Candidato chavista da APR pode ficar de fora da disputa para a prefeitura de Caracas

candidato-chavista-da-apr-pode-ficar-de-fora-da-disputa-para-a-prefeitura-de-caracas

Diário Carioca Google News

A Venezuela se prepara para as eleições regionais de 21 de novembro, no que será o segundo processo eleitoral em que o chavismo sairá separado em duas plataformas em nível nacional: Grande Polo Patriótico (GPP), liderado pelo governante Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv), e a Aliança Popular Revolucionária (APR).

O GPP já conseguiu inscrever todos os seus postulantes. Já a APR teve uma das suas principais candidaturas impugnadas pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE). Eduardo Samán (Partido Pátria Para Todos – PPT) pretendia ser candidato à prefeitura de Caracas pela APR, mas, faltando pouco tempo para encerrar o prazo de inscrição, foi comunicado que sua postulação teve problemas.

A chapa tenta recorrer da decisão no Tribunal Supremo de Justiça. O recurso deveria ser respondido em até 48h, mas até o início da manhã de sexta (17) ainda não havia retorno.

Dois diretores do CNE se pronunciaram afirmando que a inabilitação da candidatura da APR era “irregular”.

Comparto el comunicado del rector @rpiconh sobre nuevas inhabilitaciones en vísperas del 21N, y suscribo su preocupación: el uso discrecional de la sanción accesoria de inhabilitación para ejercicio de cargos públicos, quebranta derechos políticos de los ciudadanos. https://t.co/1Mhvk1awQJ

— Enrique Márquez (@ENRIQUEMARQUEZP) September 13, 2021

Houve casos de políticos de direita inabilitados politicamente que puderam se candidatar, casos de Tomás Guanipa (Primeiro Justiça), postulante à prefeitura de Caracas, e José Manuel Olivares, que concorre ao governo do estado Vargas pela legenda da Mesa de Unidade Democrática (MUD).

O prazo final para alterar os nomes das candidaturas é 22 de setembro.

:: O que está acontecendo na Venezuela? Veja cobertura completa :: 

Essa é a segunda vez que Samán busca disputar a prefeitura da capital. Em 2017, também teve problemas com sua inscrição, mas conseguiu concorrer às eleições. “Nessa época me bloquearam em todos os meios de comunicação estatais”, relata.

Eduardo Samán é farmacêutico e professor. Em 2009, foi ministro de Comércio durante a gestão do ex-presidente Hugo Chávez. Foi filiado ao Psuv até 2017, quando ingressou no PPT.

O Brasil de Fato conversou com o político em Caracas, sobre as próximas eleições e o futuro político da disputa na Venezuela. 

Brasil de Fato: Como foi o processo de impugnação da sua candidatura? Quais foram as irregularidades apresentadas pelo Poder Eleitoral?

O Conselho Nacional Eleitoral tinha cinco dias para impugnar minha inscrição. Faltando 40 minutos para terminar o prazo, convocaram a fiscal da APR para comunicar que haviam negado a minha candidatura. Se não indicássemos outro nome, imediatamente ficaríamos sem candidatura para a prefeitura de Caracas. Por isso tivemos que nos mobilizar para inscrever outra pessoa para reservar a vaga.

Nesse dia tentei acessar o sistema público de eleitor e meu registro aparecia como inabilitado, inclusive para votar. No dia seguinte, esse aviso desapareceu do sistema.

O período de inscrições encerrou e eu nunca fui notificado da abertura de algum processo administrativo na Controladoria Geral da República ou pelo Tribunal Supremo de Justiça. O site da Controladoria está desatualizado desde 2017.

No dia 5 de setembro, enviamos uma carta ao Conselho Nacional Eleitoral questionando quais eram os problemas da minha candidatura e nunca foi respondida.

Não sei o motivo exato. Há especulações de que o motivo seria a falta de uma declaração jurada de bens, algo que fiz e recentemente publiquei o certificado de envio nas minhas redes sociais. A única coisa que comunicaram à representante da APR é de que estou inabilitado.




Partido Comunista da Venezuela (PCV) apresentou recurso contra a impugnação da candidatura de Eduardo Samán pela Alternativa Popular Revolucionária / PCV

Há outro meio pelo qual pretendem recorrer?

Poderíamos recorrer à Sala Constitucional e à Sala Eleitoral do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). No entanto, não posso me defender, porque nem sequer fui formalmente notificado.

Veja que os reitores que questionam a decisão são reitores de direita, que fazem isso por uma questão ética.

Eu acredito que agora vão nos mandar buscar uma série de documentos e no melhor dos casos irão permitir nossa candidatura quando passe o prazo para que o meu nome apareça na urna eleitoral. Mas, nesse caso, não teria nenhuma sentido minha inscrição. Já estou me preparando para que essa vaga seja assumida por outra pessoa.

:: Dolarização na Venezuela gera boom de lojas de produtos importados :: 

Como você espera que serão as eleições para a APR?

Para mim há uma arremetida contra a APR. Por exemplo, a APR solicitou ter representação na mesa de diálogo (que ocorre no México, entre governo e oposição), mas não houve resposta. Pelo contrário, não querem sentar a dialogar porque não querem reconhecer a força popular que temos.

Essa conduta da equipe que dirige o governo é surpreendente. Não nos surpreende somente essas ações de estabelecer diálogo com a direita e rechaçar a esquerda, mas também as políticas econômicas.

Aí estão as Zonas Econômicas Especiais que não reconhecem as conquistas trabalhistas e nem os problemas com o salário. O salário mínimo cobre 0,4% da cesta básica. Também é muito grave a judicialização da relação com trabalhadores e sindicalistas.

Leia também: Venezuelanos se dividem entre propostas antagônicas para recuperação da economia

A partir de sua leitura, qual o caminho para grupos que se identificam como “populares e revolucionários”?

O caminho é a acumulação de forças e pressões de movimentos internacionais, que defendem o socialismo, o anti-imperialismo, sobre o governo para que retifiquem essa política.

Não com caráter de intervenção, mas sim como solidariedade, para que o governo interrompa a judicialização dos líderes de esquerda e também o desprestígio contra dirigentes comunistas venezuelanos.

Edição: Arturo Hartmann


Total
0
Shares
Previous Article
“veto-de-bolsonaro-e-politico”,-diz-militante-sobre-pl-de-auxilio-a-agricultores-familiares

"Veto de Bolsonaro é político", diz militante sobre PL de auxílio a agricultores familiares

Next Article
justica-recomenda-que-governo-de-minas-gerais-suspenda-venda-de-companhias-de-desenvolvimento

Justiça recomenda que governo de Minas Gerais suspenda venda de companhias de desenvolvimento

Related Posts
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal