A cantora e compositora carioca Elisa Fernandes inaugura nova fase na carreira após seu bem sucedido primeiro álbum, “ELISA”, lançado no final de 2020 e que já acumula milhões de plays nas plataformas digitais. Ela convida o grupo Casuarina, um dos expoentes do samba nas últimas décadas, para marcar sua reconexão com o gênero. “Saravá, Paz e Bem” é um canto de liberdade, um adeus para um relacionamento abusivo. A faixa ficará disponível como single nos serviços de streaming. 

Assista ao clipe “Saravá, paz e bem”: https://youtu.be/y3tBAqLsuy8

Ouça “Saravá, paz e bem”: https://ps.onerpm.com/saravapazebem

Após fazer um mergulho profundo na MPB no seu primeiro álbum, Elisa Fernandes retorna ao samba – uma musicalidade que lhe é tão familiar que a artista foi apadrinhada por Monarco, cantor e compositor da Velha Guarda da Portela. Em “Saravá, paz e bem”, ao mesmo tempo que abraça esse novo momento, canta uma narrativa onde se despede de uma relação tóxica. 

“Não me quer? Saravá, paz e bem / Não me quer? Saravá, paz e bem / Não me quer? Saravá, paz e bem / Eu te dei tanto amor / Cê só me deu desdém”, cantam Elisa e Gabriel Azevedo, do Casuarina. A letra fala sobre a recuperação da autoestima e joga luz em uma situação que se agrava no Brasil, o feminicídio, cujos números se tornaram ainda mais críticos diante do isolamento social, embora a canção tenha sido composta e gravada ainda antes do início da pandemia.

“A gente não pode permitir que nossos parceiros ou parceiras façam o que quiserem com a gente nos relacionamentos. E nem o contrário, claro! Às vezes as pessoas ficam presas numa relação por questões financeiras, por medo de ficarem sozinhas ou por acharem que não existe vida sem a outra pessoa. Muitas vezes uma história que começa com alguém impondo algumas restrições que parecem inofensivas termina em agressão física e até feminicídio. O que eu pretendo dizer com ‘Saravá’ é que ninguém é obrigado a nada, porque acredito que o grande barato de se unir com alguém é crescer, aprender, evoluir, poder contribuir pra história de alguém e proporcionar coisas bacanas para todas as partes. Se não tá rolando nada parecido com isso, pra mim não faz sentido. Já vivi relacionamentos abusivos e não recomendo!”, finaliza.

“Saravá, Paz e Bem” tem produção musical de Rodrigo Campello e direção vocal de Suely Mesquita. Foi gravada no estúdio MiniStereo, em dezembro de 2019. Além de Gabriel, completam o time João Fernando (arranjo e bandolim), Daniel Montes (violão), Rafael Freire (cavaquinho) e Renato Albernaz (percussão). 

Assista ao clipe “Saravá, paz e bem”: https://youtu.be/y3tBAqLsuy8

Ouça “Saravá, paz e bem”: https://ps.onerpm.com/saravapazebem

Ficha técnica:

Produção musical: Rodrigo Campello

Direção vocal: Suely Mesquita

Gravada no estúdio MiniStereo, em dezembro de 2019

Elisa Fernandes: Vocal

Gabriel Azevedo: Vocal

João Fernando: Arranjo e bandolim

Daniel Montes: Violão

Rafael Freire: Cavaquinho

Renato Albernaz: Percussão

Letra:

Vivia sem rumo, calada

Sofrendo, magoada

E sem perceber

Fui me escondendo e matando

Aos poucos meus planos

Pra não te perder

Mas algo em mim acordou

Me fez querer renascer

Vi que não tinha motivos

Pra tanto sofrer

Nossa história acabou

Cansei do teu vaivém

Teu pouco caso me ensinou

Que ninguém é de ninguém

Você mesma confessou

Que já tem um outro alguém

Covardia imperou

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Eu te dei tanto amor

Cê só me deu desdém

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Não me quer?

Saravá, paz e bem

Não me sinto tão só

Não sou mais tua refém

Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo