16 C
Rio de Janeiro
- Publicidade -
- Publicidade -

Saiba como funciona uma investigação contra ministro do STF

- Publicidade - Diário Carioca Google News

Pela primeira vez, a Polícia Federal protocolou um pedido de investigação contra um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A solicitação, feita na semana passada, tem como base a delação feita pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral de que Dias Toffoli teria recebido R$ 4 milhões por suposta venda de sentenças a dois prefeitos do Rio de Janeiro quando integrava o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Após receber o pedido, o ministro Edson Fachin, que é relator da Lava Jato no Supremo, o encaminhou à Procuradoria-Geral da República para que se manifeste. 

“Isso acontece porque a delação de Cabral, homologada por Fachin em fevereiro do ano passado, originou 12 investigações contra parlamentares, ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Tribunal de Contas da União (TCU). Após análise do STF, esses autos foram encaminhados ao procurador-geral Augusto Aras, que pediu o arquivamento de todos os processos. Como a PF pediu a reabertura, é natural que a PGR seja consultada”, afirma a jurista e mestre em Direito Penal, Jacqueline Valles.

A criminalista explica que a Polícia Federal só pode solicitar uma nova investigação se houver novas provas ou indícios que não foram analisados na época em que a PGR pediu o arquivamento dos inquéritos.

 “Por se tratar de um ministro do STF, que tem foro privilegiado, os órgãos que participam do processo investigatório são diferentes de uma investigação comum. A Polícia Federal, pela Constituição, tem a prerrogativa de investigar o ministro. O inquérito, nesse caso, é presidido por um delegado da PF e todas as ações, como quebra de sigilo e diligências, precisam ser autorizadas por um juiz, que, nesse caso, tem que ser um ministro do STF”, explica Jacqueline.

Ao final das investigações, o inquérito precisa ser submetido à avaliação da Procuradoria-Geral da República.

 “A decisão de denunciar alguém é uma prerrogativa do Ministério Público. Se houver algum tipo de denúncia contra Toffoli, a análise deve ser feita pela PGR. E se a PGR aceitar a denúncia, o processo é julgado pelo STF, obviamente sem a participação de Toffoli”, explica a jurista

MG: Iepha divulga pontuação provisória do ICMS Patrimônio Cultural

A tabela de pontuação provisória do programa ICMS Patrimônio Cultural, do exercício 2020, já está disponível...

Ministro da Saúde anuncia que 1,5 milhão de doses da Janssen chegam amanhã (22) no Brasil

Durante a audiência pública da Comissão Temporária da Covid - 19, no Senado, nesta segunda-feira (19,...

Horóscopo de terça-feira 22 de junho de 2021

Confira a previsão do horóscopo do dia 22 de junho de 2021 e fique por dentro de tudo o que o seu signo lhe reserva para o amor, dinheiro e saúde.

Meirelles e Caio Afiune trollam ex-BBBs e Viih Tube desmascara brincadeira: “É lisa demais”

Caio Afiune participa do ‘Foi Mau’ desta segunda-feira (21) e tira onda ao lado do apresentador Maurício Meirelles. O goiano conta que Juliette ainda...

The Strokes compartilham trecho da nova música 'Starting Again' no anúncio de Maya Wiley

The Strokes apresentou uma prévia de uma nova música chamada 'Starting Again' em um comercial para a candidata a prefeito de...