Diário Carioca Google News

O Ettore, tradicional restaurante de massas no Rio, completa 40 anos em julho. O restaurante é comandado pelo casal Mary Viriato e Ettore Siniscalchi, que, por sua vez, completa 70 anos em 2021. Aberto em 1981, como uma pequena loja de massas artesanais, na Barra da Tijuca, o restaurante já teve várias fases. Na década de 90 chegou a ter duas unidades funcionando ao mesmo tempo no Leblon. Hoje o Ettore funciona em dois endereços, o original na Barra, onde fica também a loja, e outro no condomínio Cidade Jardim, em Jacarepaguá.

Uma refeição no Ettore é uma viagem no tempo, onde se experimentam sabores e atributos cada vez mais difíceis de encontrar. A casa traz no DNA o talento de uma família do sul da Itália, com histórico de mais de um século no ramo da gastronomia. No Brasil, os Siniscalchi criaram ícones da boa mesa em São Paulo e no Rio, como a Confeitaria Guarany e a Cantina Castelões, no Brás; a Cantina Sorrento, antigo ponto de encontro de artistas e intelectuais, no Leme, e o saudoso Tarantella, na Barra. Mantendo a tradição, no Ettore, a qualidade da comida, a generosidade das porções, a variedade do cardápio e o atendimento são pontos de honra. O restaurante distingue-se também pela constante presença do dono e chef na casa e pelo serviço dos garçons.

Durante a pandemia, o Ettore tem focado esforços e energia nos serviços de encomenda, delivery e take-away. Para além das opções do cardápio, eles entregam em casa todas as massas e molhos artesanais a peso e também os doces e tortas confeccionados na confeitaria do próprio restaurante. Em 2021, o Ettore está de volta à Zona Sul, com o delivery funcionando na Gávea e no Leblon aos finais de semana.

HISTÓRIA

O chef Ettore Siniscalchi é filho de Emilio (1925-2013), responsável pelo enorme êxito da Cantina Sorrento e do Tarantella, no século passado, no Rio de Janeiro. Foi na cozinha desses restaurantes que o jovem cresceu, mergulhado desde cedo na tradição culinária da família. Ao completar 30 anos, Ettore desligou-se dos negócios do pai e abriu um pastifício com o seu nome, no Condado de Cascais, na Barra da Tijuca, em julho de 1981. A ideia era vender massas artesanais prontas para viagem, além de embutidos e antepastos.

O bairro era praticamente um descampado, cercado por dunas. Nem o Barra Shopping existia ainda. A Avenida Armando Lombardi, hoje a principal via do Jardim Oceânico, não era asfaltada e dava para contar o número de carros que passavam na rua em frente ao estabelecimento. Com tanto marasmo, Ettore precisou até vender o carro para pagar as dívidas. Até que um dia o pastifício saiu na coluna do Apicius, primeiro crítico de gastronomia da cidade, que de cara salpicou quatro estrelas para a casa. De uma hora para outra tudo mudou. “As pessoas passaram a chegar às dúzias e não cabiam no mesão de cedro de 16 lugares que havia no fundo do salão”, lembra Ettore. Em três anos, o Ettore expandia-se, incorporando a loja ao lado e ganhando mais 12 mesas. O cardápio também aumentou, trazendo inovações, como o risoto italiano, então uma raridade no Rio.

O próximo passo foi abrir uma loja no Leblon, na Rua Rita Ludolf, em 1986. O sucesso foi tanto que, em 1994, o Ettore foi eleito por júri popular como o melhor italiano da cidade. O resultado positivo impulsionou outro salto, esse bem maior, um restaurante numa casa de esquina, na rua General San Martin, também no Leblon, em 1998. O êxito da iniciativa superou até as expectativas mais otimistas. A clientela sofisticada gostava da badalação. Era um revezamento de famosos, como Ronaldo, o Fenômeno, que batia ponto. Logo foram batizados pela revista Veja Rio como os “reis da fila”.

Em 2004, após um período de turbulências financeiras, o Ettore retornou às origens. Encerrou as atividades no Leblon e ficou só com o restaurante da Barra. Não sem antes abrir e fechar outra loja no Leblon, numa galeria da Rua Conde de Bernadotte, saindo definitivamente do bairro em 2014. Entretanto, se o restaurante dava fim à sua jornada na Zona Sul, no mesmo ano expandia suas frentes em direção à Zona Oeste da cidade. Tal como uma virada de página, o restaurante inaugurou um novo capítulo em uma segunda unidade, no condomínio Cidade Jardim, em Jacarepaguá.

O Ettore possui hoje 50 funcionários, incluindo o masseiro Aderaldo, que está com a família desde o Tarantella e se lembra até hoje da inauguração do pastifício. Garçons como o Manoel e o Hilário, que também estão na casa desde o início e já conhecem muitos clientes pelo nome, presenciaram incontáveis histórias trabalhando ali: festas, celebrações, pedidos de casamento, despedidas de solteiros, desavenças, reconciliações… São memórias de uma vida! Hoje diversas gerações de clientes frequentam o Ettore e contam com os seus serviços de delivery. Aos domingos, é comum encontrar famílias com avós, pais, filhos e netos sentados nas mesas da grande varanda ou no salão do restaurante.

SERVIÇO

Delivery pelo IFood ou pelos telefones:

– Jardim Oceânico: 2493 5611 • 2493 8939

– Cidade Jardim: 2431 4756 • 2431 2395 • 9 9813 7190

Entregas diariamente na Barra, Recreio, São Conrado e adjacências. Aos fins de semana, também no Leblon e Gávea (das 11h às 23h).

www.ettore.com.br
clientes@ettore.com.br

Ettore Barra

End: Av. Armando Lombardi, 800 – Lojas C/D/E – Barra da Tijuca – RJ

Restaurante: domingo a quinta-feira, das 10h às 22h; sexta e sábado, das 10h às 23h

Tel: (21) 2495-3316 

Lotação: 121 lugares

Comodidades: Wi-fi – Acesso para cadeirantes – Ar -condicionado – Cardápio executivo – Cartões (Visa, Master e Amex)

Lojinha: diariamente, das 10h às 23h

Tel: (21) 2493-5611 / 2493-8939

Ettore Cidade Jardim

Funcionamento normal do restaurante: terça a sexta-feira, das 15h às 23h; sábado, das 12h às 23h; domingo, das 12h às 20h

Tel: (21) 2431-4756 / 2431-2395 / 99813-7190

Comodidades: Acesso para cadeirantes – Ar-condicionado – Cartões (Visa, Master e Amex)

Lotação: 46 lugares

End: Av. Vice Presidente José Alencar, 1350 – Loja F – Cidade Jardim – Barra da Tijuca – RJ

Newsletter

Mais Noticias

Lo que no dicen de Cuba

No empezó con Biden, hay que decir. Desde el 2017 vienen martillando la falacia de un estallido social en Cuba con su solución mágica, la “intervención humanitaria”

Redação do Diário Carioca

Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *