Diário Carioca Google News

Dois meses após a apresentação na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, a reforma da Previdência do governo de Romeu Zema (Novo) acaba de ser aprovada em segundo turno no plenário da casa. A versão final da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55 teve 52 votos a favor e 21 contra.

Na última comissão por que passou, a PEC sofreu algumas alterações importantes, como a retirada de contribuição extraordinária que o governo queria impor aos servidores, além das alíquotas pagas pelos servidores ativos e inativos. A retirada da cobrança foi fruto de uma emenda do bloco de oposição Democracia e Luta, que votou contra a PEC 55.

Pela norma aprovada, pessoas que entram no serviço público após a mudança passam a se aposentar aos 65 anos, se homens, e 62 anos, no caso das mulheres. Na regra anterior à reforma, as idades mínimas são, respectivamente, 60 e 55 anos.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Profissionais da segurança pública, que, pela proposta de Zema se aposentariam aos 53 anos, no caso das mulheres, e 55, se homens, na versão final aprovada, se aposentam aos 50 e 53 anos, respectivamente. Essa alteração foi fruto de uma negociação que garantiu o voto dos deputados representantes da segurança a favor da PEC.

Também foram instituídas regras de transição para quem já está no serviço público. Os que entraram antes do fim de 2003 se aposentam com proventos integrais e a idade fixada nas atuais regras (60 e 65 anos). Os que entraram depois podem escolher entre duas regras de transição.

“Nossa estratégia, desde o início, foi evitar essa votação em meio à pandemia, quando as atenções deviam estar concentradas em seus efeitos socioeconômicos. Mas, a partir do momento em que a proposta passou a tramitar, nós conseguimos o fatiamento e conseguimos retirar a reforma administrativa e sindical, e preservar direitos adquiridos dos servidores”, avalia André Quintão, líder do Bloco Democracia e Luta.

Ipsemg fora da reforma

Logo na sequência, o plenário aprovou em segundo turno, por 52 votos a 20, o substitutivo número 1 ao Projeto de Lei Complementar (PLC) 46, que também compõe a reforma. A votação em primeiro turno havia ocorrido na quinta-feira (4). Na última comissão por que passou, o PLC 46 sofreu uma alteração importante, que foi considerada mais um ganho da oposição, minimizando os danos causados aos servidores.

A principal mudança foi a retirada do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) da reforma. Nas versões anteriores, defendidas pelo governo, o instituto seria dividido em uma companhia responsável pela assistência social e saúde dos servidores e em uma autarquia chamada MGPrev, responsável por gerir um fundo financeiro que receberia as contribuições previdenciárias. Isso, segundo os trabalhadores, descaracterizaria o projeto do Ipsemg, com o fim de sua autonomia.

Oposição garantiu que Ipsemg não fosse dividido e que cálculo do valor da aposentadoria permanecesse o atual

“Nós apresentamos emenda, do Bloco Democracia e Luta, de modo que estamos preservando o Ipsemg com o que ele é: a previdência, a assistência e a saúde. Segundo: a autonomia do Ipsemg, conquistada por iniciativa nossa em 2019”, afirmou, durante a reunião da Comissão de Administração Pública, a deputada Beatriz Cerqueira (PT). Outra mudança comemorada pela parlamentar diz respeito à regra de cálculo do valor dos benefícios.

“A reforma do Zema era extremamente cruel com o cálculo da aposentadoria, pois mudava de 80% das maiores contribuições para 100% de todas. No caso da educação, quem tem 25 anos de magistério ficou 17 com salário congelado. Então, a regra traria uma diminuição de remuneração de aproximadamente 60% na hora da aposentadoria da professora. A emenda número 13 altera isso: para todos os profissionais que hoje estão no Estado, a regra deixa de ser 100% e passa a ser 80% das maiores”, comentou Beatriz. A cobrança de alíquotas extraordinárias também foi retirada da proposta.

Cobranças

Com a reforma aprovada, os servidores, ativos e inativos, passam a pagar novas alíquotas de contribuição previdenciária 90 dias após a sanção do projeto de lei. As alíquotas variam entre 11%, para trabalhadores que ganham até R$ 1.500, 12% para quem recebe até R$ 2.500, 13% para servidores com rendimentos de até R$ 3.500, 14% para salários de no máximo R$ 4.500, 15% para quem recebe até R$ 5.500, 15,5% para remunerações até R$ 6.101,06 e 16% para quem recebe acima de R$ 6.101,06.

Dessa forma, uma pessoa que ganha apenas um salário mínimo vai pagar R$ 114,95 por mês. Já aposentados que recebem acima de três salários mínimos (R$ 3.135) podem ser taxados. Antes, o governo queria que essa cobrança fosse aplicada a qualquer aposentado ganhando acima de um salário mínimo.

Mobilização

Ao longo de toda a tramitação, trabalhadores do serviço público estadual se mobilizaram contra a reforma nas redes sociais e nas ruas. As mobilizações se intensificaram nos dias de votação em plenário. Na terça-feira (1º), quando a PEC 55 foi votada em primeiro turno, uma manifestação ocorreu na porta da Assembleia Legislativa, mas todos os acessos ao edifício foram bloqueados por grades e por uma considerável tropa policial, com carro blindado e até atiradores de elite.

Hoje (4), não foi diferente. Trabalhadores da educação e de outras categorias compareceram à ALMG para pressionar os deputados pela derrubada integral da reforma. A pressão também ocorreu nas redes, com uma campanha do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais  (Sind-UTE/MG) cobrando dos parlamentares que não votassem contra os servidores.

Novas regras mudam idades de aposentadoria de 60 para 65 anos, no caso de homens, e de 55 para 62 anos no caso de mulheres

“Nós estamos aqui em defesa da professora, da auxiliar de serviços da educação básica, dos trabalhadores de superintendências de regionais de ensino, no meio da pandemia. O governo do Estado é absolutamente insensível com todos os problemas que nós estamos enfrentando em decorrência da pandemia, o número de mortos em Minas Gerais ultrapassa os 5600 e o governo se aproveita para retirar os direitos dos trabalhadores”, criticou a professora Denise Romano, coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG).

Próximos passos da reforma

O Projeto de Lei Complementar (PLC) 46 agora segue para sanção ou veto do governador Romeu Zema. Porém, para que ele seja sancionado, primeiro a Assembleia precisa promulgar a PEC 55. O prazo para a promulgação é de até cinco dias úteis.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida


Mais Noticias

Descubra como Como escolher um bom casino online português

A escolha de casinos Portugal online pode ser um processo simples e rápido se for feito de forma correta, o grande problema é que a maioria dos jogadores de casino online não estão atentos a características muito importantes que um casino online deve ter para que seja considerado seguro, confiável e vantajoso para o jogador

Agência Brasil de Fato traz notícias do Brasil e do mundo, a partir de uma visão popular. Notícias, entrevistas e artigos de opinião