25.6 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, novembro 23, 2020
- Publicidade -

Brasil pode fechar ano perdendo menos empregos que em 2015 e 2016

- Publicidade -

A geração de empregos no segundo semestre pode fazer o país fechar 2020 perdendo menos postos de trabalho que na recessão de 2015 e 2016, disse hoje (19) o ministro da Economia, Paulo Guedes. O ministro voltou a defender a desoneração da folha de pagamentos e criticou o Congresso Nacional por interditar o debate sobre o tema.

“Na maior crise global, nós podemos terminar o ano com um terço ou um quarto dos empregos que foram perdidos na recessão autoimposta [de 2015 e 2016”, declarou Guedes, durante o 41º Congresso Brasileiro de Previdência Privada promovido pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

De acordo com Guedes, o Brasil pode terminar o ano com o fechamento de cerca de 300 mil postos de trabalho. De janeiro a setembro, segundo os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o país tinha eliminado 558,6 mil vagas, contra saldo negativo de 1.144 milhão registrado de janeiro a maio.

Desoneração

No evento, o ministro voltou a defender a desoneração da folha para todos os setores da economia, mas sem especificar de onde sairia a receita para cobrir o benefício. “Estamos convencidos do problema de desoneração da folha. Precisamos remover esse problema que é a cobrança de impostos sobre a folha. Esse imposto é um desastre. Colocou 40 milhões de brasileiros fora do mercado formal e prejudica a arrecadação para a Previdência”, afirmou Guedes.

Por diversas vezes, o ministro defendeu a criação de um imposto sobre transações digitais para cobrir a perda de arrecadação com a desoneração da folha.

Apesar de o governo ainda não ter enviado a proposta ao Congresso, Guedes criticou os deputados por não levarem adiante o debate. “A Câmara interditou esse debate. Ora, um governo eleito quer fazer uma reforma e não consegue, vamos cuidar das outras, os gastos, as despesas, começamos pela Previdência, depois os juros da dívida”, declarou.

Segunda onda de covid

Sobre o ressurgimento de casos de covid-19 no país, Guedes disse que o fenômeno está restrito a algumas regiões e não é geral. “Se a doença vier, estamos numa outra dimensão, sabemos como agir, mas não é nosso plano”, ponderou o ministro.

Ele reiterou que a equipe econômica está concentrada em prosseguir com as reformas estruturais, como a tributária e a administrativa, e em preservar o teto de gastos, sem recorrer a programas populistas.

- Publicidade -

Veja Também

- Publicidade -

Últimas Notícias

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Marcela Brandão lança “Sobre Maria”, canção autoral sobre a força da mulher brasileira

Como uma homenagem a "Maria Maria" de Milton Nascimento e Fernando Brant, a canção da artista ressalta a potência e a delicadeza das mulheres que nunca perdem a mania de ter fé

Confort Food: Receita deCoxa e sobrecoxa à moda de mãe

Chef Melchior Neto ensina receita rápida e saborosa

RedeTV! contrata Rodrigo Constantino, após polêmica no caso Mari Ferrer

A RedeTV! anunciou a contratação de Rodrigo Constantino, que foi demitido da Record TV! e da Jovem após se envolver em polêmica no caso Mari Ferrer.

Quiqui, em São Conrado, realiza 2o. Jantar Gastronômico com Ronaldo Canha e convidados

O Quiosque QuiQui, em São Conrado, deu início neste mês de novembro ao projeto Jantares Gastronômicos com Ronaldo Canha e chefs...

Tok&Stok realiza sua Best Friday: Confira as oportunidades

Campanha que traz descontos de até 80%, acontece entre os dias 19 a 30 de novembro nos canais físicos e digitais da marca

Google Trends pode ajudar especialistas a prever novos pontos de foco da COVID-19

Análise de pesquisas na Internet pode ajudar especialistas a prever e responder a pontos de foco da COVID-19

Redes sociais e games em excesso causam tanta dependência quanto as drogas, diz psiquiatra

A informação torna-se preocupante quando se verifica o quanto a internet está presente no cotidiano. Brasil é o segundo país onde se permanece mais tempo conectado durante o dia
- Publicidade -