Diário Carioca Google News

Em cerimônia, hoje (3 de setembro), em Tanhaçu, Bahia, o presidente Jair Bolsonaro declarou que ainda há tempo, até terça-feira 7, de os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), se redimirem. 

A história vem de longe, do Foro de São Paulo. Mas vamos tentar explicar o que está acontecendo com um fato recente e que deixou o país em choque. O então deputado federal Jair Bolsonaro, candidato a presidente da República, já reunia multidões aonde quer que fosse, pois o povo via nele a pessoa talhada para pôr fim à corrupção no país. Roubalheira, impunidade e desmandos eram praticados desde sempre por várias quadrilhas que se autointitulam comunistas e chegaram ao inacreditável no espaço de 2003 a 2016.

Assim, Bolsonaro, capitão do Exército, com 28 anos como deputado federal e ficha limpa, se tornou a esperança para comandar uma limpeza que carecia de coragem, honestidade e habilidade.

Em 6 de setembro de 2018, durante um comício em Juiz de Fora/MG, enquanto Bolsonaro era carregado pela multidão, Adélio Bispo de Oliveira, que fora filiado ao Psol, meteu um facão no ventre de Bolsonaro que quase o transfixa. Até chegar à Santa Casa de Misericórdia, Bolsonaro perdeu metade do seu sangue, mas sobreviveu, e ganhou a parada, a Presidência da República.

Quanto à Adélio, foi montado um escudo judicial em torno dele. A Justiça o considerou louco e o encerrou em um manicômio. Evidências apontam para um suposto mandante, gente poderosíssima, que viveria nas sombras.

Bolsonaro assumiu, compôs um ministério técnico, não rouba nem deixa roubar, e está desenvolvendo o país na velocidade de 50 anos em 5, apesar do vírus chinês. Então começou o plano B, que é o de não deixá-lo governar, livrar o condenado nas três instâncias da Justiça, Lula Rousseff e dá-lo como favorito para presidente nos Data-Folha da vida.

E, assim, com Bolsonaro desmoralizado, seria preso, juntamente com seus filhos. Como se vê, trata-se de um golpe diabólico, utilizando a democracia para instalar uma ditadura. Só que os golpistas não combinaram com o povo, a Constituição e as Forças Armadas. 

A data-limite, ou o dia D, marcado como um divisor de águas, é 7 de Setembro, a próxima terça-feira. Nesse dia, milhões de pessoas irão às ruas pedir a Bolsonaro para se posicionar de uma vez por todas e varrer da vida pública comunistas, fabianos, traidores da pátria, a canalha que vem sangrando a teta da burra, o escambau de asa.

Até lá, nas ruas, em qualquer lugar, a população de patriotas tem que se cuidar contra o vírus endêmico que ataca do Oiapoque ao Chuí: o da “idiotia útil”, e a segurança de Bolsonaro cuida para que nada de mal aconteça ao Mito. Mas se, nessas alturas, algo de ruim ocorrer ao presidente, seu vice, ou as Forças Armadas, já sabe o que fazer. Estamos em contagem regressiva.

Em artigo de 30 de julho de 2020 para o Jornal da Cidade – “Foi o povo quem pagou os 10 trilhões roubados pelo PT” – o advogado e sociólogo Sérgio Alves de Oliveira afirma que as propinas e demais desvios de verbas públicas nas gestões do PT, de 2003 a 2016, foram calculados na Operação Lava Jato, instalada em 2014, pela Polícia e Ministério Público Federal, em 10 trilhões de reais, enquanto o PIB brasileiro é de 7,4 trilhões de reais.

A coisa vem de longe e ficou preta com o Foro de São Paulo. Investigue no Google o que é o Foro de São Paulo, caro leitor. Destacam-se, nele, duas personagens que são dois dos criadores de Lula: Fernando Henrique Cardoso e Fidel Castro. É assunto para um livro, e volumoso. Comece por Marxismo: O ópio dos intelectoides latino-americanos, de Jorge Bessa, link: https://www.amazon.com.br/Marxismo-%C3%B3pio-dos-intelectoides-latino-americanos-ebook/dp/B082FN116K

Moraes está prendendo todo mundo que o contraria. Só não teve ainda colhão para prender Bolsonaro, e Barroso não quer nem ouvir falar em urnas com voto impresso. Quanto a Bolsonaro, tornou-se o grande defensor da democracia, e o povo patriota sabe disso, de modo que foi o próprio povo que deu um ultimato a Bolsonaro: democracia ou comunismo! O prazo é 7 de setembro.

Ray Cunha

RayCunha é jornalista, escritor e terapeuta em Medicina Tradicional Chinesa, residente em Brasília, trabalhou em vários jornais e criou outros. O mais relevante foi o Correio Braziliense, no qual atuou...

Deixe um comentário

Deixe uma resposta