22.6 C
Rio de Janeiro
22 outubro, 2021

CPI denuncia aparelhamento de companhia energética de MG. Zema chama de ‘coisa minúscula’

- Publicidade -

Diário Carioca Google News

Há dois meses, possíveis irregularidades na gestão da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), durante o governo Romeu Zema (Novo), são investigadas por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa mineira. Há denúncias de favorecimento de empresas e de pessoas próximas ao governador e ao seu partido, além de contratações irregulares de grandes prestadoras de serviços e espionagem.

 Empresa derrotada em uma licitação foi subcontratada em sequência para a mesma atividade

Em entrevista a seu aliado na TV Record, o deputado Mauro Tramonte (Republicanos), Romeu Zema disse que a CPI está “pegando em coisinha minúscula”. Abaixo, o Brasil de Fato traz quatro exemplos de “coisas minúsculas” citadas nas investigações.

Coisa minúscula 1: subcontratação de empresa que perdeu licitação

Em fevereiro de 2020, em um processo de licitação para serviços de teleatendimento da Cemig, a empresa AeC, fundada pelo ex-secretário de Desenvolvimento Econômico de Zema, Cássio Rocha de Azevedo, tinha sido derrotada pela concorrente Audac. Porém, meses depois, sem dar início ao serviço, a Cemig suspendeu o contrato da Audac.

- Advertisement -

Em fevereiro de 2021, a companhia firmou com a transnacional de tecnologia IBM, sem licitação e sem concorrência, um contrato de R$1,1 bilhão, por serviços de consultoria em transformação digital, desenvolvimento e operação de um modelo de atendimento a clientes, pelo período de 10 anos.

No dia 30 de agosto, o superintendente do Centro de Serviços Compartilhados da Cemig, Wantuil Dionísio Teixeira, disse à CPI que a IBM subcontratou a empresa AeC, derrotada anteriormente na licitação, para prestar serviços de teleatendimento.

Entre 7 fevereiro de 2020 e 9 junho de 2021, a Cemig firmou 34 contratos sem licitação, somando R$ 1,185 bilhão

A ex-superintendente de relacionamento comercial da Cemig, Sílvia Cristiane Martins Batista, reconheceu que não é comum que uma empresa derrotada em uma licitação recente seja subcontratada para a mesma atividade.

À CPI, o presidente da Audac, José Roque, disse que cobra da Cemig, na Justiça, uma indenização de R$13,5 milhões, como compensação pelo investimento feito e os contratos que deixou de fazer com outras empresas.

“Uma nova prática foi inaugurada na gestão Zema na Cemig: a garantia de contratação a quem perde a licitação. A IBM não tem em seu portfólio nenhuma excelência de atendimento às pessoas que justificasse a Cemig ter construído os passos para chegar à IBM. Deveria ser constrangedor, a gente está diante da subcontratação de quem perdeu a licitação”, criticou a deputada Beatriz Cerqueira (PT), integrante da CPI.

Coisa minúscula 2: gestão paralela 

As investigações têm apontado, em diversas circunstâncias, suspeitas de uso da companhia pelo governo para favorecer empresas e pessoas próximas, com suspeitas de interferência do partido de Zema. 

Um exemplo é o que teria ocorrido com a Exec, uma empresa de recursos humanos que foi responsável pela seleção do presidente da Cemig, Reynaldo Passanezi Filho, em janeiro de 2020, e de três diretores. No ano passado, a mesma empresa assessorou o partido Novo no recrutamento de candidatos a prefeito em oito capitais brasileiras. Dois sócios da Exec, os empresários Rodrigo Foz Forte e Carlos Eduardo Altona, são filiados ao Novo.

O diretor adjunto de gestão de pessoas da Cemig, Hudson Félix de Almeida, confessou à CPI que a Exec foi contratada sem licitação e sem passar pelo Conselho de Administração. O vínculo da Cemig com a Exec só foi formalizado após o serviço ter sido executado.

Presidente da Cemig contratou para si um coaching por R$ 156 mil

Para selecionar o presidente da companhia, a Exec teria encaminhado uma proposta aos cuidados do empresário Evandro Veiga Negrão de Lima Jr., que não tem vínculo com a Cemig, mas é secretário de assuntos institucionais do Novo, partido de Zema. Evandro Veiga é o mesmo que, em 2018, cedeu um avião particular para a campanha do governador.

Outro exemplo foi apurado pela deputada Beatriz. Na última semana, ela relatou que, entre 7 fevereiro de 2020 e 9 junho de 2021, a Cemig firmou 34 contratos que, supostamente, não exigiriam licitação, somando um valor de R$ 1,185 bilhão. Do total, nove contratos foram formalizados e pagos após a execução do serviço, prática conhecida como “convalidação”. Um desses contratos, segundo a deputada, foi com a empresa de advocacia Lefosse, que já teve como sócio o diretor jurídico da Cemig, Eduardo Soares.

Coisa minúscula 3: espionagens

Outra empresa cujo vínculo só foi formalizado após a “prestação do serviço” é a Kroll Associates Brasil Ltda, especializada em investigações no âmbito corporativo. A Kroll é a mesma que, há uma década e meia, foi investigada pela Polícia Federal na Operação Chacal, por espionar a Telecom Itália e membros do governo federal com grampos ilegais e roubo e compartilhamento de dados protegidos por sigilo fiscal, a pedido do banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity.

