Carvalho concorda, e lembra que até atingir o status de maior jogador da história do futebol, o ex-jogador foi chamado por diversos apelidos que remetiam à cor da pele. Porém, mesmo após ser eleito o Atleta do Século por jornalistas de todo o mundo, ainda carece de reconhecimento dentro do próprio país.

“Agora a gente viu isso na Copa do Mundo: o quanto os outros países veneram seus jogadores, seus ídolos. E quanto o Brasil não faz isso. Basta ver, por exemplo, o tanto de bandeirão que tinha da Argentina, dos torcedores levando Diego Maradona para o estádio, e colocando Messi no mesmo patamar, e a gente nunca viu algo nem perto disso com o Pelé”, aponta.

Para o diretor executivo do Observatório da Discriminação Racial, Pelé é mais reconhecido no exterior que no Brasil, e de tempos em tempos são lançados novos nomes que, quem sabe, poderão desbancá-lo no futebol do país – como Zico, Ronaldo, Ronaldinho. Nenhum deles conseguiu, e é provável que nenhum consiga.

“A cada vez que esses outros jogadores aparecem, e não conseguem chegar nesse tamanho que o Pelé foi, a gente vai reconhecendo que ele é acima de todos esses. Ninguém chegou perto do Pelé, olhando para o futebol brasileiro. E aí que eu acho que a gente não dá o devido valor. O brasileiro não dá o devido valor para o Pelé”, conclui.

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Brasil de Fato - Diário Carioca

Brasil de Fato

Brasil de Fato é um site de notícias e uma agência de rádio brasileira, que também possui jornais regionais no Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Pernambuco.[1] Possui uma rede nacional...