21.1 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, novembro 27, 2020
- Publicidade -

Os animais de estimação devem ser testados quanto ao coronavírus?

- Publicidade -

                                                                                                                 Um cachorro usando uma máscara em Xangai.                                                  REUTERS / Aly Song                                                        Por David GrimmMar. 31, 2020, 15:35       Os relatórios COVID-19 da Science são suportados pelo Pulitzer Center. Na última quinta-feira, o primeiro gato apresentou resultado positivo para o novo coronavírus. O felino apresentava diarréia, vômito e dificuldade em respirar, e havia ficado com o COVID-19 cerca de uma semana após o dono, anunciaram as autoridades de saúde belgas. No mesmo dia, o Departamento de Agricultura, Pescas e Conservação de Hong Kong informou que um pomerano de 17 anos – que inicialmente havia testado “positivo fraco” para SARS-CoV-2 – havia sido realmente infectado pelo vírus, provavelmente por seu proprietário ou outro humano.      Relacionado                                                                                                 No entanto, apesar desses casos – e um terceiro cão que testou positivo para coronavírus em Hong Kong no início deste mês – o número de animais diagnosticados com COVID-19 empalidece em comparação com o total humano, agora estimado em mais de 800.000. E especialistas, incluindo os do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), continuam enfatizando que cães e gatos representam pouco risco para as pessoas. “O CDC não tem evidências de que animais de estimação possam espalhar o COVID-19, e não há razão para pensar que os animais de estimação possam ser uma fonte de infecção com base nas informações que temos no momento”, Casey Barton Behravesh, diretor do One Health Office da agência em o Centro Nacional de Doenças Infecciosas Emergentes e Zoonóticas, diz Science. Ainda assim, os veterinários querem mais informações. Embora os testes em humanos possam funcionar em animais, eles são escassos – e os veterinários preferem os testes específicos de cada espécie. Vários laboratórios desenvolveram um teste SARS-CoV-2 para animais de estimação, mas nenhum começou a administrá-lo amplamente. O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) desaconselhou e muitos especialistas estão preocupados em espalhar medo injustificado – especialmente em meio a relatos de que alguns proprietários começaram a abandonar seus animais de estimação. “Embora não tenhamos evidências de que animais de estimação possam transmitir o vírus, precisamos desesperadamente [more] de evidências de uma maneira ou de outra”, diz Timothy Baszler, diretor executivo do Laboratório de Diagnóstico de Doenças de Animais de Washington (WADDL), que anunciou há duas semanas que havia desenvolvido um teste COVID-19 para animais de estimação. O WADDL criou seu teste a pedido de agências locais e federais de saúde animal. As autoridades ficaram preocupadas porque um lar de idosos em Kirkland, Washington – local de um dos primeiros surtos de cluster nos EUA do COVID-19 no início de março – também abrigava gatos de vários moradores. Cães e gatos compartilham muitos dos mesmos receptores celulares que nós – aos quais os vírus podem se ligar – e durante o surto de 2003 da síndrome respiratória aguda grave (um parente de coronavírus da SARS-CoV-2), os cientistas relataram que os gatos podem ser infectados com o vírus. vírus e passá-lo para outros felinos.                O teste de SARS-CoV-2 para animais de estimação da WADDL é semelhante ao teste humano: ele usa a reação em cadeia da polimerase (PCR) para amplificar o RNA do vírus. Baszler diz que sua equipe o desenvolveu com dezenas de amostras arquivadas de esfregaços nasais e na garganta de gatos e cães coletados no oeste dos Estados Unidos, alguns dos quais foram semeados com SARS-CoV-2. Embora nenhum desses animais possuísse COVID-19, o teste foi capaz de captar o vírus nas amostras semeadas, sem relatar falsos positivos para outros coronavírus. Baszler diz que a Organização Mundial de Saúde aprovou o diagnóstico e que o WADDL pode começar a testar até 100 animais por dia, se necessário. A IDEXX Laboratories, uma rede global de mais de 80 laboratórios de diagnóstico, também anunciou um teste SARS-CoV-2 para animais em meados de março. Como o teste WADDL, é baseado em PCR e foi desenvolvido usando amostras de gatos e cães. (No caso da IDEXX, o desenvolvimento de testes também utilizou amostras de cavalos.) A empresa analisou mais de 4000 amostras, incluindo amostras de animais com distúrbios respiratórios. “Todos voltaram negativos”, diz Jim Blacka, diretor sênior da empresa. “Se houver necessidade de começar a testar animais de estimação, estamos prontos para comercializá-lo e torná-lo amplamente disponível”. Mas existem obstáculos para implementar qualquer um dos testes. A primeira questão é a falta de urgência. Dado que existem cerca de 150 milhões de cães e gatos apenas nos Estados Unidos, se os animais de estimação pudessem pegar o COVID-19, estaríamos vendo muitos casos até agora, diz Shelley Rankin, microbiologista da Escola de Veterinária da Universidade da Pensilvânia. Remédio. “No entanto, ninguém está relatando um aumento” nas infecções respiratórias em cães e gatos. Mesmo os três animais de estimação que deram positivo para o vírus não devem soar um alarme, diz Jonathan Epstein, vice-presidente de ciência e divulgação da EcoHealth Alliance, uma organização sem fins lucrativos que rastreia doenças emergentes em animais. “Detectar o RNA é diferente de [animals] liberar vírus infeccioso”, diz ele. “Nosso foco agora deve estar na transmissão de humano para humano, porque é isso que está impulsionando a epidemia.” O USDA divulgou uma FAQ na semana passada que alertou contra testes em animais de estimação. “No momento, o teste para animais de companhia só será realizado se as autoridades de saúde pública e animal concordarem que o teste deve ocorrer devido a um link para um caso humano conhecido de COVID-19”, diz o documento. “Não testaremos a população geral de animais de companhia”. Rankin argumenta que o documento evita efetivamente que os laboratórios testem amplamente os animais de companhia quanto ao SARS-CoV-2 sem a aprovação do USDA. Baszler diz que as recomendações são úteis, porque não está claro o que fazer se um animal de estimação for positivo para o vírus. “Se você recebe um cachorro positivo em uma casa onde ninguém mais está doente, o que você faz com esse animal?” ele pergunta. “Você coloca isso em quarentena? Onde? E quem decide quando essa quarentena é levantada? Apressando-se para testar sem um roteiro, ele diz, “apenas cria angústia e medo”. Baszler diz que está trabalhando com autoridades veterinárias do estado para desenvolver um plano para testes em animais de estimação. Ele diz que, se os esforços começarem, o primeiro foco deve ser em animais em casas nas quais os seres humanos já testaram positivo. Se esses animais também fossem positivos, os veterinários poderiam estudá-los para aprender mais sobre como o vírus afeta cães e gatos. Epstein diz que, mesmo que o COVID-19 se torne uma mera doença sazonal, saber o papel dos animais na propagação viral será útil. Se os animais espalharem o vírus, ele disse: “Você gostaria de tomar precauções extras se visitar parentes idosos ou se estiver levando cães para asilos como animais de apoio emocional”. Por enquanto, Behravesh recomenda tratar nossos animais de estimação como agora nos tratamos. “Se você estiver doente, restrinja seu acesso ao seu animal de estimação o máximo que puder”, diz ela. “Quando você passear com o cachorro, fique a 1 metro de distância de outros animais. Não acaricie os cães de outras pessoas. Sempre lave as mãos – ela diz. “É realmente importante que as pessoas não entrem em pânico.” Epstein concorda. “Não quero criar preocupações desnecessárias com animais de estimação”, diz ele, argumentando que nossa conexão emocional com cães e gatos pode ser mais crítica agora do que nunca. “Nestes tempos difíceis e isolados”, diz ele, “há uma importância em ter animais de companhia em sua vida”.   
Consulte Mais informação