Técnicos da Cemig, que questionaram a facilitação de contratos sem licitação, teriam sido espionados pela Kroll. Isso foi dito pelo ex-titular da Gerência de Direito Administrativo da Cemig, o advogado Daniel Polignano Godoy, em depoimento do dia 9 de setembro. 

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Daniel também contou que, na madrugada de 4 dezembro de 2020, dados da Cemig foram copiados de seu computador profissional por um funcionário da Kroll, acompanhado por uma integrante da Diretoria Jurídica. Segundo a CPI, a Kroll atuou por cinco meses sem contrato na Companhia.

“Precisamos acionar a Ordem dos Advogados do Brasil para que tome providências legais sobre essa arapongagem, já que o mesmo sigilo profissional foi violado pela Cemig, ao invadir, na calada da noite, o computador de seu funcionário”, disse o deputado Professor Cleiton (PSB), vice-presidente da Comissão.

Coisa minúscula 4: “contratações pueris”

O coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Energética de Minas Gerais (Sindieletro-MG), Emerson Andrada, destaca também o que ele chama de “contratações pueris”, isto é, que não têm relevância para o tipo de serviço que a Cemig presta.

Emerson lembra o caso da contratação, por R$ 156 mil, do coaching e psicólogo Wladimir Ganzelevitch, de São Paulo, para aconselhamento do presidente da Cemig, Reynaldo Passanezi Filho, por um prazo de dois anos.

“Segundo informações que recebemos, esse psicólogo já exercia a consultoria de coaching ao senhor Passanezi e, ao assumir a Cemig, ele o contrata como uma espécie de serviço pessoal à presidência. Se ele resolve contratar um psicólogo ou coaching, ele tem todo o direito, mas que o faça com o próprio dinheiro, que não se utilize do patrimônio público”, avalia Emerson Andrada.

Antecipação da privatização

O sindicato alerta que as ilegalidades denunciadas na CPI não são apenas desvios de conduta de integrantes do governo ou da companhia, mas uma metodologia do governo Zema para facilitar e acelerar o processo de privatização da Cemig, que é a empresa mineira de maior valor em termos financeiros e uma das mais lucrativas do país no setor de energia elétrica.

A essa metodologia do governo Zema, o Sindieletro deu o nome de “antecipação da privatização”, que envolve três operações sequenciais. 

A primeira é cortar ao máximo possível as remunerações e outros direitos dos trabalhadores. A segunda  é reduzir as compras, os gastos com manutenção e o atendimento ao consumidor, de modo que, embora precarizado, o trabalho da empresa continue dando lucros aos acionistas. Em terceiro lugar, com a piora no atendimento, a população fica cada vez mais insatisfeita com os serviços, então, o governo prega a privatização como solução do problema.

“O governador piora a Cemig e aponta para a população que, se privatizar, vai melhorar. É uma tática mundialmente conhecida e que o governador Zema, principal responsável pelo patrimônio mineiro, está realizando sem nenhum pudor”, explica Emerson Andrada. Segundo ele, essa metodologia permite reduzir o preço da empresa para possíveis compradores: “se a Cemig tivesse que ser vendida há três anos, quando Zema assumiu, ela seria negociada a um preço maior”.

Andrada reforça que quem perde é a população, seja com a má prestação dos serviços, seja com a venda do patrimônio público a baixo preço, seja porque, com a privatização, as contas de energia tendem a ficar ainda mais caras.

“A empresa que comprar a Cemig vai, imediatamente, tentar recuperar o alto investimento feito na compra da empresa. Na prática, recuperar o alto investimento significa aumentar as tarifas de energia ao máximo. E, sem dúvida, a tarifa que já está muito alta, por conta de bandeira vermelha, vai aumentar muito mais”, prevê.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida e Sarah Fernandes


Assine nossa newsletter

Assine nosso Boletim e ique bem informado com as principais notícias do Mundo

- Publicidade -
Brasil de Fatohttps://www.brasildefato.com.br/
Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião

Rússia tem novo recorde de casos e mortes por covid-19 em um mesmo dia

Moscou, 22 out (EFE).- A Rússia registrou nesta sexta-feira mais 37.141 casos de infecção pelo novo coronavírus e 1.064 mortes por covid-19, o que...

Elizabeth II está descansando e realiza “breves tarefas”, diz imprensa

Londres, 22 out (EFE).- A rainha Elizabeth II, de 95, está descansando e consegue realizar "breves tarefas", após ter recebido alta de um hospital...

Espanha vai extraditar ex-general chavista Hugo Carvajal aos EUA amanhã

Madri, 22 out (EFE).- A Espanha vai extraditar amanhã o ex-general venezuelano Hugo Armando Carvajal aos Estados Unidos, que o acusam de tráfico de...

Richarlison volta a treinar e pode atuar neste fim de semana pelo Everton

Londres, 22 out (EFE).- O atacante brasileiro Richarlison, do Everton, voltou nesta sexta-feira aos treinos após um mês afastado das atividades e pode se...

Las vacunas no son una terapia genética con efectos adversos desconocidos

Madrid, 22 oct (EFE).- Las vacunas de la covid-19 no son ninguna terapia genética experimental ni su administración conlleva efectos adversos desconocidos, como afirman...
- Publicidade -

“DC’s Legends of Tomorrow”: Sétima temporada estreia na Warner Channel

A Warner Channel apresenta a estreia da sétima temporada de DC’s Legends of Tomorrow no domingo, 31 de outubro, às 22h50.
- Publicidade -
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal