Diário Carioca Google News

protecao-do-monumento-a-reforma-agraria-no-parana-ainda-segue-indefinida

O monumento em memória ao assassinato do trabalhador rural Antônio Tavares e à luta pela Reforma Agrária, projetado por Oscar Niemeyer e fixado às margens da rodovia BR-227, no km 108, em Campo Largo (PR), ainda corre o risco de ser removido pela empresa Postepar, dona da área em que a obra está localizada.

Mesmo com a resolução da Corte Interamericana de Direitos Humanos, órgão vinculado à Organização dos Estados Americanos (OEA), em 24 de junho, que determina que o Estado brasileiro garanta a integridade patrimonial e jurídica para a manutenção do monumento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), até o momento, não foram apresentadas medidas pelas autoridades brasileiras. 

“A Corte determinou que o Estado brasileiro assegure a participação dos representantes das vítimas no processo de elaboração dessas medidas de proteção. E, por fim, determinou também que o Estado brasileiro apresentasse à Corte, até o dia 15 de julho, esse prazo já expirou, informações sobre as medidas que foram adotadas para dar cumprimento a essa ordem”, explica Camila Gomes, consultora da Terra de Direitos para Litigância Internacional. 



Trecho da resolução que estipula o prazo de manifestação das partes envolvidas / Corte Interamericana de Direitos Humanos

Respeito à memória 

O monumento está localizado próximo ao quilômetro 108 da BR-227, em Campo Largo (PR), local do confronto no ano 2000. A área foi cedida pela empresa Postepar, em 2001, sob contrato de comodato às organizações sociais. Esse acordo, previa a renovação a cada cinco anos, podendo ser rescindido pela empresa sem manifestação expressa. O que ocorreu recentemente. 

Diante do impasse no âmbito da justiça local, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e as organizações de Direitos Humanos Terra de Direitos e Justiça Global, recorreram à Corte Interamericana de Direitos Humanos. 

“Esse monumento é a memória viva da luta dos trabalhadores pela Reforma Agrária, da denúncia da violência, da impunidade do Estado brasileiro, e também a memória viva da necessidade da Reforma Agrária. Agora, a Corte latino-americana tomou uma decisão inédita, que é tombar esse monumento, em homenagem à luta do MST e das famílias pela reforma agrária.”, avalia Roberto Baggio, da Coordenação Nacional do MST.

 “A Corte acolhe os fundamentos das vítimas ao entender que essa é uma obra artística, um bem cultural, com relevante valor simbólico, não só em memória ao trabalhador Antônio Tavares, mas de todos aqueles que lutam pelo direito do acesso à terra, que lutam pela Reforma Agrária, e de todos aqueles que foram vítimas de violações no contexto dessa luta de acesso à terra”, pontua Camila. 

O Brasil, por acordo formalizado em 1998, reconhece que o país se submete às jurisdições contenciosas da Corte Interamericana, portanto, deveria dar seguimento ao cumprimento das determinações. 

“Neste caso, a Corte estabeleceu o dever do Estado brasileiro de oferecer toda proteção jurídica necessária para que ele permaneça incólume e exatamente no local em que ele está”, explica Camila. 

Outro lado

Tanto a Postepar, empresa dona da área em que o monumento está localizado, quanto a Prefeitura de Campo Largo (PR), foram procuradas pelo Brasil de Fato. No entanto, não houve retorno até o fechamento da matéria. 

Edição: Isa Chedid


Newsletter

Mais Noticias

Lo que no dicen de Cuba

No empezó con Biden, hay que decir. Desde el 2017 vienen martillando la falacia de un estallido social en Cuba con su solución mágica, la “intervención humanitaria”

Brasil de Fato

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião