Diário Carioca Google News

Dados do Ministério da Saúde indicam queda de 32, 1% nos transplantes de órgãos no Brasil este ano, frente aos resultados de 2019. O declínio é relativo ao período de janeiro a julho. No ano passado, foram realizados 9. 952 procedimentos e agora o registro foi de 5. 827 cirurgias. Segundo o governo, o problema se intensificou a partir de março, quando uma epidemia do novo coronavírus passou a crescer sem controle no país.

Os cenários mais básicos foram observados nos estados que passaram por esgotamento ou sobrecarga nos sistemas de saúde. O governo não detalhou uma situação específica de cada região, mas diz ter identificado os locais em que os programas de transplante chegaram a ser paralisados. Houve queda de 8,4% nas doações em relação ao ano passado.

No entanto, esse declínio não explica a diminuição de quase 40% nos procedimentos. O impacto maior veio da falta de condições de atendimento por causa da pandemia e das limitações de logística no transporte de órgãos e equipes.

No caso dos transplantes de medula óssea, a redução registrada chegou a 25, 82%. Os transplantes de coração caíram 24, %. O governo afirma que a situação caminha para a normalidade.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, unidades dedicadas a esses procedimentos que conseguiram manter como unidades em funcionamento e livres da covid – 10. Hospitais de grande porte tentaram absorver as demandas de locais menores.

Uma pasta informada que não foi registrado nenhum infectado entre as pessoas que passaram por cirurgias dessa natureza. Hoje há mais de 40 mil pessoas a espera de um transplante no Brasil.

Números da covid no Brasil

O total de infectados pela covid – 19 no Brasil, desde que o coronavírus foi registrado pela primeira vez em território nacional, é de 4. 657. 702 de pessoas. Dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde mostram que foram confirmados 32. 817 casos somente nesta quinta-feira (24). O número de mortes chegou a 139. 808. , com 831 registros em 24 horas.

Pesquisa da Universidade Federal de Pelotas, no entanto, indica subnotificação nos números. A estimativa é que, somente entre maio e junho, apenas uma em cada dez infecções tenha sido registrado oficialmente. O inquérito sorológico aponta ainda um risco maior de contaminação entre os mais pobres e indígenas.

Segundo o estudo, uma população com faixa de renda menor tem duas vezes mais chances de ser infectada do que os mais ricos. Entre os indígenas, a presença de la para a covid – 19 foi quatro vezes maior do que o observado nas pessoas brancas.

O que é o novo coronavírus?

Trata-se de uma extensa família de vírus causadores de doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos os vários tipos de vírus podem provocar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), uma crise mais graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa da doença covidae – 10.

Como ajudar quem precisa?

A campanha “ Vamos precisar de todo mundo ” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid – 19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Edição: Rodrigo Chagas


Newsletter

Mais Noticias

formula-e:-lucas-di-grassi-vence-primeira-de-duas-etapas no-mexico

Fórmula E: Lucas di Grassi vence primeira de duas etapas no México

O brasileiro Lucas di Grassi venceu a primeira das duas etapas da temporada 2021 da Fórmula E na cidade de Puebla (México). Neste sábado (19), o piloto cruzou a linha de chegada em segundo, atrás de Pascal Wehrlein, mas foi beneficiado por uma infração técnica cometida pela Porsche, escuderia do rival alemão, herdando a primeira colocação. A segunda das provas em Puebla […]