29.9 C
Rio de Janeiro
- Publicidade -

Gilmar Mendes revoga decisão de prisão domiciliar a Crivella

- Publicidade -
Diário Carioca Google News

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes revogou hoje (12) a decisão que concedeu, em dezembro do ano passado, prisão domiciliar ao ex-prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella. 

Com a decisão, Crivella não precisará mais permanecer em casa, mas deverá cumprir medidas cautelares como comparecimento periódico à Justiça, proibição de sair do país, de manter contato com outros investigados, além de entregar o passaporte em até 48 horas.

No ano passado, o ex-prefeito foi preso em ação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e da Polícia Civil, como desdobramento da Operação Hades, que apura corrupção na prefeitura da cidade e tem como base a delação do doleiro Sergio Mizrahy.

Defesa

O advogado Alberto Sampaio, que representa Crivella, disse que a decisão “se revela acertada, na medida em que as gravosas restrições cautelares eram desnecessárias”.

Matéria alterada às 11h07 do dia 13/02/2021 para acréscimo da manifestação da defesa de Crivella.

Horóscopo de segunda-feira 01 de março de 2021

Confira a previsão do horóscopo do dia 01 de março de 2021 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.

Outback Steakhouse inaugura primeira unidade na Ilha do Governador

Restaurante que ficará localizado no Ilha Plaza Shopping, deve abrir as portas no primeiro semestre de 2021

Simone Cadinelli apresenta a exposição Jeane Terra – Escombros, peles, resíduos

A exposição ocupará toda a galeria, onde além das pinturas secas, com “pixels analógicos”, e monotipias, a artista fará escavações na parede e uma instalação na vitrine

A Amazônia está fadada a ser eterna colônia do Brasil e os amazônidas a comer folha de árvore?

Os dois principais intelectuais da Amazônia, o jornalista e ensaísta paraense Lúcio Flávio Pinto e o ficcionista e ensaísta amazonense Márcio Souza, volta e meia reclamam do tratamento que a capital do país dispensa à Amazônia