- Publicidade -

Veja Também

- Publicidade -

Últimas Notícias

Boletim Carioca

Assine nossa Newsletter e receba as últimas notícias e ofertas de nossos parceiros em seu email

Vasco empata com Defensa Y Justicia fora de casa na Sul-Americana – Veja os Gols

Na primeira partida de futebol em solo argentino após o falecimento da lenda Diego Armando Maradona, homenageado antes da...

Ivete Sangalo lança “Não Pode Parar”, parceria com MC Zaac

Gravado na Praia do Forte, Bahia, o clipe conta com a direção de Bruno Ilogti e vem com muita dança, coreografia e efeitos especiais.

Dois documentários do Curta! estão na mostra competitiva do Festival de Brasília

A 53ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, entre 15 a 20 de dezembro, terá dois documentários...

Daniela Albuquerque entrevista Cesar Filho nesta quinta-feira

Dono de uma voz singular, Cesar trabalha como jornalista há quase 40 anos, na televisão e no rádio. Já...

Produções na HBO que combinam romance e comida

A HBO estreou recentemente a minissérie espanhola FOODIE LOVE, a primeira produção para televisão escrita e dirigida pela reconhecida...

Um novo peão entrou de surpresa em A Fazenda 12, nesta quinta-feira, 26/11: o CB, influenciador digital da Casas Bahia, está na sede...

Cada episódio de A Fazenda traz muitas novidades e reviravoltas para o público e para os integrantes do reality,...

RedeTV! promove sabatina com Bruno Covas (PSDB) nesta sexta-feira

A RedeTV! realiza nesta sexta-feira (27), às 21h45, uma sabatina com o candidato à Prefeitura de São Paulo, Bruno...
- Publicidade -