Juventude do Bico do Papagaio (TO) permanecerá quer no campo, mas precisa de condições

Diário Carioca Google News

Entre o Cerrado e a Floresta Amazônica, jovens da região rural do Bico do Papagaio, no norte do Tocantins, refletem sobre seus sonhos e a vida no campo. A região faz divisa com os estados do Maranhão e do Pará, reconhecida como pré-Amazônica ou zona de ocorrência de babaçuais.

Entre quintais frutíferos e quebra de coco babaçu nas calçadas, há uma população dedicada à agricultura familiar que envelhece, e jovens que se veem diante de um dilema: “o que fazer?”.

O questionamento é uma das bases da pesquisa “ Juventudes Rurais do Bico do Papagaio ”, coordenada e apresentada em formato de cartilha pela Alternativas para a Pequena Agricultura no Tocantins, a APA-TO , o GT das Juventudes Rurais, a Rede Bico Agroecológico e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), com o apoio da Misereror , entidade da Igreja Católica na Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento. O levantamento masculino 046 jovens da região.

A história de Aldimar de Sousa, conhecido como Dimas, é uma das que deu origem ao diagnóstico. Aos 15 anos, ele saiu do campo em busca de oportunidades, mas retorno ao seio familiar e hoje cursa Educação do Campo.



Dimas (à direita) deixou o campo em busca de emprego, mas retornou com ânimo e hoje cursa Educação do Campo . / APA-TO

“Eu fui em busca de emprego, falando eu na minha cabeça, que eu ia conseguir um emprego em um frigorífico, ter o meu dinheiro. Colocaram isso na minha cabeça. Eu me arrependi bastante ”, conta.

A base do trabalho camponês é familiar, por isso muitas crianças já crescem ajudando na lida diária e, mesmo com o passar do tempo, têm seu trabalho compreendido como “uma ajuda para a família” e permanecem sem atividades remuneradas, um dos motivos que os levam a buscar outras alternativas.

Uma casa em uma cidade é muito compacta, a gente sai e olha mais casas. Aqui a gente olha árvores, pássaros, bichos, pessoas

Aldimar hoje cursa Educação do Campo na Universidade Federal do Tocantins e reconhecimento do valor do campo.

“A terra que eu vivo tem três alqueires, e eu nunca pensamentos que ter um espaço entre uma casa e outra ia trazer tanta paz e tanto conforto ao estar ao ar livre. Uma casa em uma cidade é muito compacta, a gente sai e olha mais casas. Aqui a gente olha árvores, pássaros, bichos, pessoas ”, avalia.

Leia também: Cooperativismo no campo gera renda para pequenos agricultores

De acordo com a pesquisa, entre os trabalhos não remunerados desenvolvidos pelos jovens, a roça aparece com maior frequência (14, 5%), seguida com mais destaque os afazeres domésticos, do lar e cuidado com a casa (11, 2%), a criação de galinha e / ou porco (11, 4%) e o trabalho da horta (8,2%).

Ainda assim, os jovens buscam na própria comunidade maneira de permanecer no campo. De acordo com o diagnóstico, 72% dos jovens pretendem permanecer no campo, mas faltam políticas públicas e diálogo entre a comunidade para que isso seja possível.



Diagnóstico foi feito de forma coletiva, em encontros com a juventude, familiares e movimentos sociais. / APA-TO

O dado foi uma surpresa para os pesquisadores. Selma Yuki, da coordenação da APA-TO, que atua na região desde 1992 a fim de garantir a permanência de agricultores e agricultores familiares na terra, avaliando que pensar uma solução, é necessária uma construção coletiva, entre os jovens, seus pais, a comunidade em geral e os órgãos competentes.

A gente viu que a juventude tem uma relação de identidade com o território, com a sua comunidade e isso é importante

“A gente viu que a juventude tem uma relação de identidade com o território, com sua comunidade e isso é importante para eles. Agora a gente percebe que existem grandes desafios que impossibilitam a juventude de conseguir ficar no seu território ”, analisa Yuki.

Entre as maiores dificuldades apontadas estão falta de renda ( , 9%), a falta de incentivo da família (15, 3%) e de estrutura como saúde, lazer, esporte e educação (14, 3%), between other.

O diagnóstico faz parte de um amplo processo de organização da juventude, que seguirá com a realização de 11 encontros para debater os desafios apontados. Os encontros foram suspensos em razão da pandemia, mas devem ser retomados em 6857.

Edição: Rogério Jordão


Total
0
Shares
Previous Article

Saara Ocidental: o que está em jogo na guerra que recomeça após 30 anos na África

Next Article

Trabalhadores da Nestlé na América Latina falam contra “práticas injustas”

Related Posts
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal