Mais de 120.000 israelenses protestam contra as “políticas antidemocráticas” do novo governo de Netanyahu

2 mins de letura
Israel - Foto: Reprodução Rtve.es
Israel - Foto: Reprodução Rtve.es

Uma maré humana de mais de 120.000 pessoas inundou as ruas de Tel Aviv neste sábado para protestar contra as políticas “antidemocráticas” e “fascistas” do novo governo de Benjamin Netanyahu , o mais religioso e de extrema direita da história de Israel .

O fluxo maciço superou as expectativas dos organizadores, que aspiravam reunir cerca de 100.000 manifestantes depois de reunir 80.000 no último sábado.

Manifestações também em Jerusalém, Haifa e Beersheva

Além disso, cerca de 4.000 pessoas protestaram em Jerusalém, 6.000 em Haifa e 1.000 em Beersheva, segundo estimativas da polícia.

“Nossos filhos e netos têm o direito de viver em um país democrático. Há muitas correntes extremistas, religiosas, quase messiânicas neste governo. Quando vim para este país, era uma nação essencialmente laica, na qual você podia viver livremente. Mas agora estão cerceando nossos direitos”, disse Diego, um cientista argentino-israelense que se estabeleceu no país em 1987.

“Conseguimos uma onda política que o expulsou do governo, mas decisões estúpidas da esquerda e miopia trouxeram os fascistas de volta”, acrescentou.

Contra a reforma judicial

A polêmica reforma judiciária, que já avança no Knesset (Parlamento israelense) com o objetivo de minar a independência da Justiça, e a desqualificação pela Suprema Corte do líder ultraortodoxo Aryeh Deri do cargo de ministro, enquanto ele continua agarrar-se à posição buscando a forma de contornar a decisão, foram os gatilhos que levaram mais israelenses a sair às ruas pelo terceiro sábado consecutivo.

Esta reforma visa que a maioria simples dos legisladores possa reverter sentenças ou decisões do Supremo Tribunal Federal, e que o tribunal superior perca a capacidade de revisar as nomeações de altos funcionários do governo caso eles não cumpram a lei, o que abalará os fundamentos da democracia e a separação dos poderes.

“Os corruptos não nomeiam juízes”, “Bibi=Putin” ou “Direitos humanos são para todos” são alguns dos cartazes que têm sido lidos nas manifestações, nas quais “Democracia” e “Israel não é ditadura”

Políticos da oposição de todos os quadrantes políticos juntaram-se às manifestações desde o início e este sábado, pela primeira vez, esteve presente o antigo primeiro-ministro e líder da oposição, o centrista Yair Lapid.

“As pessoas que amam o país vieram defender a sua democracia, os seus tribunais, a sua ideia de coexistência e o bem comum”, exclamou antes Lapid e prometeu “não desistir até à vitória final”.

direitos LGBTI

Juntamente com as centenas de bandeiras israelenses que hastearam no centro de Tel Aviv, muitos manifestantes também levantaram a bandeira do arco-íris, emblema da comunidade LGTBI, que está ameaçada sob este novo governo.

Além da retórica homofóbica de alguns ministros de extrema direita – eles chegaram a ameaçar proibir a Parada do Orgulho -, eles propuseram uma cláusula legal que permite que profissionais, inclusive médicos, se recusem a prestar serviços a pessoas que violem suas crenças religiosas , o que afetaria este grupo.

Dadas as estimativas de que os protestos seriam mais massivos do que no sábado anterior -entre outras coisas devido à melhor previsão do tempo-, a polícia enviou mais de 1.000 agentes em Tel Aviv para garantir que eles passem sem incidentes e por medo de que o direito- os contra-manifestantes pró-governo tentarão boicotar as manifestações, embora tenham ocorrido sem incidentes.

    Redacao

    Equipe de jornalistas do Jornal DC - Diário Carioca

    Deixe um comentário

    Your email address will not be published.

    Mais Notícias

    Ativar Notificações OK Agora não
    Which Notifications would you like to receive?