20.5 C
Rio de Janeiro
19 outubro, 2021
Array

No Afeganistão, pessoas empobrecidas vivem cercadas de riqueza

- Publicidade -

Diário Carioca Google News

Em 25 de setembro de 2021, o ministro da Economia do Afeganistão, Qari Din Mohammad Hanif, afirmou que seu governo não quer "ajuda e cooperação do mundo como o governo anterior. O antigo sistema foi apoiado pela comunidade internacional por 20 anos, mas mesmo assim falhou." É justo dizer que Hanif não tem experiência em gerenciar uma economia complexa, tendo passado a maior parte de sua carreira fazendo trabalho político e diplomático para o Talibã (tanto no Afeganistão quanto no Catar). No entanto, durante o primeiro governo talibã (1996-2001), Hanif foi Ministro do Planejamento. Nessa posição, tornou-se responsável pelos assuntos econômicos.

Hanif tem razão em apontar que os governos dos presidentes Hamid Karzai (2001-2014) e Ashraf Ghani (2014-2021), apesar de receberem bilhões de dólares em ajuda econômica, não conseguiram atender às necessidades básicas da população afegã. No final de seu mandato – e após 20 anos de ocupação nos EUA – uma em cada três pessoas passa fome, 72% da população permanece abaixo da linha de pobreza e 65% não têm acesso à eletricidade. Nada que as capitais ocidentais digam pode esconder as evidências de que o apoio da "comunidade internacional" não se traduziu, praticamente, em qualquer desenvolvimento econômico e social para o país.

Pobre Norte

Hanif, o único membro do novo gabinete do Afeganistão que pertence à minoria étnica tajique do país, vem da província afegã de Badakhshan. As províncias do nordeste do Afeganistão são áreas dominadas pelo Tajique, e Badakhshan foi a base da qual a Aliança do Norte rapidamente se moveu sob a cobertura aérea dos EUA para lançar um ataque ao Talibã em 2001. No início de agosto de 2021, o Talibã destruiu esses distritos. "Por que defenderíamos um governo em Cabul que não fez nada por nós?", pergunta um ex-funcionário do governo Karzai que vive em Fayzabad, capital de Badakhshan.

- Advertisement -

Entre 2009 e 2011, 80% dos fundos da USAID que chegaram ao Afeganistão foram para áreas no sul e leste, que tinham sido a base natural do Talibã. Mesmo esse dinheiro, de acordo com um relatório do Senado dos EUA, foi para "programas de estabilização de curto prazo, em vez de projetos de desenvolvimento de longo prazo". Em 2014, Haji Abdul Wadood, então governador do distrito de Argo de Badakhshan, disse à Reuters: "Ninguém deu dinheiro para investir em projetos de desenvolvimento. Não temos recursos para investir em nosso distrito, nossa província é remota e atrai menos atenção."

A província natal de Hanif, Badakhshan, e suas áreas vizinhas sofrem de grande pobreza, com taxas acima de 60%. Quando ele fala sobre o fracasso, Hanif tem sua província natal em mente.

Por milhares de anos, a província de Badakhshan tem sido o lar de minas de pedras preciosas, como lapis lazuli. Em 2010, um relatório militar dos EUA estimou que havia pelo menos um trilhão de dólares em metais preciosos no Afeganistão; no mesmo ano, o então ministro das Minas afegãos Wahidullah Shahrani disse à rádio BBC que o número real poderia ser três vezes maior. O norte empobrecido pode não ser tão pobre, afinal.

Ladrões no Norte

Com a produção de ópio sendo uma parcela considerável do PIB do Afeganistão, a economia é frequentemente um foco de cobertura da mídia global, em parte financiando as terríveis guerras que devastaram o país nos últimos anos. As pedras preciosas de Badakhshan, entretanto, financiaram a facção Jamiat-e Islami de Ahmad Shah Massoud na década de 1980. Depois de 1992, quando Massoud se tornou ministro da Defesa de Cabul, ele fez uma aliança com uma empresa polonesa – Intercommerce – para vender essas pedras por cerca de US$ 200 milhões por ano. Quando o Talibã expulsou Massoud do poder, ele retornou ao Vale panjshir e usou as pedras de Badakhshan, Takhar e Panjshir para financiar sua resistência anti-Talibã.

Quando a Aliança do Norte – que incluía a facção de Massoud – chegou ao poder sob bombardeios dos EUA em 2001, essas minas se tornaram propriedade dos comandantes da Aliança do Norte. Homens como Haji Abdul Malek, Zekria Sawda e Zulmai Mujadidi – todos membros da Aliança do Norte – tornaram-se os donos das minas. O irmão de Mujadidi, Asadullah Mujadidi, era o comandante da milícia da Força de Proteção de Mineração, que protegia as minas para essas novas elites.

Em 2012, o então ministro da mineração do Afeganistão, Wahidullah Shahrani, revelou a extensão da corrupção nos acordos, o que ele havia esclarecido à embaixada dos EUA em 2009. No entanto, a tentativa de transparência de Shahrani foi entendida dentro do Afeganistão como um mecanismo para deslegitimar os interesses afegãos nas empresas de mineração e pressionar por uma nova lei que permitiria às mineradoras internacionais maior liberdade de acesso aos recursos do país. Várias entidades internacionais – incluindo o Centar (Reino Unido) e o bilionário polonês Jan Kulczyk – tentaram obter acesso às minas de ouro, cobre e pedras preciosas da província. Centar formou uma aliança com a Companhia de Ouro e Minerais do Afeganistão, liderada pelo ex-ministro do Desenvolvimento Urbano Sadat Naderi. Os equipamentos de mineração deste consórcio foram confiscados pelo Talibã. No início deste ano, Shahrani foi condenado a 13 meses de prisão pela Suprema Corte afegã por abuso de autoridade.

