Diário Carioca Google News

justica-do-rj-quebra-os-sigilos-fiscal-e-bancario-do-vereador-carlos-bolsonaro

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a quebra dos sigilos fiscal e bancária do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) e de mais 26 pessoas e sete empresas. A decisão, divulgada na noite da última terça-feira (31), foi a pedido do Ministério Público do Estado (MP-RJ), que investiga a contratação de funcionários “fantasmas” no gabinete do vereador.

Leia mais: Carlos Bolsonaro perde foro privilegiado em inquérito sobre funcionários fantasmas

Segundo o Ministério Público, o gabinete de Carlos Bolsonaro pagou R$ 7 milhões em valores não atualizados desde 2001, quando ele exerceu o primeiro de seus seis mandatos na Câmara Municipal do Rio. É a primeira vez, em dois anos de investigação, que o MP-RJ levanta a possibilidade de um esquema de “rachadinha” no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Com a quebra dos sigilos, os promotores pretendem levantar dados para saber se a contratação de funcionários fantasmas, que não apareciam no trabalho, foi um instrumento utilizado pelo vereador para desviar os salários recebidos.

 A investigação foi aberta em setembro de 2019, após a revista Época denunciar que Carlos Bolsonaro empregava sete parentes de Ana Cristina Valle, sua madrasta e ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Alguns dos funcionários moravam em outro estado e admitiram nunca terem pisado na Câmara dos Vereadores do Rio, onde estavam lotados, apesar de constarem em folha de pagamento.

O MP identificou que Carlos manteve e utilizou grandes quantidades de dinheiro vivo ao longo dos mandatos. Entre os fatos, o pagamento de R$ 150 mil em dinheiro na compra de um apartamento na Tijuca, na zona norte do Rio e R$ 15 mil para cobrir um prejuízo que ele teve na Bolsa de Valores.

No pedido da quebra dos sigilos de Carlos, o MP lembrou que o “modus operandi” é similar ao utilizado no gabinete do seu irmão, o hoje senador Flávio Bolsonaro (Patriota). Na época, Flávio era deputado na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). 

Leia também: Ministro do STJ suspende nova denúncia contra Flávio Bolsonaro pelo esquema das “rachadinhas”

Nas redes sociais, o vereador disse que “requentam fatos velhos que não chegaram a lugar nenhum e trocam a embalagem para empurrar adiante a narrativa”. Carlos Bolsonaro afirmou que seus acusadores manipulam e mentem.

Edição: Eduardo Miranda


Brasil de Fato

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião