Diário Carioca Google News

nao-tem-coisa-pior-do-que-dormir-com-fome,-relata-moradora-da-periferia-de-belem-(pa)

A vida do povo brasileiro, sem dúvida, mudou para pior. Com a crise sanitária do novo coronavírus, as pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social foram ainda mais afetadas. Na região Norte do país, 67% viveram a dor de saber se teriam ou não comida no prato. Em uma das maiores favelas de palafitas do Brasil, a Vila da Barca, localizada próximo a um dos bairros mais caros da cidades, diversas famílias vivem essa dor e também a privação de direitos pela falta de água, esgoto e energia elétrica.

Palafitas são habitações sustentadas por estacas às margens de um rio ou área alagadiça. A desempregada Mariele Souza do Socorro é uma das moradoras do espaço. Na casa de apenas três cômodos, ela mora com seis pessoas e diz que além dos problemas já citados, os tempos têm sido ainda mais difíceis com o aumento do preço dos alimentos, até a sopa ela não tem mais condições de fazer. 

:: Especial | Fome no Brasil: a luta de famílias brasileiras para garantir comida na mesa ::

“Se tem farinha, a gente faz um mingau, já chegou a ter comida no almoço, mas no jantar não, porque a sopa que comíamos antigamente também não dá para a fazer. Já pensou pagar R$ 11 no quilo do osso? É isso que estamos pagando. O feijão, a gente só joga no fogo com tempero, porque não tem condições de jogar um charque dentro ou uma carne para dar um gosto é só o feijão temperado”.

Além de integrar a estatística de pessoas que sofrem com a insegurança alimentar, ela integra também o desalentados, que são as pessoas que desistiram de procurar trabalho: 5,952 milhões em 2021, com um acréscimo de 26,8%, ou seja, 1,259 milhão pessoas entre de 2020 para 2021, segundo dados do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada em abril deste ano.

Entre as mulheres, o desemprego aumentou de 13,9% para 16,8% em 2021. Para Mariele Souza, que trabalhava como doméstica e costureira além da dificuldade de comprar alimentos, procurar emprego e não encontrar é muito difícil.

:: Brasil de Fato lança tabloide especial: “Fome, desemprego, corrupção e mais de 570 mil mortos” ::  

“É uma sensação de tristeza. É muito triste a gente abrir a geladeira e não ter nada e mais triste ainda quando a gente sai a procura de alguma atividade, de algum emprego, de algum bico e não encontra. A gente volta para casa ainda mais triste olhando para os netos, olhando para os filhos, olhando para a mãe, para família e para os amigos e saber que está todo mundo está na mesma situação”. 

O racionamento de alimentos

Para driblar o fato de não ter comida e emprego, Mariele diz que quando consegue algum dinheiro divide o pouco que tem em pequenas refeições, tudo para que seja possível dar ao menos uma colher de comida para cada membro da casa. 

“Uma, duas colheres para cada um para não deixar a barriga vazia, mas que dê para encher mesmo ou dizer: – Eu jantei, não. É só um pouquinho para cada, só para não dizer que não comeu”.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA – a inflação oficial do país) subiu de 7,11% para 7,27% em 2021, sendo a 21ª elevação consecutiva na projeção e o cenário para o futuro não melhora: para 2022, a estimativa de inflação é de 3,95%. Para 2023 e 2024, as previsões são de 3,25% e 3%, respectivamente.

:: Brasil com fome: pandemia e desmonte do Estado agravam drama dos trabalhadores ::

Saindo das porcentagens do mercado e sentindo na prática o que isso significa, Dona Maria Madalena traduz o aumento da inflação no Brasil.

“Antigamente você ia com R$100 na feira, trazia um monte de coisa. Agora é troco, tu já pensastes a gente dar R$30 no quilo de carne em uma casa onde tem muitas pessoas, só dá para provar”, conta ela. 

Gás ou comida?

A partir desta quarta-feira (1), o gás de cozinha já está custando 7% mais caro para os consumidores brasileiros devido a um ajuste feito pelas distribuidoras do produto. Em Belém do Pará, o preço do gás custa, em média, R$ 116,00, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-Julho-2021).

Na casa da aposentada Cleonice da Silva, de 80 anos, a precariedade chegou ao ponto de se ter que escolher entre comprar gás e comprar comida.

“Tem dias em que dizem assim: – Só tem o do gás. Eu respondo: – Então, vamos comprar o gás, porque a gente compra o gás, depois aparece uma farinha, a gente faz um mingau e toma, porque se arrumar uma farinha e tiver o gás, nós não temos nada”. 

A senhora que é cega, vive no espaço com o marido, dois filhos e sete animais de estimação que abriga no local. Questionada se passou fome durante a pandemia, Dona Cleonice conta que, infelizmente, já precisou dormir para enganar a fome.

“Já pensou a gente querer comer e não ter? Quando tem, tem aquele pouquinho para não dormir com fome. Quando não tem a gente vai para a cama e dorme. Não tem coisa mais ruim no mundo do que dormir com fome”. 

__

Especial Fome no Brasil

Ficha técnica:

Coordenação do projeto: Mariana Pitasse e Rodrigo Chagas | Edição: Kátia Marko, Monyse Ravena, Fredi Vasconcelos, Vanessa Gonzaga, Larissa Costa, Leandro Melito, Mariana Pitasse e Rodrigo Chagas | Reportagem: Catarina Barbosa, Eduardo Miranda, Jaqueline Deister, Wallace Oliveira, Ayrton Centeno, Vinícius Sobreira, Lucila Bezerra, Giorgia Prates, Pedro Carrano, Ana Carolina Caldas, Marcelo Gomes, Francisco Barbosa, Pedro Rafael Vilela, Murilo Pajolla, Pedro Stropasolas e Daniel Giovanaz | Identidade visual: Fernando Bertolo | Artes: Michele Gonçalves | Rádio: Camila Salmazio, Geisa Marques, Douglas Matos, Daniel Lamir, Adilson Oliveira, André Paroche e Lua Gatinoni | Audiovisual: Marina Rara, Isa Chedid, Leonardo Rodrigues e Jorge Mendes | Redes sociais: Cris Rodrigues, Larissa Guold, Guilherme Faro Bonan, Joanne Motta e Vitor Shimomura | Coordenação de jornalismo: Rodrigo Durão | Direção CPMídias: Lucio Centeno e Nina Fideles.

Edição: Vivian Virissimo


Brasil de Fato

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião