Home Política Artigo | Ditadores mentem, por Manuel Domingos Neto

Artigo | Ditadores mentem, por Manuel Domingos Neto

0

Os brasileiros assistem incrédulos à manipulação de dados estatísticos sobre a pandemia

Trata-se de crime inominável: impede o planejamento eficaz da defesa da sociedade e afeta diretamente a saúde planetária. Conturba a programação de retorno das atividades econômicas. Resulta em mais sofrimentos para o povo e amplia a desmoralização mundial do governo brasileiro.

O executor desta operação criminosa é um general do Exército. Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, é do serviço de Intendência, responsável pela logística da corporação. 

:: Com 1.272 óbitos em 24 horas, Brasil ultrapassa 38 mil mortes por covid-19 ::

Todos os oficiais entendem de estatísticas, sobretudo os intendentes. Generais também conhecem a gravidade das pandemias e a complexidade das iniciativas necessárias para o seu enfrentamento.

Pazuello alimenta a desinformação sabendo que impõe agruras aos que garantiram seus estudos, pagam seu salário e assegurarão sua aposentadoria. O general engana quem lhe trata bem, que coisa feia! 

:: Anistia de militares é socialmente limitada e ideologicamente norteada, diz analista ::

Mas não inaugura procedimento governamental escuso. Hoje, o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma matéria de Clovis Rossi, “A Epidemia do Silêncio”, escrita em 1974, em plena epidemia de meningite.

A Ditadura estabelecia descaradamente a censura sobre as condições sanitárias e alimentava potente rede de mentiras através de propagandas fantasiosas.

:: Com 20 militares, Ministério da Saúde pode mudar narrativa da pandemia ::

Rossi resume inacreditável lista de temas censurados: perigo de arrombamento de barragens, número de mortos em decorrência de incêndio num edifício, o saldo de vítimas na construção da ponte Rio-Niterói e na Transamazônica, os custos das obras públicas… 

Nesta época, inquéritos sobre desvios de recursos praticados por militares, nem pensar!

O Serviço de Imprensa da Ditadura tinha apenas uma missão: enganar o povo. Enquanto escondia notícias que poderiam desfavorecer o regime, super-dimensionava as realizações governamentais.

Neste momento em que tanto se discute a possibilidade de uma ruptura no já esbagaçado arcabouço institucional, a postura do general Pazuello, ainda no serviço ativo do Exército, alimenta os argumentos dos que acham que já estamos sob um regime ditatorial.

:: Coluna | O inquérito das fake news: o xadrez entre o STF e Bolsonaro ::

Militares são preparados para cumprir missão. No cumprimento de missões, escrúpulos que atrapalham são postos de banda. Feio é não cumprir a missão e perder a “batalha”. 

Quanto mais os militares demorarem ocupando o lugar dos políticos, funcionários, técnicos especializados e cientistas, mais o povo sofrerá. Iludem-se os brasileiros que aguardam do quartel padrões de racionalidade política para os quais não foram preparados. 

Bolsonaro não quer ser presidente, quer ser ditador. Ditadores mentem antes, durante e depois de arrebatar o mando.

Um mínimo de bom senso bastaria para os comandantes compreenderem que, em plena pandemia, o último lugar para militar “cumprir missão” é o Ministério da Saúde.

Pazuello conquistou ontem seu lugar no folclore político brasileiro ao incluir o Norte e o Nordeste no espaço afetado pelos países frios do hemisfério norte. Multiplicam-se os memes de cearenses limpando a neve nas calçadas de Fortaleza.

A conta da desgraceira resultante da condução amalucada da luta contra a pandemia não recairá apenas sobre Bolsonaro, mas sobre corporações que, levadas ao descrédito, deixarão o Brasil ainda mais indefeso.

Edição: Leandro Melito