Diário Carioca Google News

dois-casos-da-variante-delta-sao-identificados-na-capital-do-rio

Na noite da última quarta-feira (14), a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS) informou que identificou dois casos da variante indiana Delta, após sequenciamento genômico, na capital. Segundo a SMS, tratam-se de dois homens, de 27 e 30 anos, moradores dos bairros de Vila Isabel, na zona Norte, e da Ilha de Paquetá. 

Leia também: Variante delta do novo coronavírus se espalha pela Europa

A secretaria ainda afirmou que segue fazendo o acompanhamento epidemiológico da pandemia na cidade e, em conjunto com a Secretaria de Estado de Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o monitoramento da entrada de diferentes cepas. 

“Independentemente da variante, as medidas preventivas são as mesmas. A população deve manter o distanciamento, usar máscaras e higienizar as mãos com álcool 70 ou, quando possível, água e sabão”, destacou em nota. 

Nas últimas semanas, as cidades de Seropédica e São João de Meriti, na Baixada Fluminense, também já haviam detectado dois casos da variante Delta. Os dois, uma mulher de 22 e um homem de 30 anos, ainda não haviam tomado nenhuma dose da vacina contra covid-19. 

Em maio, um morador de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, teve o primeiro caso confirmado da variante no estado e levou a uma mudança de protocolo para evitar a disseminação da cepa. Uma equipe da Vigilância Sanitária passou a controlar a entrada de pessoas vindo da Índia que chegam a um aeroporto do Rio.

Além dos casos no estado do Rio, no Brasil a variante já foi identificada em pelo menos outros quatro estados: Maranhão, Minas Gerais, Paraná e Goiás. No início de julho, a Prefeitura de São Paulo confirmou o primeiro caso do gênero na capital paulista.

A Delta ganhou atenção ao conquistar espaço em meio a uma nova e pior onda de covid-19. Na Índia, isso ocorreu principalmente a partir de fevereiro deste ano, embora a circulação tenha iniciado em outubro de 2020. Em meses, ela tornou-se dominante no cenário local e, posteriormente, nos países onde migrou, em trajetória que lembra a das variantes Alfa (Reino Unido), Beta (África do Sul) e Gama (Amazonas). 

Edição: Mariana Pitasse


Newsletter

Mais Noticias

Lo que no dicen de Cuba

No empezó con Biden, hay que decir. Desde el 2017 vienen martillando la falacia de un estallido social en Cuba con su solución mágica, la “intervención humanitaria”

Brasil de Fato

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião