27 C
Rio de Janeiro
23 outubro, 2021

Comissão da Câmara aprova proposta que cria política antiterrorismo ligada à Presidência

- Publicidade -

Diário Carioca Google News

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta quinta-feira (16), uma proposta de ações contraterroristas (PL 1595/19), que, segundo congressistas da oposição, abre espaço para a criminalização de movimentos populares. O projeto cria uma política antiterrorismo subordinada à Presidência da República.

A proposta original é do deputado Vitor Hugo (PSL-GO), que aproveitou o conteúdo de um projeto apresentado pelo então deputado Jair Bolsonaro e arquivado em 2019 (PL 5825/16). Foram 22 votos a favor e 7 contrários.

A proposta seguirá para análise no plenário da Câmara. Ao todo, a discussão e a votação do texto-base e dos destaques duraram 8 horas e meia, encerrando-se no início da madrugada dessa sexta (17).

O texto cria o Sistema Nacional (SNC) e a Política Nacional Contraterrorista (PNC), sob supervisão do Gabinete de Segurança Institucional, vinculado ao Palácio do Planalto.

- Advertisement -

A discussão da proposta foi duramente criticada pela oposição. A deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) afirmou que o texto é inconstitucional e cria uma “polícia paralela” para conter o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e outros grupos já classificados de “terroristas” pelo próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus apoiadores.

“Pegar uma ideia ampla e aberta do que é terrorismo é abrir brecha, sim, para criminalizar quem luta pela terra e quem luta por direitos trabalhistas, para criminalizar quem quer reforma urbana e reforma agrária. O que se quer aqui é criar uma polícia paralela a serviço de Bolsonaro e de sua ânsia golpista e antidemocrática”, disse a deputada.

O líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), argumentou que uma lei em vigor desde a Olimpíada de 2016 (Lei 13.260/16) já dá os instrumentos para o Brasil enfrentar o terrorismo internacional, definido como uma série de atos “cometidos com a finalidade de provocar terror social ou generalizado” que exponha pessoas, patrimônios e paz pública a perigo.

Excludente de ilicitude

Outro risco apontado é quanto ao possível aumento das hipóteses de excludente de ilicitude para ações contraterroristas, que, para o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), seria uma “licença para matar”.

Cinco deputados da oposição chegaram a apresentar votos em separado como possíveis alternativas ao relatório de Sanderson. Paulo Teixeira, Fernanda Melchionna (Psol-RS), Orlando Silva (PCdoB-SP) e Perpétua Almeida (PCdoB-AC) pediram a rejeição do projeto original, enquanto Subtenente Gonzaga (PDT-MG) sugeriu um novo substitutivo menos polêmico.

Perpétua Almeida disse que o projeto de lei “atende o interesse exclusivo do presidente Bolsonaro de ter a sua própria polícia”.

“O Brasil já tem Abin [Agência Brasileira de Inteligência], Forças Armadas, Polícia Federal e policiais militares, todas com real poder de investigar e punir alguém que estiver com ato terrorista no País”, declarou.

A proposta aprovada pela comissão não exclui a atribuição da Abin para a execução das atividades de prevenção e acompanhamento estratégico do terrorismo, por meio da coleta e da busca de dados de inteligência e da produção de conhecimento.

Segundo o texto, o Legislativo será responsável pelo controle e fiscalização das ações contraterroristas. O órgão de controle externo do Congresso será integrado pelos líderes da Maioria e da Minoria na Câmara e no Senado; pelos presidentes das comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, e de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara; e pelos presidentes das comissões correspondentes do Senado.

Estão previstas as criações da Autoridade Nacional Contraterrorista, responsável por conduzir a política nacional junto às autoridades militar e policial, e de duas “unidades estratégicas”: o Comando Conjunto de Operações Especiais, comandado por um oficial-general das Forças Armadas, e o Grupo Nacional de Operações Especiais.

Defesa do Projeto

O relator Sanderson (PSL-RS) afirmou que a proposta apenas permite a ação integrada de unidades militares, policiais e de inteligência na prevenção e no combate ao terrorismo no Brasil. O relator também rebateu a principal crítica da oposição, quanto aos riscos do texto para os movimentos sociais e a democracia.

“Em nenhum momento, o projeto traz criminalização de movimentos sociais ou qualquer tipo de ataque ou risco à democracia. Nós retiramos o artigo que estabelecia um tipo penal para insubordinação [de agentes de segurança] e, com isso, o projeto não traz nenhum dispositivo penal como também não há nenhum dispositivo processual penal”, afirmou Sanderson.

“São comandos administrativos que criam o Sistema Nacional Contraterrorista, de modo que as agências de inteligência, as agências policiais e as Forças Armadas tenham condições de se anteciparem na localização de possíveis células terroristas”, disse.

*Com informações da Agência Câmara.

Edição: Anelize Moreira


Assine nossa newsletter

Assine nosso Boletim e ique bem informado com as principais notícias do Mundo

- Publicidade -
Brasil de Fatohttps://www.brasildefato.com.br/
Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião

Bolívia recebe doses de vacina contra a covid-19 para imunizar jovens

La Paz, 23 out (EFE).- As autoridades da Bolívia receberam neste sábado mais de um milhão de doses da vacina de Pfizer/BioNTech contra a...

Las protestas contra el certificado covid reúnen a 40.000 personas en Francia

París, 23 oct (EFE).- Las ya habituales manifestaciones contra el certificado sanitario, obligatorio para muchos actos de la vida social en Francia, reunieron hoy...

Cuba acusa EUA de arrogância pela advertência sobre manifestação de novembro

Havana, 23 out (EFE).- O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, acusou neste sábado o governo dos Estados Unidos de "arrogância, prepotência e frustração" por...

Colombia reporta 38 fallecimientos y 1.660 casos nuevos de covid-19

Bogotá, 23 oct (EFE).- Colombia sumó este sábado 1.660 casos nuevos de covid-19, que elevan a 4.989.681 el total de contagios reportados, e informó...

Paraguay suma 22 casos nuevos de covid-19 y un fallecimiento

Asunción, 23 oct (EFE).- Paraguay registró este sábado el fallecimiento de una persona con diagnóstico de coronavirus SARS-CoV-2 y sumó 22 nuevos casos en...
- Publicidade -

New Order anuncia transmissão ao vivo de seu show no O2, em Londres

New Order recentemente voltou a se apresentar ao vivo com um show triunfante em uma cidade natal no Heaton Park de Manchester
- Publicidade -
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal