Diário Carioca Google News

Na última terça-feira (11), a primeira pesquisa de intenção de voto para o segundo turno no Rio de Janeiro , divulgada pela CNN Brasil em parceria com o RealTime Big Data, aponta uma grande diferença entre os candidatos.

No levantamento, o ex-prefeito da cidade Eduardo Paes (DEM) lidera com 37%, enquanto o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) aparece com 29% dos votos válidos.

Leia também: Opinião | Eleições 2020: a volta dos que não foram

No primeiro turno, Eduardo Paes conseguiu 21, % dos votos válidos ( . 804 votos) nas urnas. Marcelo Crivella teve 18, 90% (90. 825 votos).

Apoios

No dia seguinte ao resultado do primeiro turno, alguns apoios políticos aos candidatos já foram divulgados, reposicionando os partidos na disputa. O Partido dos Trabalhadores (PT) foi um deles e divulgou o seu apoio a Eduardo Paes. Em nota, o partido orienta a militância e a base social ao voto “contra Crivella e Bolsonaro”.

“Nós, petistas, temos clareza de nossa responsabilidade com a cidade e com os cariocas. Considere que derrotar Crivella e Bolsonaro é uma prioridade. Precisamos virar a página dessa administração desastrada e incompetente ”, afirma a nota do partido.

Leia também: Resultado das vantagens reorganiza composição da Câmara Municipal do Rio

Já o deputado federal Marcelo Freixo (Psol) afirmou que aguarda uma deliberação do Psol para se posicionar. A proposta do parlamentar ao partido é fazer “voto crítico” em Eduardo Paes contra Crivella e Bolsonaro.

“Essa é uma decisão do partido, mas acredito que derrotar Crivella seja muito importante “, disse à imprensa.

O PSB ainda não divulgou seu posicionamento, mas o deputado Alessandro Molon já postou nas redes sociais a necessidade de ser contra Crivella e Bolsonaro segundo nesse segundo

Crivella, por outro lado, segue isolado, com o apoio do atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Não conseguiu, inclusive, o apoio de Luiz Lima (PSL), vice-líder do governo na câmara, que proclamou neutralidade.

Martha Rocha (PDT), que ficou em terceiro lugar na disputa do primeiro turno, afirmou que não fará campanha a nenhum dos candidatos que a atacaram durante a disputa neste ano.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse