Justiça do Rio suspende aplicativo de entrega de alimentos “Valeu”, criado pela prefeitura

Brasil de Fato
Brasil de Fato
Leia em 2 Min
justica-do-rio-suspende-aplicativo-de-entrega-de-alimentos-“valeu”,-criado-pela-prefeitura

A Justiça do Rio de Janeiro determinou a suspensão do funcionamento do aplicativo de entrega de alimentos “Valeu”, lançado em março deste ano pela Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento do Rio de Janeiro em parceria com a Empresa Municipal de Informática do Rio (IplanRio).

A decisão, da última segunda-feira (27), foi da juíza Luciana Losada Albuquerque Lopes, da 13ª Vara de Fazenda Pública da Capital. Ela acolheu o pedido de suspensão apresentado na ação popular ajuizada pelo vereador Pedro Duarte (Novo).

Leia mais: Uber e iFood remuneram menos que o mínimo e têm condições de trabalho indecentes, diz estudo

A juíza destacou um dos argumentos apresentados na ação popular, de que o decreto que criou o serviço representava uma intervenção no mercado de serviço de “delivery”.

“Ainda que, em linha de princípio, não resulte caracterizado o desvio de finalidade à luz das competências atribuídas à empresa pública Iplan Rio, parece-nos, à primeira vista, ter havido indevida intervenção na ordem econômica em condições não competitivas, adotando o réu modelo concorrencial incompatível com o texto constitucional”, escreveu na decisão.

A Prefeitura do Rio ainda não se manifestou sobre o caso e se vai recorrer da decisão judicial.

Leia também: Obras do BRT da Avenida Brasil consumiram quase R$ 2 bilhões e têm atraso de cinco anos

Nas redes sociais, o Valeu promete vantagens de taxas menores tanto para entregadores quanto para os estabelecimentos e informa que chegou ao mercado para competir com aplicativos como iFood e Rappi.

“Para os restaurantes, temos a menor taxa de todos os apps de entrega, inclusive taxa zero nos pedidos até R$ 100. Para os entregadores, temos um valor fixo de R$ 7 pago por entrega, com um bônus de 2% para as que forem acima de R$ 100”, informa o Valeu nas redes.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda


Compartilhe