Diário Carioca Google News

A gigante chinesa de telecomunicações Huawei alertou na terça-feira os EUA de que renovar as restrições comerciais à empresa pode provocar uma reação de Pequim que pode potencialmente danificar a indústria global. A Huawei Technologies Ltd., a primeira marca global de tecnologia da China, está no centro das tensões com Washington. As ambições tecnológicas da China e a possível espionagem que desencadeou a guerra tarifária do presidente Trump com Pequim em 2018.       Uma mulher usando uma máscara contra o COVID-19 fica perto de um anúncio para celulares Huawei em Pequim.       (AP) A empresa negou as acusações dos EUA de que é controlada pelo Partido Comunista no poder ou facilita a espionagem chinesa. Enquanto isso, as autoridades chinesas acusaram o governo Trump de abusar das reivindicações de segurança nacional para restringir um rival das empresas de tecnologia dos EUA. Em uma recente entrevista coletiva na cidade chinesa de Shenzhen, o presidente da empresa, Eric Xu, disse que Pequim não ficará apenas esperando e assistir à Huawei ser “abatida”. “Se o governo chinês seguisse com contramedidas, o impacto na indústria global seria ser surpreendente “, disse Xu. “Não será apenas uma empresa, a Huawei, que poderá ser destruída”. Xu não pôde confirmar relatos de que Trump pode estender os controles para bloquear o acesso a produtos fabricados no exterior que contenham tecnologia dos EUA, mas alertou que essas medidas “serão destrutivas para o ecossistema de tecnologia global”. A Huawei teve que gastar muito para substituir os componentes americanos em seus produtos e encontrar novos fornecedores depois que Trump, em 16 de maio, aprovou as sanções que, se aplicadas integralmente, poderiam interromper o acesso à maioria dos componentes e tecnologia dos EUA. Washington concedeu extensões para alguns produtos, mas a Huawei diz que espera que as barreiras sejam impostas. Apesar das restrições, a empresa disse que as vendas de celulares em 2019 aumentaram 15%, para 240 milhões de unidades. Mas a demanda por smartphones Huawei em mercados fora da China enfraqueceu “muito rápido” após o pedido de 16 de maio, disse Xu. CLIQUE AQUI PARA OBTER O APP FOX NEWS Ele disse que sua unidade consumidora perdeu pelo menos cerca de US $ 10 bilhões em vendas em potencial, mas o negócio começou a se recuperar no último trimestre de 2019. Ainda assim, Xu previa projeções sombrias para 2020 enquanto a Huawei luta com as sanções e a pandemia de coronavírus. A Associated Press contribuiu para este relatório.
Consulte Mais informação

Newsletter

Redação do Diário Carioca

Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo