Diário Carioca Google News

América Latina -COPEHU

Para dar lugar a esta iniciativa, diversos educadores de várias partes da América Latina se reuniram virtualmente para refletir sobre suas experiências atuais em meio ao cenário pandêmico, e gerar propostas futuras para repensar o modelo educacional de hoje. Sob o lema “Vamos refletir juntos? O futuro da educação. O ser humano como eixo central ”, a Corrente Pedagógica Humanista concordou que enfrentam problemas e desafios semelhantes em diferentes países. A organização é formada por aproximadamente 80 professores, professores, professores, alunos de diferentes níveis e áreas de ensino, além de pais do Brasil, Argentina, Chile, Peru, Bolívia e Espanha.

As opiniões foram diversas, como a da Mabel, professora da província de Santa Fé que disse: “Esta situação aproximou-nos de casa, permitindo-nos comunicar de uma forma diferente. Mas continuamos a enfrentar imposições do Ministério da Educação provincial, que nos pede para sistematizar os conteúdos. É difícil aplicar o que é exigido pelos ministérios e focar nas situações que acontecem às famílias. Por isso acreditamos que é mais importante focar no lado humano, mas estamos sob pressão para trabalhar o conteúdo programado.

Enquanto a professora Viviana, natural de Vera que também atua em Calchaquí no norte da província de Santa Fé, disse: “Nesta situação houve muitas dificuldades, principalmente por estar fora da sala de aula. Os professores estão muito acostumados a ficar dentro de casa. Foi difícil! No entanto, nós da diretoria tivemos várias conversas com nossos professores para enfocar no trabalho com os representantes dos alunos. É muito difícil entregar o currículo porque em nossa região a conectividade com a Internet não funciona muito bem. A comunidade onde a escola está localizada também não tem acesso, não existe acesso a ferramentas tecnológicas para todos. As formas de envio do conteúdo para as residências eram complicadas. Quanto à questão pedagógica, era complexa ”.

Identificaram-se, portanto, pontos em comum nos desafios e dificuldades atuais no contexto do contexto pandêmico e nas possibilidades de caminhar para uma ‘educação humanizadora’, ao potenciar a vocação (docente), as melhores virtudes e a diversidade, orientada para um novo paradigma onde o ser humano é o valor central.

Durante o encontro foram debatidos vários temas, como a situação desumana da política brasileira, as contradições entre discurso e pressões institucionais na Argentina, particularmente na província de Santa Fé; as prioridades das questões a serem tratadas na crise gerada pela pandemia, o surgimento do medo da morte nas crianças, uma nova aproximação entre famílias e professores, a necessidade de ferramentas internas para os professores, a urgência de mudar os critérios de avaliação e o trabalho de acompanhamento, a importância de ter ou reforçar o contato com a vocação na formação de professores, a capacidade dos educadores de se opor às pressões institucionais, entre outros.

Romina, que é diretora de uma creche na cidade de Quilmes, na província de Buenos Aires, afirmou que “nosso lugar agora é estar perto, conter, humanizar o trabalho docente. Estamos passando pela mesma crise que atravessa a sociedade. Esse espaço para dar humanidade aos professores é necessário porque às vezes eles são obrigados a ser super-heróis.

Por outro lado, Luana, uma educadora da cidade de São Paulo, Brasil, disse: “Nós não não conheço as ferramentas que todos têm à sua disposição. Muitos de nós fazemos coisas muito boas, temos que contar com nossas ferramentas para nos conectarmos com outras pessoas. Podemos pensar no que poderíamos fazer para chegar a cada país, fazendo intercâmbios e gerando novos apoios para as crianças.

Marcelo, que é membro da Associação de Professores do Chile, disse que “quando superarmos essa crise, teremos que superar também as outras pandemias, como a econômica, gerada pelo modelo neoliberal ”. Hoje podemos ajudar as pessoas a terem uma visão futurística e a pensar que nem tudo está perdido. Que esta crise possa servir para sanar esta (educação) e outras áreas, que temos que auxiliar no que transmitimos aos alunos, aos nossos parceiros, que a sua dor, e todo sacrifício, faça sentido neste momento.

Já Geber, que é uma educadora de Lima, no Peru, disse: “estamos procurando, como professores, formas de gerar links. Esses vínculos estão sendo alcançados de diferentes formas, o estado os implementou por meio da televisão, do rádio e das redes sociais. Um dos problemas é que muitos de nós não conseguem lidar com todas as novas tecnologias. Um dos desafios dos professores é treinar-se em outras mídias.

Já Marín, de Madri, que trabalha como professora na área de educação infantil, concorda que nela existe uma situação semelhante país: “Na Espanha, o Ministro da Educação acaba de estabelecer que não se deve ensinar tanto conteúdo, mas que o dever de casa deve ser um reforço, e isso foi um grande alívio. É como poder prestar a devida atenção ao que faltou, que é o link. Para além da pressão do número de horas que temos para nos dedicar, continuamos a priorizar, de forma consumista, a aquisição de conteúdos e não como avançar como seres humanos. À custa de quê? Ser os melhores do mundo?

Por meio dessa grande troca, destacou-se a possibilidade de reformulação da vocação (docente), do modelo educacional e do futuro em relação à situação atual. Diferentes propostas de ação foram discutidas a fim de avançar na construção dessa educação humanizadora hoje tão necessária. A Corriente Pedagógica Humanista (COPEHU) informará através de suas redes sociais de novos encontros para aprofundar estas importantes reflexões que foram oferecidas e estão prontas para novas contribuições.

Newsletter

Mais Noticias

Lo que no dicen de Cuba

No empezó con Biden, hay que decir. Desde el 2017 vienen martillando la falacia de un estallido social en Cuba con su solución mágica, la “intervención humanitaria”