O que o Talibã fará?

Hanif tem uma agenda impossível. O FMI suspendeu o financiamento para o Afeganistão, e o governo dos EUA continuabloqueando o acesso aos quase US$ 10 bilhões de reservas estrangeiras afegãsque detém nos Estados Unidos. Agora, alguma ajuda humanitária entrou no país, mas não será suficiente. A dura política social do Talibã – especialmente contra as mulheres – impedirá que muitos grupos de ajuda retornem ao país.

Funcionários do Banco Da Afeganistão (DAB), o banco central do país, me disseram que as opções que o governo tem são mínimas. Não foi estabelecido controle institucional sobre a riqueza mineira. "Os acordos que foram feitos beneficiaram alguns indivíduos e não o país como um todo", disse um funcionário. Um dos principais acordos para o desenvolvimento da mina de cobre Mes Aynak, feita com a China Metalurgical Corporation e Jiangxi Copper, está inativo desde 2008.

Na reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) em meados de setembro, o presidente tajique Emomali Rahmon falou da necessidade de impedir que grupos terroristas cruzem as fronteiras afegãs para perturbar a Ásia Central e o oeste da China. Rahmon posicionou-se como um defensor dos povos tajiques, embora a pobreza das comunidades tajiques em ambos os lados da fronteira deve ser tão focada quanto defender os direitos dos tajiques como uma minoria no Afeganistão.

A SCO não indicou publicamente que evitará não apenas o terrorismo transfronteiriço, mas também o contrabando transfronteiriço. As maiores quantidades de heroína e ópio no norte do Afeganistão vão para o Tajiquistão; somas incalculáveis de dinheiro são obtidas do movimento ilegal de minerais, pedras preciosas e metais para fora do Afeganistão. Hanif não levantou esse ponto diretamente, mas as autoridades do DAB afirmam que, a menos que o Afeganistão controle melhor seus próprios recursos (algo que não fez nas últimas duas décadas), o país não será capaz de melhorar as condições de vida de sua população.

Este artigo foi produzido para a Globetrotter.

Vijay Prashad é um historiador, editor e jornalista indiano. Ele é membro da equipe editorial e correspondente chefe da Globetrotter. É editor-chefe da LeftWord Books e diretor do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social. Ele também é um membro sênior não residente no Instituto chongyang de estudos financeiros na Universidade Renmin da China. Ele escreveu mais de 20 livros, incluindo As Nações Mais Sombrias e As Nações Mais Pobres. Seu último livro é Washington Bullets,com uma introdução de Evo Morales Ayma

Assine nossa newsletter

Assine nosso Boletim e ique bem informado com as principais notícias do Mundo

- Publicidade -
Redação do Diário Cariocahttps://diariocarioca.com
Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo

Museu da Justiça reabre com exposição sobre epidemias no Rio de Janeiro

 Após quase dois anos fechado por causa da pandemia de Covid-19, o Museu da Justiça reabriu ao público nesta segunda-feira (18/10), com a inauguração da exposição “Pandemias e Epidemias no Rio de Janeiro”.  

TNT apresenta show exclusivo “Zeca Pagodinho com Batuqueiros e Sua Gente”

Grandes encontros da música brasileira só acontecem na TNT, canal das premiações mundiais de música, de grandes shows e eventos! Nomes como Alcione, Teresa Cristina e Gal Costa marcaram presença pelas mais diversas plataformas da marca, e agora é a vez de "Zeca Pagodinho com Batuqueiros e Sua Gente", com transmissão exclusiva no domingo, dia 07 de novembro às 21h30.

Após casamento, Cleo assume vontade de ser mãe: “Gosto da ideia”

O 'TV Fama' desta segunda-feira (18) exibe uma entrevista com a atriz e cantora Cleo. Aos 38 anos e recém-casada com o modelo e empresário Leandro D'Lucca

Lauren Jauregui lança “Scattered” (feat. Vic Mensa)

Lauren Jauregui retornou com “Scattered” com Vic Mensa; mais um corte de seu próximo projeto solo de estreia, PRELUDE, com lançamento previsto para 5 de novembro por seu próprio selo, Attunement Records, sob licença exclusiva da AWAL Recordings

Aricia Silva afirma que está faturando ao protagonizar conteúdo adulto: “Ganhando dinheiro e fazendo sucesso”

Maurício Meirelles recebe a influenciadora digital Arícia Silva no programa 'Foi Mau' desta segunda-feira (18), às 22h30, na RedeTV!. A catarinense de 28 anos, que há dez iniciou a carreira como modelo, decidiu investir recentemente em conteúdo adulto na internet. "Estou agora entregando o que o público sempre quis”, afirma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Museu da Justiça reabre com exposição sobre epidemias no Rio de Janeiro

 Após quase dois anos fechado por causa da pandemia de Covid-19, o Museu da Justiça reabriu ao público nesta segunda-feira (18/10), com a inauguração da exposição “Pandemias e Epidemias no Rio de Janeiro”.  
- Publicidade -
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal