- Publicidade -

Organizações protestam contra uso da marca Coca-Cola em nome de estação de metrô do RJ

- Publicidade -

Organizações civis de educação alimentar e defensoras de direitos do consumidor fizeram nesta terça-feira (17) uma ação em frente à entrada da estação de metrô de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro, para protestar contra a decisão da concessionária Metrô Rio de renomear a estação para “Botafogo / Coca-Cola”.

Durante a ação da ACT Promoção da Saúde, que assina um manifesto com outras organizações, ativistas abordaram usuários do metrô e pessoas no entorno do acesso à estação para realizar uma conscientização sobre os riscos associados ao consumo de refrigerantes, como obesidade, diabetes e hipertensão.

- Advertisement -

Leia mais: Metrô do Rio: MP-RJ entra com ação para reduzir tarifa mais cara do país

A diretora-geral da ACT, Paula Johns, falou com o Brasil de Fato sobre a percepção das pessoas que passavam no local durante a ação. Ela também rechaçou a estratégia publicitária de “naming rights”, ou seja, o direito de uso de nomes por uma marca de um transporte que é uma concessão pública.

“Muita gente apoiou nossa ação por achar esquisita essa invasão do espaço público e do metrô, que é uma concessão pública, com o nome de uma marca. É um processo que aconteceu sem nenhuma transparência, a associação de moradores do bairro também não sabia. Queremos promover um debate que nunca houve para problematizar isso, o que o entorno acha dessa mudança?”, questionou Paula Johns.

Outro agravante apontado pelas organizações que protestam contra a atitude da concessionária Metrô Rio é o fato de a estação de Botafogo ser estação terminal, em que usuários passam mais tempo e, consequentemente, ouvem repetidas vezes nos alto-falantes o nome “Coca-Cola”.

“É uma lavagem cerebral. São muitos abusos cometidos por uma marca ‘toda-poderosa’. É uma marca ‘top of mind’ [que está no topo das marcas lembradas pelos consumidores] também nos problemas que ela causa à saúde e ao meio ambiente”, completou a diretora da ACT.

Leia também: Caos no transporte do Rio: pesquisador aponta saídas para problemas agravados com pandemia

Histórico

A mudança do nome da estação para “Botafogo / Coca-Cola” foi anunciada em janeiro deste ano. Segundo as organizações, a Agência Reguladora de Serviços Públicos de Transportes no Estado do Rio, a Agetransp-RJ, só tomou conhecimento da parceria entre o Metrô Rio e a Coca-Cola seis dias depois do fato.

Na época, a Agetransp-RJ e a Secretaria estadual de Transportes informaram que não existe nenhum impedimento legal no contrato para a empresa que explora o serviço de transporte como concessionária. É direito do Metrô Rio, segundo a secretaria e a agência, buscar fontes de renda alternativas em contratos publicitários.

Manifesto

No documento público, as organizações criticaram a “mudança arbitrária, sem diálogo prévio, transparência, ou qualquer benefício para a população e para o transporte público” e manifestaram “profunda indignação com a venda do nome de um espaço público para promover a marca de uma empresa responsável pela manufatura de produtos reconhecidamente nocivos à saúde”.

O manifesto critica a captura do nome da estação como “publicidade disfarçada e abusiva de um produto cujo consumo é incompatível com a alimentação adequada e saudável, como demonstram inúmeras evidências científicas” e aponta que cerca de 10% dos casos de obesidade infantil no Brasil podem ser atribuídos ao consumo de bebidas açucaradas”.

“É preciso que a Agetransp e o Ministério Público atuem para impedir que os valores do mercado se apropriem do espaço público, no caso, do nome de uma estação de metrô. Precisamos estabelecer os limites morais do mercado. Há coisas que não devem estar à venda”, afirma outro trecho do documento.

Contra o uso da marca no nome da estação, assinam o manifesto: a ACT Promoção da Saúde, a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, o IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, FIAN Brasil, Instituto Desiderata, Grupo de Estudos, Pesquisas e Práticas em Ambiente Alimentar e Saúde (GEPPAAS/UFMG), Movimento Infância Livre de Consumismo (MILC), Observatório de Obesidade (UERJ), Núcleo de Estudos em Saúde e Nutrição na Escola (NESANE/ UFRJ), Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Ambiente Alimentar (NEPAAL), Grupo de Pesquisa em Epidemiologia, Nutrição e Saúde Pública (Pensap/ Fiocruz) e a Associação de Moradores e Amigos de Botafogo (AMAB).

Edição: Mariana Pitasse


- Publicidade -
- Publicidade -

Falando Nisso...

Firjan: PIB fluminense cresce 1,7% no segundo trimestre do ano

Resultado confirma dinamismo da economia no estado frente a economia nacional. Com avanço na vacinação, federação projeta o Produto Interno Bruto do Rio de Janeiro em 4,2% em 2021

Empresas no RJ apostam na divulgação com vídeos online em busca de maior alcance

O mercado no Rio de Janeiro está ficando cada vez mais digital, e alguns números recentes divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços...
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal