A legalização dos jogos de cassino continua a ser tema muito falado em Brasília. As últimas notícias dão conta que o governo pretende liberar a construção de cassinos em um formato especial e em número limitado.

Os mais conservadores serão sempre contra, por uma posição de princípio e de valores, mas o fato é que o projeto de legalização é bem mais limitado do que outros de que se falou antes. Sendo que os jogos na internet, onde se podem encontrar plataformas de pachinko grátis e outras semelhantes, não terão alterações, porque o foco do governo está nas grandes cidades, e em especial no Rio de Janeiro. 

Legalização à medida do Rio

Desengane-se quem pensa que a legalização dos jogos de cassino trará o jogo para todo o país, com cassinos em cada capital e salas de máquinas caça-níquel em cada cidade, que nem as salas de pachinko no Japão (clique aqui para saber mais sobre o famoso caça-níquel japonês). Pelo contrário, trata-se de criar um estatuto legal quase à medida do Rio de Janeiro. 

A ideia é criar uma exceção para a criação de grandes cassinos resort, como existem em Las Vegas e Singapura. Já não é segredo que Sheldon Adelson, o veterano magnata dos cassinos de Las Vegas (maior empresário do mundo nesse setor, segundo a renomada revista Forbes), está interessado em replicar no Rio o que já construiu naquelas duas cidades.

Uma ideia antiga do presidente Bolsonaro

Não se pense que o presidente Jair Bolsonaro está contra. Ainda durante a campanha eleitoral, em uma reunião com empresários cariocas pouco falada na mídia mas captada pelo Valor, o candidato Bolsonaro “acenou” com a possibilidade. Em suas próprias palavras, ele falou ser “contra, mas vamos ver qual a melhor saída”. O candidato estava sendo pressionado pela classe empresarial a autorizar mais um motor de desenvolvimento econômico para a Cidade Maravilhosa. 

A escolha de Paulo Guedes, empresário e acadêmico associado às ideias liberais da chamada “Escola de Chicago”, para ministro da Economia, veio confirmar essa intenção geral do candidato de colocar os negócios e o desenvolvimento à frente de outras considerações. 

A posição de Crivella

O prefeito Crivella já falou por várias vezes ser totalmente favorável ao projeto e já recebeu Adelson em visita “oficial”. Resta saber quando será dada bandeira verde para esse projeto que promete revolucionar o Porto Maravilha – fala-se em um investimento de $10 bilhões de dólares.

 

Equipe de jornalistas e colaboradores do jornal Diário Carioca. Profissionais de comunicação que trazem as informações mais importantes do Brasil e do Mundo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *